Notícias

Adeus a Ennio Morricone

Hoje (6) o cinema perdeu um de seus gênios, Ennio Morricone. O compositor de temas que se tornaram fundamentais e inesquecíveis faleceu na Itália, aos 91 anos. Ele estava internado há alguns dias após sofrer uma queda e fraturar o fêmur.

Com um legado histórico, Morricone deixa centenas de trilhas sonoras, muitas delas tão marcantes que são prontamente associadas aos filmes ou mesmo ao gênero dos filmes.

São muitos filmes italianos e parcerias duradoras com nomes de destaque no cinema, como Sergio Leone (a mais marcante) e Quentin Tarantino. Creditado pela primeira vez na comédia O Fascista, de Luciano Salce, suas músicas aparecem em mais de 350 produções, de trilhas para cinema mudo ao romance Lembranças de um Amor Eterno, de Giuseppe Tornatore, sua última composição lançada.

O maestro foi indicado ao Oscar seis vezes e recebeu a estatueta pela trilha musical de Os Oito Odiados, além de um Oscar honorário por sua contribuição ao cinema. Ganhador de dois Grammy em sete indicações, ele ainda venceu todos os prêmios Bafta a que concorreu, seis.

O maestro Ennio Morricone

Para homenagear o compositor, o Cenas preparou uma lista com 10 de suas grandes obras:

Três Homens em Conflito (Il buono, il brutto, il cattivo, 1966)

Cinema Paradiso (Nuovo Cinema Paradiso, 1988)

Django Livre (Django Unchained, 2012)

A Lenda do Pianista do Mar (La leggenda del pianista sull’oceano, 1998)

A Batalha de Argel (La battaglia di Algeri, 1966)

Investigação Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita (Indagine su un cittadino al di sopra di ogni sospetto, 1970)

Os Intocáveis (The Untouchables, 1987)

Cinzas do Paraíso (Days of Heaven, 1978)

De Punhos Cerrados (I pugni in tasca, 1965)

1900 (Novecento, 1976)

Redação

O Cenas de Cinema é um veículo informal e divertido que tem como principal objetivo divulgar a sétima arte, com críticas, notícias, listas e matérias especiais
Botão Voltar ao topo