Crítica | Streaming

As Férias da Minha Vida

(Last Holiday, EUA, 2006)

  • Gênero: Comédia
  • Direção: Wayne Wang
  • Roteiro: J. B. Priestley (roteiro de 1950), Jeffrey Price, Peter S. Seaman
  • Elenco: Queen Latifah, LL Cool J, Timothy Hutton, Giancarlo Esposito, Alicia Witt, Gérard Depardieu, Susan Kellermann
  • Duração: 112 minutos
  • Nota:

Não há nada de extraordinário no filme As Férias da Minha Vida, as nem por isso deixa de ser uma diversão easygoing, que sabe se aproveitar daquilo que tem de melhor: Queen Latifah (Chicago). A atriz encontra o tom certo para sua Georgia Byrd e faz com que todo o ambiente, plastificado demais, torne-se suave e convidativo.

Refilmagem de As Últimas Férias (1950), que tinha como seu protagonista Alec Guinness, o filme percorre o caminho da autodescoberta, da ruptura com uma realidade vivida quando a morte é iminente. Se é aprazível conhecer a Georgia de Latifah, cozinhar com ela e vê-la suspirar por uma paixão platônica, mais ainda é vê-la realizar seus desejos.

Tem uma trama previsível, com o surgimento de personagens nada inovadores, como o mal-intencionado Kragen, vivido pelo ator Timothy Hutton (Gente como a Gente), e aposta na falta de jeito e em sequências mais frenéticas, como esquiar na neve, para encontrar o seu humor.

Queen Latifah em As Férias da Minha Vida

Assim como o roteiro assinado por Jeffrey Price e Peter S. Seaman, o diretor Wayne Wang (O Clube da Felicidade e da Sorte) também não faz nenhuma extravagância e segue o caminho mais seguro, apostando no tradicional e no inescapável carisma de sua atriz principal. O filme conta também com a divertida participação de Gerard Depardieu (Cyrano) como um chefe de cozinha francês.

As Férias da Minha Vida é um filme que vai tranquilo, divertido e arrancando alguns suspiros. Não dura nada na cabeça e nem muda a vida de ninguém além da de Georgia, mas é aquilo que precisa ser: fofo. Uma ótima pedia para dias tranquilos e para o fim do ano.

As Férias da Minha Vida

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo