Crítica | Streaming

Inimiga Perfeita

Perdido na própria ilusão

(A Perfect Enemy, ESP, ALE, FRA, 2020)
Nota  
  • Gênero: Suspense
  • Direção: Kike Maíllo
  • Roteiro: Cristina Clemente, Kike Maíllo, Fernando Navarro
  • Elenco: Tomasz Kot, Athena Strates, Dominique Pinon, Marta Nieto
  • Duração: 89 minutos

Há uma alegoria interessante por trás de Inimiga Perfeita e que está ali escondida no título do longa do diretor catalão Kike Maíllo, disponível na Netflix. Não existe maior adversário do que a consciência e a consequente culpa. Feitas sob medida em intensidade, forma e pressão, elas perseguem, transformam, amedrontam, paralisam e destroem seus donos e qualquer um que as carreguem. Aqui, o arrogante arquiteto Jeremiasz Angust, um homem de relativa fama e sucesso que, depois de uma carona, não consegue se afastar de Texel Textor, uma jovem estranha que quer contar sua história.

Inspirado no romance “Cosmética do Inimigo”, de Amélie Nothomb, o longa não se apega ao fato de que a trama pede uma abordagem mais intimista. Desde o começo, Maíllo tem a intenção de impressionar com os elementos que, acha, vão deixar a história mais interessante. São muitas demarcações de ego dos personagens centrais, como toda a passagem da palestra ou as muitas voltas ao quarto tomado pelos mapas riscados de Paris, e vários pontos onde se usa o grafismo para conduzir sensações, como o jogo que estabelece com a maquete do aeroporto.

Inimiga Perfeita
Brainstorm Media

Todos os penduricalhos e a necessidade de ser muito explícito atrapalham a organicidade do longa, deixando-o superficial. Em um thriller psicológico, onde personagens interagem diretamente e são construídos por impressões, o excesso de minúcias faz com que o jogo por vezes perca seu foco. A conexão também não se estabelece como deveria, mesmo que Athena Strates (A Grande Mentira) e Tomasz Kot (Guerra Fria) se empenhem para entregar algo nos papéis de Textor — o filme busca um motivo para a troca do gênero de sua antagonista, e até encontra desculpas para a falta de identificações ou nuances — e Angust, respectivamente.

Apoie o Cenas

A vantagem de Inimiga Perfeita está no material em que ele se inspira, pelo menos quando realmente consegue se comunicar. O que está por trás do jogo psicológico e daquilo que vai se formando à medida em que as pistas deixadas pelo caminho se conectam (quando isso acontece) é o que torna o filme interessante. Ainda que Maíllo se atrapalhe novamente e prolongue o que sobra após o impacto, criando novos espaços para o embate ou uma configuração onde quer que sua técnica chame mais atenção do que a própria mensagem, a alegoria fala mais alto.

Brainstorm Media

O mais engraçado no longa é que ele repete uma frase de Antoine de Saint-Exupéry diversas vezes. “A perfeição não é alcançada quando já não há mais nada para adicionar, mas quando já não há mais nada que se possa retirar”. Infelizmente, uma definição de tudo o que não é o filme. Talvez, no entendimento de requinte, porque há essa intenção também, ali não cabia incluir mais nada, mas pensando na qualidade, há muita sobra a ser dispensada. Há textos que pedem certas abordagens e este caso é um desses. Faltam sensações e sobram lugares para além do que o imaginário já entregaria.

Mesmo desperdiçando qualquer chance de identificação ou aprofundamento na trama, não dá para dizer que Inimiga Perfeita não consegue prender minimamente a atenção do espectador. Ainda que de maneira ligeira e casual, o thriller está ali e aumenta a cada nova história contada. Mas é isso, dura aquilo que precisa para o tempo da narração e nem sobrevive intacto ao final mais visual do que significativo. Deixa de lado a força de falar sobre questões humanas, mas cumpre seu pastel de entretenimento rápido. 

Um grande momento
Ela fala, ele ouve música

Curte as críticas do Cenas? Apoie o site!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Assinar
Notificar
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver comentário
Botão Voltar ao topo