A Caixa Cultural Brasília recebe entre os dias 15 de maio e 10 de julho a mostra CINE CURTA BRASIL, exibida sempre às terças-feiras, às 20h, com entrada franca (mediante a retirada de senhas que começam a ser distribuídas uma hora antes da sessão). Nesta edição, o recorte curatorial está focado na mulher negra, diante e atrás das câmeras. Na programação, serão apresentados 30 curtas-metragens junto a debates sobre o universo afro-brasileiro feminino, com a participação de cineastas, artistas e ativistas negras locais.

Os filmes do CINE CURTA BRASIL apresentam narrativas construídas a partir do olhar de mulheres negras, seja na direção, roteiro, produção, e como protagonistas das suas próprias histórias. Um cenário fértil e pulsante, que vem trazendo discursos potentes e vigorosos, que tentam romper silêncios seculares. “Ao expandir as possibilidades de olhares que vão para além da lógica colonial, branca e patriarcal perpetuada na produção audiovisual brasileira, temos a oportunidade de ampliar imaginários e questionar estigmas, fazendo diluir as verdades que outrora nos pareceram sólidas”, afirma a curadora Melina Bomfim.

Todas as nove sessões da mostra serão abertas com capítulos da Série Afronta, roteirizada, dirigida e produzida pela cineasta negra Juliana Vicente, da Preta Portê Filmes. O objetivo é dar visibilidade e aprofundar novas formas de conhecimento e saberes. Os episódios narram trajetórias e oportunidades geradoras da constituição do negro como indivíduo, expressos pelos trabalhos de personagens representativos, gravados em diversos pontos do país, como Bahia, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Nome de batismo – Alice, de Tila Chitunda

A MOSTRA

CINE CURTA BRASIL: VISIONÁRIA – O OLHAR DA MULHER NEGRA percorre trabalhos de nomes contemporâneos como Jamile Coelho, Viviane Ferreira, Urânia Munzanzu, Everlane Moraes Santos, Juliana Vicente e Yasmin Thayná. Dentre os destaques estão títulos como o filme Nome de Batismo, Alice da diretora Tila Chitunda, Travessia (2017), de Safira Moreira; Merê (2017), de Urânia Munzanzu (2017); O Dia de Jerusa (2014), de Viviane Ferreira; Kbela (2015), de Yasmin Thayná; Rainha (2016), de Sabrina Fidalgo; a animação Orum Aiyê (2015), das baianas Jamile Coelho e Cintia Maria; Monga, retrato de Café, de Everlane Moraes Santos, e Das Raízes às Pontas, da brasiliense Flora Egécia.

O dia de Jerusa, de Viviane Ferreira

PROGRAMAÇÃO

15 MAIO – Sessão 1

Marielle Franco, de Al Jazeera por Yasmin Thayná (2018, 4min, livre)
AFRONTA com Diane Lima,por Juliana Vicente (2018, 14min, livre)
Travessia, de Samira Moreira (2017, 4min, livre)
Nome de batismo – Alice, de Tila Chitunda (2017, 25min, livre)
O dia de Jerusa, de Viviane Ferreira (2014, 20min, livre)
PROVOCAÇÕES: Novos imaginários simbólicos, com Viviane Ferreira

22 MAIO – Sessão 2

AFRONTA com Yasmin Thayná, por Juliana Vicente (2018, 15min, livre)
Mulheres de barro, de Edileuza Penha de Souza (2014, 26min, livre)
Casca de Baobá, de Mariana Luiza (2014, 11min, livre)
PROVOCAÇÕES: Quem seríamos com acesso a uma educação Afrocentrada?, com Edileuza Penha

29 MAIO – Sessão 3:

AFRONTA com Loo Nascimento, por Juliana Vicente (2018, 15min, livre)
O Rito, de Cintia Lima e Bia Lima (2014, 7min, livre)
El Reflexo, de Everlane Moraes Santos (2016, 3min, livre)
Aurora, de Everlane Moraes Santos (2018, 14 min, livre)
PROVOCAÇÕES: Militância estética, com Neggata.

05 JUNHO – Sessão 4

AFRONTA com Érica Malunguinho, por Juliana Vicente (2018, 13min, livre)
Peripatético, de Jéssica Queiroz (2017, 15 min, livre)
Merê, de Urânia Munzanzu (2017,15min, 12 anos)

12 JUNHO – Sessão 5

AFRONTA com Liniker, por Juliana Vicente (2018, 14min, livre)
O olho e o Zarolho, de Juliana Vicente (2013, 18min, livre)
Monga, retrato de Café, de Everlane Moraes Santos (2017, 13min, livre)
PROVOCAÇÕES: O cinema e os afetos, com Luana Ferreira

19 JUNHO – Sessão 6

AFRONTA com Dani Ornellas, por Juliana Vicente (2018, 13min, livre)
Orum Ayê, de Jamile Corrêa e Cinthia Maria (2016, 13min, livre)
Pety pode tudo, de Anahí Borges (2015, 18min, livre)
PROVOCAÇÕES: Escrita catárticas imagens reais, com Tate Nascimento

26 JUNHO – Sessão 7

AFRONTA com Karol com K, por Juliana Vicente (2018, 14min, livre)
Nós, Carolinas, do coletivo – Nós, mulheres da periferia (2017, 17min, livre)
Kbela, de Yasmin Thayná (2015, 22min, livre)
PROVOCAÇÕES: Palavra Poder com Thábata Lorena e Larissa Ferreira

03 JULHO – Sessão 8

AFRONTA com Anelis Assumpção, por Juliana Vicente (2018, 14min, livre)
Em busca de Lélia, de Beatriz Vieirah (Doc, 2017, 15 mim, livre)
Das raízes às pontas, de Flora Egécia (2016, 20min, livre)
SobreTudo, de Ana Paula Mathias (2018, 6min, livre)
PROVOCAÇÕES: Trançando o pensamento com Calila das Mercês

10 JULHO – Sessão 9

AFRONTA com Ingrid Silva, por Juliana Vicente (2018, 13min, livre)
Com os Pés no Chão, de Marise Urbano (2017, 10min, livre)
Rainha, de Sabrina Fidalgo (2016, 31 min, 12 anos)
Tempo de Cura, Ana Paula Mathias (2016, 16min, livre)
PROVOCAÇÕES: As novas narrativas corporais negras, com Luara Moreira e Juliana Cézar Nunes

SERVIÇO
Mostra Cine Curta Brasil: Visionária – o olhar da mulher negra
Data: 15 de maio a 10 de julho
Local: Caixa Cultural Brasília
Ingressos: Entrada gratuita (mediante a retirada de senhas distribuídas a partir de uma hora antes de cada sessão)
Lotação: 409 lugares
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 13h às 20h
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449