Crítica | Streaming

Shrek Para Sempre

(Shrek Forever After, EUA, 2010)

Comédia/Animação
Direção: Mike Mitchell
Elenco: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, Antonio Banderas, Julie Andrews, John Cleese, Craig Robinson, Walt Dohrn, Jane Lynch
Roteiro: Josh Klausner, Darren Lemke
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆
Na onda de sequências que assola o cinema, chega às salas mais uma continuação da história do simpático ogro Shrek e seus companheiros de contos de fadas.

Desde quando apareceu pela primeira vez, em 2001, já vimos o grandalhão verde derrotar um dragão e salvar a princesa amaldiçoada, estragar o plano maligno de uma fada madrinha interesseira e resgatar sua esposa grávida enquanto protege o reino de Tão Tão Distante.

Agora, em um universo paralelo, ele tem que reconquistar o amor de sua vida e lutar para desfazer um acordo mágico com o traíra Rumpelstiltskin.

Apoie o Cenas

Shrek Para Sempre chega sabendo que a franquia já havia se esgotado em seu terceiro filme e acerta ao apostar em uma desconstrução do que já era conhecido, mas nem assim consegue chegar perto do que já foi um dia, em seus primeiro e segundo episódios.

O roteiro aposta em novas referências e mistura antigas piadas às novas para divertir, mas sem acertar sempre. A intimidade do público com os personagens também é aproveitada e, por mais que eles aparentem ser diferentes, são facilmente reconhecíveis.

Os ogros, bruxas e um menino mimado chegam para acrescentar, assim como Rumpelstiltskin que consegue ser uma divertida mistura de Encantado e Farquaad com poderes mágicos.

Apesar dos bons personagens e dos pontos positivos, o roteiro acaba se enrolando com o ritmo e além de não prender a atenção do espectador, pode chegar a ser sonolento em alguns momentos.

Por outro lado, tecnicamente, nada pode ser dito da animação, que continua perfeita e adere com competência à onda 3D que assola o cinema infantil atualmente.

No balanço geral, o filme não tinha muita necessidade de existir, mas consegue ser muito melhor do que o terceiro título da franquia e acaba, de certo modo, redimindo a história do ogro simpático que até hoje detém o recorde de bilheteria de animações com Shrek 2.

Mas ser melhor do que o filme anterior não é necessariamente uma qualidade, não é?

Um Grande Momento

O excesso de peso não deixa o gato fazer sua habitual limpeza.

Links

IMDb Site Oficial [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=FUrF37LPpqU[/youtube]

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
5 Comentários
Inline Feedbacks
Ver comentário
Marcio Melo
Marcio Melo
30/07/2010 21:17

Não tenho nenhum interesse em conferir este quarto filme da saga de Shrek nos cinemas, principalmente depois do terceiro que foi uma lástima.

Acho que passaram da cota com o ogro verde.

Vinícius P.
Vinícius P.
30/07/2010 15:07

Pena que a série não conseguiu manter o mesmo ritmo dos primeiros filmes, o terceiro foi um desastre nesse sentido e esse parece ter se saído um pouco melhor, mas nada notável. Esse devo esperar o DVD…

Botão Voltar ao topo