Crítica | CinemaDestaque

Espiral: O Legado de Jogos Mortais

Um gol inesperado que independe do protagonista

(Spiral: From the Book of Saw, CAN, EUA, 2021)
Nota  
  • Gênero: Terror
  • Direção: Darren Lynn Bousman
  • Roteiro: Josh Stolberg, Pete Goldfinger
  • Elenco: Chris Rock, Max Minghella, Samuel L. Jackson, Marisol Nichols, Dan Petronijevic, Richard Zeppieri, Patrick McManus, Ali Johnson, Zoie Palmer, Dylan Roberts, K.C. Collins, Edie Inksetter, Nazneen Contractor
  • Duração: 93 minutos

Darren Lynn Bousman está em seu quinto exemplar de Jogos Mortais e, 16 anos após seu primeiro, parece ter finalmente conseguido trazer algo relevante para a franquia. Espiral: O Legado de Jogos Mortais, é bom deixar logo claro, é cinema surpreendente não apenas pelo motivo que os fãs do slasher no geral e da franquia em particular esperam. Esse novo episódio da cansada saga pega o espectador já desanimado por tantas continuações desnecessárias, pelo excesso de exploração de um personagem que já morreu faz muitos episódios, pela absoluta inocuidade do todo… e, mágica feita, nos tira satisfeitos da sessão. O que não é a falta de expectativa, minha gente… 

Retirado de um contexto sombrio da eterna perseguição vingativa de John Kramer, eternizado Jigsaw, para uma seara policial investigativo, a primeira vista esse novo molho soa estranho ao paladar, mas não demorar para que sua narrativa estabeleça uma nova dinâmica que rejuvenesce uma obra desgastada, sem jamais perder a conexão com o público e entregar o que espera o público do gênero, que muitas vezes não foi atendido pela série. Ao escolher não recriar sua atmosfera soturna, mas levar essa angústia pro cerne narrativo, Darren e os roteiristas Josh Stolberg e Pete Goldfinger (que vêm do último episódio e da reimaginação de Piranha) acertam um alvo complicado.

Espiral: O Legado de Jogos Mortais

Os personagens e seus motes não são revolucionários ou originais, mas são clichês do gênero policial muito bem utilizados para os fins pretendidos na produção, que apresenta uma teia que envolve corrupção policial, delação de profissionais criminosos e sentimentos ambíguos que passeiam entre a culpa e o débito, além da sombra que a família causa em gerações futuras. Nada disso é necessariamente tratado com deferência e intensidade, são apenas dados para que a trama avance, porém não se pode negar a utilização honesta dessa estrutura já saboreada outras vezes, aqui requentada no geral porém especial quando adicionamos os tradicionais elementos da série. 

Espiral na verdade tem um problema que nem é pequeno, e ele atende pelo nome de Chris Rock. O ator de Gente Grande não passa exatamente pelo melhor momento da carreira, e tudo aqui é compreensível, desde o seu visível empenho para se desconectar da imagem tradicional do tipo de comediante que é, até a opção dos produtores em escalá-lo, apostando no carisma sem fim e em uma surpreendente reviravolta que a sua presença aqui já apresenta. Mas das intenções até o resultado final temos um percurso acidentado onde pouco ao seu redor fica à vontade quando de suas limitações ao material se evidenciam, o que arranha e compromete a troca entre filme e espectador; infelizmente o ator não empresta credibilidade ao personagem.

Espiral: O Legado de Jogos Mortais

E o material farto, um homem assombrado por um pai herói ainda vivo e atuante, caído em desgraça no trabalho por fazer a coisa certa, alvo do assassino em questão e também de praticamente todos que se relacionam com ele, é um convite irresistível que qualquer ator poderia sonhar, e estar ao lado do sempre espetacular Samuel L. Jackson poderia tê-lo inspirado a optar por um registro menos histérico, mas não acontece. Constatar essa realidade e ainda se dar conta de que o filme não se destrói por completo é a prova da qualidade do material, realmente um entretenimento à toda prova para os fãs do gênero. 

Para quem sente saudades especificamente de que os estúdios americanos se impressionem menos com a violência gráfica e deixem fluir a gênese de seus projetos, Espiral é material de primeira. Desde a primeira sequência o gore dá as caras no projeto de maneira quase ostensiva, os jump scares são pontuais e funcionam (e basicamente repetem a mesma ideia o tempo todo, o que só deixa o espectador com raiva por sempre “cair” na cilada) e o filme tecnicamente respeita o espectador, com arte de muito bom gosto da parte de Anthony Cowley e um trabalho de maquiagem impressionante. 

Espiral: O Legado de Jogos Mortais

Bousman faz um trabalho respeitoso aos fãs, que não os menospreza nem os imbeciliza, mas também abre opções de espectadores distintos embarcarem no projeto, caso não tenham contraindicações a entranhas expostas a granel. Quase dá vontade de continuar seguindo esse legado e pedir bis ao acachapante final (e doentiamente irônico último plano), mas a série não tem uma tradição de raios repetidos caindo no mesmo lugar. Acho que dá pra aproveitar que o time ganhou e sair de campo com uma vitória suada, porém honesta. 

Um grande/nojento momento
Ai, minha língua… 

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.
Botão Voltar ao topo