Notícias

15ª CineBH fala de cinema e vigilância

De 28 de setembro a 3 de outubro acontece a 15ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, de maneira gratuita e 100% online, com filmes, debates, rodas de conversa e as atividades do Brasil CineMundi – 12th Internacional Coproduction Meeting. Todas as atividades poderão ser acompanhados pelo site www.cinebh.com.br. O tema desta edição, definido pelo trio de curadores Pedro Butcher, Francis Vogner dos Reis e Marcelo dos Reis é instigante: “Cinema e Vigilância” e enxerga os mecanismos de vigilância e controle como elementos de investigação e estética audiovisual na história do cinema.

A base das discussões, que estará espalhada pelos filmes e demais atividades, remete à própria história do audiovisual. Desde a invenção das tecnologias que permitiram a captação e reprodução da imagem em movimento, no final do século 19, os conceitos de “cinema” e “vigilância” caminham lado a lado, ajustando-se a cada novo tempo e avanço técnico. Filha do capitalismo industrial e símbolo da modernidade, a captação de imagens pela câmera nasce como produtora de encantamento, graças à capacidade de registrar e reproduzir a vida num recorte de tempo e espaço, e paradoxalmente como um dispositivo para possibilidades até então inéditas de vigilância e controle social e individual. Um exemplo clássico é a famosa cena de Tempos Modernos, de Charles Chaplin, na qual o trabalhador é alertado pelo dono da fábrica, através de uma tela, de que seus movimentos estão sob escrutínio.

Tempos Modernos, de Charles Chaplin

Ao longo de toda a história do cinema, a dimensão vigilante possibilitada pelas câmeras emerge em diversas obras, seja como temática disparadora de conflitos (Os Mil Olhos do Dr. Mabuse, de Fritz Lang, em 1960, ou A Conversação, de Francis Ford Coppola, em 1974) ou como elemento da estética, seja na ficção ou no documentário (Guerra sem Cortes, de Brian De Palma, em 2007, ou Videogramas de uma Revolução, de Harun Farocki, em 1992). Com a chegada das tecnologias digitais, a relação entre a produção de imagens e a questão da vigilância se intensificou e se potencializou graças à multiplicação das câmeras de segurança e à onipresença das câmeras digitais, agora em qualquer smartphone ao alcance das mãos de quase todos nós.

Apoie o Cenas

“Esse novo estatuto da vigilância que surge com as novas tecnologias atravessa a economia, os costumes e todo o nosso imaginário, influenciando a imaginação de cineastas e orientando uma nova intersecção entre estética e política, privacidade e espetáculo, linguagem e fato”, destaca Pedro Butcher, um dos curadores da 15ª CineBH. “Em tempos de fake news, o mito da imagem como testemunho já não determina mais que o registro da câmera seja sempre um retrato da realidade. O que a ficção do cinema, durante o século 20, imaginava como distopia de uma sociedade controlada por uma instância de poder invisível, em personagens controladores como o Dr. Mabuse, ganhou uma dimensão inimaginável hoje em dia”.

Apesar de estar presente no cinema desde sempre, a ideia de cinema e vigilância ganhou novo status há exatamente 20 anos, a partir do 11 de Setembro de 2001, quando aconteceram os ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, nos EUA. Alegando a necessidade de controle mais intenso para evitar novos ataques terroristas, governos de várias partes dos países ocidentais passaram a implantar políticas rigorosas de vigilância individual, oferecendo supostamente mais segurança em troca de menos privacidade. Num cenário cada vez mais dominado por grandes corporações econômicas movidas pelo consumo (como Google e Amazon), naquilo que o escritor Eugênio Bucci chama de “superindústria do imaginário”, essas brechas permitiram que todo indivíduo seja, em última instância, um consumidor ambulante vigiado por Estado e grupos privados, muitas vezes para interesses mais escusos.

15ª CineBH: Cinema e Vigilância - Guerra sem Cortes
Guerra sem Cortes, de Brian De Palma

No que isso tudo impacta o cinema? “A utilização de dispositivos tecnológicos altamente sofisticados marca a estética e a narrativa de muitos filmes realizados sob o impacto do 11 de Setembro, refletindo os efeitos nocivos ou excludentes desses sistemas de vigilância e apropriando-se das próprias imagens geradas por essas tecnologias para transmitir efeitos críticos ao espectador”, afirma Francis Vogner.

Possivelmente devido à pandemia, o mundo vive um novo boom do chamado “capitalismo de vigilância”, devido à utilização ainda mais intensa de dispositivos virtuais de comunicação e ações das mais banais do cotidiano. Isso já está sendo incorporado ao imaginário cinematográfico, seja em filmes de viés questionador ou em peças de entretenimento que se valem de mecanismos amplamente utilizados (caso da ficção Host, filme de terror todo realizado pelo Zoom). “A pandemia abriu novos precedentes em relação à coleta e acúmulo de informações, como dados de rastreamento compartilhados por companhias telefônicas com governos, ou drones identificando e repreendendo pessoas que desrespeitaram a quarentena. Isso, ao fim, é produção de um novo tipo de imagem, tanto na sua natureza quando na sua utilização. E até pela inquietude natural de artistas que usam a imagem como meio de expressão, elas chamam atenção para novas formas de realização cinematográfica”, completa Marcelo Miranda.

A programação de filmes e debates da Mostra Temática na 15a CineBH vai se deter em torno dessas questões, aprofundando e aprimorando-as. Longas e curtas-metragens em pré-estreia e a presença de cineastas e pesquisadores vão incrementar o assunto e oferecer aos espectadores a oportunidade de pensar, junto com o evento, de que forma tudo isso movimenta o mundo no qual estamos inseridos através do audiovisual.

FORENSIC ARCHITECTURE NA 15ª CINEBH

Dentro da temática “Cinema e Vigilância”, o destaque da 15a CineBH é o trabalho do Forensic Architecture. Coletivo multidisciplinar de pesquisas inovadoras através do cinema e audiovisual, o grupo, com base na universidade Goldsmith, em Londres, faz um uso subversivo dos mecanismos e imagens de vigilância atuais (como registros captados por satélites, câmeras de segurança, portáteis e smartphones) para investigações profundas sobre diversos assuntos de interesse mundial e humanitário. Realizando obras entre o documentário e as artes visuais, o Forensic Architecture investiga e reconstitui situações de guerra, confronto e desrespeito aos direitos humanos e ao meio ambiente, levando em consideração contextos jurídicos, políticos e artísticos. O grupo foi fundado em 2011 pelo arquiteto israelense Eyal Weizman e reúne integrantes de várias áreas, como cineastas, arquitetos, urbanistas e ativistas de diversos países – um dos fundadores do grupo é o arquiteto brasileiro Paulo Tavares.

As investigações do Forensic Architecture operam “numa arena estético-política e invertem os propósitos de tecnologias de monitoramento e vigilância contra os próprios sistemas de controle hegemônicos que disputam os sentidos de verdade nas arenas públicas”, segundo escreveram Anna Bentes, Fernanda Bruno e Paulo Faltay num texto de introdução sobre o coletivo. Devido à sua natureza híbrida e do equilíbrio entre exercício estético e investigativo, trabalhos do Forensic Architecture já fizeram parte de cortes judiciais, em processos legais a favor de direitos humanos, e instituições e eventos de caráter artístico, como a mostra Forum Expanded, do Festival de Berlim.

Durante a 15a CineBH, serão apresentados alguns trabalhos desenvolvidos pelo Forensic Architecture, além de discussões sobre sua trajetória e suas iniciativas no audiovisual.

Killing in Umm al-Hiran
Killing in Umm al-Hiran, de Forensic Architecture

SELEÇÃO DE FILMES DA MOSTRA TEMÁTICA “CINEMA E VIGILÂNCIA” DA 15ª CINEBH

Bottled Songs 1-4 (Alemanha/ França, Chloé Galibert-Laîné e Kevin B. Lee)

Em videocartas trocadas entre si, a dupla de realizadores analisa filmes produzidos pelo Estado Islâmico e disponibilizados online. Esses vídeos mostram como os terroristas fazem uso eficaz de dispositivos estilísticos retirados de grandes sucessos de bilheteria de Hollywood, montam arcos dramáticos para efeitos de convencimento e usam a câmera como instrumento de tortura.

Can the Sun Lie? (Reino Unido, Susan Schuppli)

A pergunta do título (“o sol pode mentir?”) apareceu num tribunal dos EUA em 1886 em relação ao valor probatório de novas formas de evidências técnicas, especificamente fotografias e filmes. O filme explora o surgimento de um novo regime visual provocado pelas mudanças climáticas das últimas décadas, bem como a disputa entre o conhecimento leigo e a perícia científica nas questões relativas ao uso das tecnologias nas lutas do meio ambiente.

Cena do Crime (Brasil, Pedro Tavares)

Num bairro nobre do Rio de Janeiro, uma jovem é assassinada. Detetives são contatados, mas o assassino continua por perto. Todo o filme é narrado pelo ponto de vista de câmeras e aparatos de vigilâncias espalhados por ambientes internos e externos, construindo um labirinto de imagens que referencia a tradição do filme de terror psicológico.

Il n’y aura plus de nuit (França, Éléonore Weber)

Numa reflexão sobre violência e visibilidade, o filme é inteiramente feito a partir de vídeos gravados pelos exércitos americano e francês que ocuparam Afeganistão, Iraque e Paquistão, dando a ver outras formas de se aproximar das guerras de ocupação no Oriente Médio.

Nunca é Noite no Mapa (Brasil, Ernesto de Carvalho)

Desde 2005, o Google, empresa privada americana, observa e mapeia a todos nós. Em 2016, percebendo que a viatura do Google Maps aproximava-se de sua rua, o cineasta pega sua câmera e encara o mapa olho no olho. Algum tempo depois, ele busca essa mesma imagem e a encontra fotografando o próprio mapa. Um filme que se apropria do maior de todos os dispositivos de vigilância contemporâneo para falar de suas contradições e complexidades.

Transformers: the Premake (EUA, Kevin B. Lee)

Durante as filmagens de um filme da franquia blockbuster “Transformers”, centenas de pessoas em diversos países registram cenas de bastidores, explosões e todo o aparato técnico que invade o espaço público em prol de um filme de grande orçamento. A partir das imagens amadoras de 355 vídeos encontrados no YouTube e registrados nos EUA, Hong Kong e China, o cineasta explicita como funciona a economia política das imagens e o poder hegemônico de Hollywood ao redor do globo.

Un Pays qui se tient Sage (França, David Dufresne)

Documentário sobre a violência policial, o filme mostra a incandescência social e política estimulada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, de “transformar” a França, o que gerou protestos violentíssimos registrados por câmeras de todos os tipos. O filme teve um profundo impacto social no país ao apresentar novos ângulos dessa convulsão social.

Redação

O Cenas de Cinema é um veículo informal e divertido que tem como principal objetivo divulgar a sétima arte, com críticas, notícias, listas e matérias especiais
Botão Voltar ao topo