Crítica | Streaming

A Maratona de Brittany

(Brittany Runs a Marathon, EUA, 2019)
Comédia
Direção: Paul Downs Colaizzo
Elenco: Jillian Bell, Jennifer Dundas, Patch Darragh, Alice Lee, Erica Hernandez, Max Pava, Michaela Watkins, Adam Sietz, Dan Bittner
Roteiro: Paul Downs Colaizzo
Duração: 104 min.
Nota: 9 ★★★★★★★★★☆

Sucesso no festival de Sundance no ano passado, onde arrematou o prêmio da crítica, o filme de Paul Dows Colaizzo (diretor e roteirista) estreou na última Mostra de São Paulo e é um achado. Agora disponível no Prime Vídeo, A Maratona de Brittany é um típico feel good movie travestido de comédia romântica ligeira, mas que permanece após dias por conta da reflexão sobre auto aceitação por meio dos dilemas de Brittany, vivida por Jillian Bell.

Seguindo uma premissa relativamente simples – mulher sedentária precisa desacelerar o ritmo da vida que leva em Nova York, recuperar a saúde e a alegria na rotina e para isso se propõe a correr a maratona da cidade –, o filme supera expectativas ao provocar muitos risos misturados a lágrimas. O roteiro de Dows Colaizzo não busca caminhos fáceis e nem ridiculariza a personagem de Brittany ou estimula a aceitação de um padrão corporal inalcançável.

Quanto mais ela emagrece e se aceita, melhor se relaciona com as pessoas que a cercam, como os colegas de corrida Catherine e Seth ou o roomate, e se afasta de pessoas tóxicas, como a suposta melhor amiga e sua vida plástica de Instagram.

Jillian Bell contou em entrevista para o Times que, quando fez a primeira leitura do roteiro, teve a sensação que tinham plantado uma escuta em sua casa, pois os diálogos eram muito naturais, semelhantes a coisas que ela costumeiramente diria. E a sensação é mesmo essa: o filme transcorre meses da vida de Brittany, mas que poderiam ser da vida de qualquer mulher comum em várias parte dos mundo, que resolve dar uma guinada na vida ou pelo menos ser mais generosa consigo.

Ela emagrece (Jillian perdeu quase 20kg durante as filmagens), mas não se aceita, passa a lidar com as tensões e relações pessoais de uma forma bem negativa e se isola. O ponto de virada só se dá quando ela realmente entende que precisa se amar em primeiro lugar, se colocar no pódio.

Mesmo os finais felizes ou doces do gênero são subvertidos aqui, gerando uma identificação ainda mais genuína, afinal, a vida não é cor de rosa. Ela mudou, mas não significa que por isso e, apenas por isso, tudo vai magicamente dar certo. Seria muito fácil e mesmo para um filme de ficção, irreal, não gerando uma identificação mais concreta com o público. Porque só conseguir levantar todos os dias e lutar já é uma vitória tão saborosa quanto correr uma maratona.

Um Grande Momento:
Brittany tendo sua primeira vez na casa do patrão.

Links

IMDb

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo