Crítica | FestivalFestival de Gramado

Chuva

(Lluvia, ARG, 2008)

O longa argentino Chuva usa dias de chuva e um encontro acidental para falar sobre a dor da perda. Sensível, feminino e envolvente, conta a história de duas pessoas que estão perdidas e descobrem apoio uma na outra.

Um conjunto de sutilezas cheio de olhares e pequenos gestos, somados a diálogos cheios de significado tornam a experiência familiar a todos que algum dia já tiveram ou quiseram deixar para trás alguma coisa.,

A fotografia do filme, de Guillermo Neto, apesar de não resistir a quadros várias vezes fotografados, como o do casal na mesa de restaurante, é coesa e interessante. E, graças a perfeição estética das imagens, defeitos menores são relevados. Por exemplo, a obviedade da segunda canção frente a beleza da cena.

Rosario Suárez, que já trabalhou com a diretora Paula Hernández no longa Herencia, é uma das melhores montadoras do cinema argentino da atualidade e trabalha muito bem com a opção não-linear. A sutil trilha sonora original, assinada por Sebastián Escofett, casa muito bem com o resultado final. O casamento de música e imagem funciona, tanto que a dupla também está junta na produção Cordeiro de Deus, de Lucía Cedrón, e ainda não lançado El último verano de la Boyita, de Julia Solomonoff.

Sem apelações, a boa direção de Hernández chama atenção ao não se estender além do necessário, não se perder em belas imagens e, principalmente, pelo trabalho com os atores. Os dois argentinos, Ernesto Alterio e Valeria Bertuccelli, estão à vontade nos papéis e não fazem muito esforço para convencer.

Imperdível.

Um Grande Momento
O pagamento da dívida.

Drama
Direção: Paula Hernández
Elenco: Ernesto Alterio, Valeria Bertuccelli
Roteiro: Paula Hernández
Duração: 110 min.
Minha nota: 8/10

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

2 Comentários

  1. Engraçado Ceci, vi esse filme esse ano quando passou no cinemax …
    Sabe aquele tipo de filme simples, mas que cativa de uma maneira que ficamos presos e envolvidos. Com certeza é esse filme … eu realmente gostei do filme, e como você mesma disse … é fortemente recomendado …
    Abraços amiga!

Botão Voltar ao topo