Crítica | Streaming

Shrek Para Sempre

(Shrek Forever After, EUA, 2010)

Comédia/Animação
Direção: Mike Mitchell
Elenco: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, Antonio Banderas, Julie Andrews, John Cleese, Craig Robinson, Walt Dohrn, Jane Lynch
Roteiro: Josh Klausner, Darren Lemke
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆
Na onda de sequências que assola o cinema, chega às salas mais uma continuação da história do simpático ogro Shrek e seus companheiros de contos de fadas.

Desde quando apareceu pela primeira vez, em 2001, já vimos o grandalhão verde derrotar um dragão e salvar a princesa amaldiçoada, estragar o plano maligno de uma fada madrinha interesseira e resgatar sua esposa grávida enquanto protege o reino de Tão Tão Distante.

Agora, em um universo paralelo, ele tem que reconquistar o amor de sua vida e lutar para desfazer um acordo mágico com o traíra Rumpelstiltskin.

Shrek Para Sempre chega sabendo que a franquia já havia se esgotado em seu terceiro filme e acerta ao apostar em uma desconstrução do que já era conhecido, mas nem assim consegue chegar perto do que já foi um dia, em seus primeiro e segundo episódios.

O roteiro aposta em novas referências e mistura antigas piadas às novas para divertir, mas sem acertar sempre. A intimidade do público com os personagens também é aproveitada e, por mais que eles aparentem ser diferentes, são facilmente reconhecíveis.

Os ogros, bruxas e um menino mimado chegam para acrescentar, assim como Rumpelstiltskin que consegue ser uma divertida mistura de Encantado e Farquaad com poderes mágicos.

Apesar dos bons personagens e dos pontos positivos, o roteiro acaba se enrolando com o ritmo e além de não prender a atenção do espectador, pode chegar a ser sonolento em alguns momentos.

Por outro lado, tecnicamente, nada pode ser dito da animação, que continua perfeita e adere com competência à onda 3D que assola o cinema infantil atualmente.

No balanço geral, o filme não tinha muita necessidade de existir, mas consegue ser muito melhor do que o terceiro título da franquia e acaba, de certo modo, redimindo a história do ogro simpático que até hoje detém o recorde de bilheteria de animações com Shrek 2.

Mas ser melhor do que o filme anterior não é necessariamente uma qualidade, não é?

Um Grande Momento

O excesso de peso não deixa o gato fazer sua habitual limpeza.

Links

IMDb Site Oficial [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=FUrF37LPpqU[/youtube]

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

5 Comentários

  1. Não tenho nenhum interesse em conferir este quarto filme da saga de Shrek nos cinemas, principalmente depois do terceiro que foi uma lástima.

    Acho que passaram da cota com o ogro verde.

  2. Pena que a série não conseguiu manter o mesmo ritmo dos primeiros filmes, o terceiro foi um desastre nesse sentido e esse parece ter se saído um pouco melhor, mas nada notável. Esse devo esperar o DVD…

Botão Voltar ao topo