Crítica | Festival

À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente

(À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente, BRA, 2020)

  • Gênero: Documentário
  • Direção: Bruna Barros, Bruna Castro
  • Roteiro: Bruna Barros, Bruna Castro
  • Elenco: Bruna Barros, Bruna Castro
  • Duração: 13 minutos
  • Nota:

Direção, fotografia, som e montagem de Bruna Barros e Bruna Castro são o todo de um filme pessoal e intransferível. As realizadoras lésbicas somam extratos de suas vidas, atravessados pela vivência com as mães. 

“Mainha qual é a graça?”

Bruna e Bruna se filmam e dirigem, relembram onde estavam no fatídico outubro de 2018, perguntando as mães o que pensam de si e delas. Entre descobertas de pintinhas nos corpos afetuosamente filmados, moquecas repletas de amor, cheiros e memórias ativadas pela água do mar encostando no pé ou uma ida ao manguezal permeiam a colagem encantadora que é “À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente”.

Apoie o Cenas

Mesmo na saturação do estilo – no caso, a autoficção – a honestidade e maneira com que Bruna e Bruna inferem sobre a própria vida e a constância da cumplicidade, a experiência de serem filhas de mulheres criadas dentro do patriarcado mas que ainda assim, as amam, faz diferença em meio a tantos filmes que são vazios. 

“Minha filha é muito inteligente, puxou isso de mim. Ela é muito queira, puxou isso do pai. Minha filha é sapatona, anda por aí com roupas largas… Eu achava que era para se esconder, mas ela diz que é pra se mostrar”, o depoimento em forma de poema de Bruna Barros encerra o ciclo ruidoso das lembranças, do gostar e do sonhar. Super apoiado no off dela e de Bruna Castro, o filme se embebe de experiências audiovisuais outras como Viajo porque preciso volto porque te amo mas é um outro modo de significar a potência das imagens e da narrativa sobre se conhecer. Feito por e a partir de duas mulheres se amam, aponta que o matriarcado se fortalece porque o afeto é o feitiço das netas das bruxas que foram queimadas nas fogueiras. E á beira do mar mainha soprou gente motiva a pensar mais formas de criar fora da caixa, transgredindo sentidos e sendo.

Um grande momento:

Plano final do carrossel do amor sapatônico.

[24ª Mostra de Cinema de Tiradentes]

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo