Aconteceu hoje (8), a coletiva de lançamento do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Com a presença do secretário de Cultura do Distrito Federal Guilherme Reis, da coordenadora de audiovisual e diretora executiva do festival Sara Rocha,  do diretor artístico Eduardo Valente e do diretor de produção e participação social, Henrique Rocha, foram conhecidas novidades e mudanças desta edição.

A primeira mudança anunciada foi a criação do Prêmio Leila Diniz. A premiação chega no momento em que há um real movimento para que mulheres ocupem lugares e sejam reconhecidas. Eduardo Valente falou sobre a escolha do nome do prêmio em memória à Leila Diniz lembrando que, embroa tenha vivido apenas 27 anos, a atriz deixou a sua marca no cinema brasileiro.

O diretor artístico afirmou que o prêmio destacará mulheres que, com sua presença, fizeram e ainda fazem a diferença no audiovisual. Dois nomes foram escolhidos para esta 51ª edição: a atriz Íttala Nandi, que estreou no cinema com O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, além de também dirigir documentários, trabalhar como produtora e  ter sido professora e coordenadora de cursos de cinema, e Cristina Amaral, montadora há mais de 40 anos, que traz em sua filmografia parcerias com Andrea Tonacci, Carlos Reichenbach e Edgard Navarro e já foi premiada com dois Troféus Candangos.

Ao lado de  Guilherme Reis e Sara Rocha, Eduardo Valente apresenta seleção do Festival | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As homenagens ainda incluem a Medalha Paulo Emílio Salles Gomes, entregue todos os anos a figuras indiscutivelmente importantes para a construção histórica do cinema brasileiro. Este ano, os agraciados serão o crítico Ismail Xavier e o arquivista brasiliense Walter Mello.

A coordenadora de audiovisual do Festival de Brasília, Sara Rocha, falou sobre o Ambiente de Mercado, iniciativa que se destacou em 2017 e ganha fôlego com as inovações para a próxima edição, com painéis, masterclasses, aulas abertas, oficinas, clínicas e conversas com players. O Espaço Cultural Renato Russo, na 508 sul, recentemente reinaugurado, será o palco de todos estes eventos.

A descentralização do festival também foi destacada. Em sua 51ª edição, as Mostras Competitivas, Mostra Brasília e Festivalzinho acontecerão no Cine Brasília, mas terão sessões simultâneas em São Sebastião (Instituto Federal de Brasília), Riacho Fundo (Instituto Federal de Brasília), Sobradinho (Teatro de Sobradinho) e Taguatinga (Teatro da Praça). As cidades de Planaltina, Guará, Recanto das Emas, Ceilândia e São Sebastião ainda receberão atividades formativas.

Henrique Rocha, diretor de produção e participação social do Festival falou sobre o novo espaço de convivência, criado especialmente para o evento no Cine Brasília, e apresentou a nova marca do festival, que une o próprio Cine Brasília ao símbolo maior do festival: o Troféu Candango.

Os filmes selecionados para a abertura, encerramento e as mostras paralelas também foram anunciados na coletiva. Confira a lista completa, por mostra:

Domingo, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa

Abertura

Imaginário, de Cristiano Burlan
Domingo, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa

Encerramento

América Armada, de Alice Lanari e Pedro Asbeg

Homenagem

Lance Maior, de Sylvio Back

Excelentíssimos, de Douglas Duarte

Mostra A arte da vida

A Roda da Vida, de William Alves e Zefel Coff
Franz Krajcberg: Manifesto, de Regina Jehá
Humberto Mauro, de André Di Mauro
Orin: Música para os Orixás, de Henrique Duarte

Mostra Festival dos Festivais

Dias Vazios, de Robney Bruno Almeida
Espera, de Cao Guimarães
Fabiana, de Bruna Laboissière
Lembro Mais dos Corvos, de Gustavo Vinagre
Sol Alegria, de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira

Mostra Onde estamos e para onde vamos?

Elegia de um crime, de Cristiano Burlan
Excelentíssimos, de Douglas Duarte
Nós, de Pedro Arantes
Parque Oeste, de Fabiana Assis

Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes

Mostra Caleidoscópio

Calypso, de Rodrigo Lima e Lucas Parente
Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes
O Pequeno Mal, de Lucas Camargo de Barros e Nicolas Thomé Zetune
Os Jovens Baumann, de Bruna Carvalho Almeida
Os Sonâmbulos, de Tiago Mata Machado

Mostra Futuro Brasil (filmes em finalização, apresentados no Ambiente de Mercado)

A Rosa Azul de Novalis, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro
Eleições, de Alice Riff
Ontem havia coisas estranhas no céu, de Bruno Risas
Raia 4, de Emiliano Cunha
Rua Gaicurus, de João Borges
Temos Iê, de Elena Meirelles e Lívia de Paiva

SERVIÇO
Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – 51ª edição
Quando: 14 a 23 de setembro de 2018
Confira a programação completa no site: http://www.festivaldebrasilia.com.br/