As mulheres demoraram a começar a ocupar os espaços no audiovisual brasileiro. Apesar de ainda estar longe do ideal, o movimento começou e é irreversível. Essa ocupação e a representação estarão no centro do debate provocado pela a Mostra Curta Especial da 18ª Goiânia Mostra Curtas, que acontece de 2 a 7 de outubro na capital goiana. Com o tema “Gênero e Invenção: tornar-se mulher no cinema de curta-metragem contemporâneo”, a diretora, roteirista e antropóloga Maíra Bühler, curadora da Curta Mostra Especial, elegeu 12 curtas-metragens. O foco está no tornar-se mulher, como ato performativo, no contra-fluxo da visão de gênero que vai além da essência e na direção de uma proposta política em sua abertura criativa.

Para Maria Abdalla, “muito do que conhecemos hoje sobre a história do cinema brasileiro vem de um recorte masculino, que ainda se mantém. Ao trilhar esse caminho por uma perspectiva única – a do homem branco – a indústria cinematográfica reforça padrões nocivos, deixando as mulheres em desvantagem. Embora, nos últimos anos, a temática sobre a representação feminina no cinema venha ganhando foco, ainda é preciso percorrer um caminho longo e árduo até alcançarmos a paridade de gênero”.

“A ideia apresenta a desconstrução crítica de uma imagem de ‘mulher’ estável e estereotipada, dando lugar a emergência narrativa e subjetividades que colocam as relações de gênero em termos de performatividade”, explica a curadora da mostra. A a seleção de filmes faz um recorte temporal, concentrando-se nas produções realizada a partir de 2013 que, para Maíra, é um ano chave na emergência de importantes debates políticos na agenda do país, entre eles os que tangem a condição feminina e as relações de gênero.

Além das exibições, a Curta Mostra Especial promoverá um debate sobre os desafios da desconstrução e da criação da imagem da mulher no cinema, com a presença da antropóloga Silvana Nascimento, a cineasta Ana Carolina Soares, a diretora e roteirista Carol Rodrigues e a atriz, roteirista e realizadora transexual Julia Katharine. Além disso, a Mostra Curtas Especial homenageia dois mulheres importantes para a cena: Yasmin Thayná e Juliana Vicente.

KBELA, de Yasmin Thayná

Goiânia Mostra Curtas

O festival é realizado pelo Icumam Cultural e Instituto, com o incentivo institucional do Ministério da Cultura por meio da Secretaria do Audiovisual, e da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), por meio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás e apoio da Unimed Goiânia. O Icumam busca outros parceiros junto a empresas, parcerias institucionais e organizações do terceiro setor para sua realização.

Confira a programação da Curta Mostra Especial – Gênero e Invenção: tornar-se mulher no cinema de curta-metragem contemporâneo:

6 de outubro (sábado) – 14h
Criar, emancipar, denunciar. Não necessariamente nessa ordem

Mini Miss (PE), de Rachel Daisy Ellis – 15 min [Livre] Quem matou Eloá? (SP), de Lívia Perez – 24 min [12 anos] Sweet Heart (SP), de Amina Jorge- 21 min [14 anos] Latifúndio (RJ), de Érica Sarmet – 11 min [18 anos] Estado Itinerante (MG), de Ana Carolina Soares – 25 min [Livre] Trans*lucidx (PR), de Miro Spinelli – 10 min [14 anos]

7 de outubro (domingo) – 15h
Denunciar, criar, emancipar. Não necessariamente nessa ordem

A boneca e o silêncio (SP), de Carol Rodrigues – 19 min [14 anos] KBELA (RJ), de Yasmin Thayná – 23 min – [Livre] Outras (SP), de Ana Julia Travia – 22 min [Livre] Tailor (RJ), de Calí dos Anjos – 09 min [12 anos] No Devagar Depressa dos Tempos (SP), de Eliza Capai – 25 min [Livre] Peripatético (SP), de Jessica Queiroz – 15 min [Livre]