A Suprema Felicidade

(A Suprema Felicidade, BRA, 2010)
[box]Drama
Direção: Arnaldo Jabor
Elenco: Marco Nanini, Dan Stulbach, Mariana Lima, Elke Maravilha , Jayme Matarazzo, Michel Joelsas, Caio Manhente, João Miguel, Maria Flor, Tammy Di Calafiori, Emiliano Queiroz, Maria Luisa Mendonça, Ary Fontoura
Roteiro: Arnaldo Jabor, Ananda Rubinstein
Duração: 125 min.
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆[/box]
“Ninguém é feliz, por sorte dá pra ser alegre”.

Este trecho de diálogo resume de forma sucinta A Suprema Felicidade, retorno de Arnaldo Jabor ao cinema após mais de duas décadas sem rodar um longa-metragem. Irregular em seu conjunto, o filme se sustenta com uma pessoalidade marcada nos fotogramas que o torna irresistível.

Autobiográfica ou não, essa pessoalidade resulta em excessos narrativos, em marcações rígidas de mise-en-scène, em um exercício de controle exacerbado do realizador que parece abraçar o filme como se fosse o primeiro e último. É quase um filme de estreia, no qual toda e qualquer ideia precisa ser aglutinada, trabalhada e retrabalhada. A precisão barroca de cada plano é prova da paixão de Jabor pelo filme, ainda que isso resulte também em seu maior percalço.

Dessa forma, a narrativa invariavelmente perde em leveza e espontaneidade. A jornada do personagem Paulo (interpretado com segurança pelo estreante Jayme Matarazzo), da infância à juventude, é intrincadamente construída, nem que para isso o filme se lance de dispositivos questionáveis, como flashbacks dentro de flashbacks e personagens pontuais que, apesar de darem dimensões humanistas à história, fogem da organicidade que o filme deveria ter, e que o transformam longo em demasia.

Porém, é fácil identificar que o cinema de Jabor é feito à moda antiga, sem espaço para truques modernos de construção imagética. Os planos parecem na medida para uma encenação que remete imediatamente à linguagem tetral, proposital, que dá margem a atuações marcantes (Mariana Lima, como a mãe) ou descontroladas (Dan Stulbach, como o pai). Porém, é Marco Nanini, como o avô Noel, quem traduz com perfeição a concepção do filme. Um personagem riquíssimo que ganha ternura e altivez na atuação do ator.

Em A Suprema Felicidade, há um contraste muito nítido, quase extremado, na forma como são construídos os espaços internos e externos. Enquanto todo o desenlace familiar se desenvolve dentro da casa da família de Paulo, é no espaço externo que a narrativa flui, promovendo um esgarçamento tal da realidade que permite que números musicais sejam inseridos sem qualquer tipo de estranhamento. É nesse momento que Jabor deixa exalar sua paixão, muito nostálgica, por um Rio de Janeiro que quase não existe mais. A encenação do bloco carnavalesco é de uma felicidade que chega a emocionar.

Emoção cheia de descaminhos que inebria essa opereta construída por Jabor que, esperemos, não tarde a voltar a filmar. O cinema brasileiro se ressentia dessa falta.

Um Grande Momento

A encenação do bloco carnavalesco.

A-suprema-felicidade_poster

Links

[imdb href=”http://akas.imdb.com/title/tt1720038/”] [site href=”http://www.paramountpictures.com.br/asupremafelicidade/”]

  • José

    Um filme para cinéfilos… se muito. Abusa demais da “forma” teatral interpretação levando a um sensação de artificialidade das interpretações. O filme também faz muitas referências as chanchadas/pornochanchadas mostrando muitos nus desnecessários. Ainda bem que o cinema nacional superou esse gênero, mas pena que não avisaram ao Jabor. Extremamente longo e fragmentado conta um fraco melodrama burguês que não comove ninguém e com quem ninguém de identifica. É um filme de mostra a decadência da mente doentia do Arnaldo Jabor e desperdiça a constelação de estrelas que faz parte do elenco. Veja no cinema enquanto está em cartaz porque se você pegar depois pra ver em DVD vai dormir com certeza.

Pin It on Pinterest

Share This