Crítica | Streaming

Axé: Canto do Povo de um Lugar

(Axé: Canto do Povo de um Lugar, BRA, 2016)

  • Gênero: Documentário
  • Direção: Chico Kertész
  • Roteiro: Chico Kertész, James Martins
  • Duração: 107 minutos
  • Nota:

Retrato de um movimento cultural baiano e brasileiro, Axé: Canto do povo de um lugar relata a história da axé music, que conquistou e ainda faz parte do povo nas folias e carnavais. O documentário, dirigido por Chico Kertész, traz à tona a magia da música através de momentos marcantes, arquivos incríveis e grandes artistas. Além, a crítica também permeia o filme, e tanto direcionada à sociedade quanto à indústria, que possui papel importante na trajetória de consumo de uma cultura.

De vozes como Margareth Menezes, Caetano Veloso e Daniela Mercury, dentre várias outras, é que ouvimos no longa o testemunho do que foi e como andou pelo mundo esse grande trio elétrico que é o axé. Na pipoca, muitas histórias íntimas revelam o quanto foi efervescente e forte o crescimento do gênero, exposto em altas doses de músicas de sucesso, composições de bandas e carreiras solo, e diversidade musical.

Daniela Mercury no documentário Axé: Canto do Povo de um Lugar

Sentir o axé é ‘fácil’, basta ouvir uma multidão respondendo “êêê faraó” no carnaval, agora, conhecer o percurso desse trio e de quem o fez andar, fica a cabo do longa, que traz o espírito para também o espectador o sentir. É engraçado cantar e ter vontade de dançar durante um filme, ainda mais quando se descobre a origem da música e da dança que você reproduz há anos. Apesar da folia que é assistir ao documentário, pautas importantes e sérias também são levantadas.

A caracterização do axé pelas personagens do filme é muito sólida, onde são retratados personagens importantes não só na criação e manutenção do movimento, mas também na comercialização e popularização como mercadoria. Com isso fica claro que é um movimento de origem na rua, que valoriza e propaga cultura negra. A crítica é percebida no filme quando o sucesso do gênero fez dele um mercado explorado pela classe média branca. Tudo isso transfigura o estilo, deixando ele mais distantes de sua origem e mais perto do consumo.

Documentário Axé: Canto do Povo de um Lugar

O documentário é divertido, bem humorado e de certa forma crítico, sem se aprofundar nas pautas polêmicas e de preconceit,o mas tornando presente a reflexão sobre o consumo e a indústria cultural durantes os anos. Esse é Axé: Canto do povo de um lugar, filme necessário, que faz um dos grandes gêneros da música brasileira ganhar corpo, recorte, vida e memória. Incrível e imperdível!

Um Grande Momento
Daniela Mercury

Ver “Axé: Canto do Povo de um Lugar” na Netflix

Rodrigo Strieder

Quase publicitário, nerd, viciado em ficção científica, jogos e cinema, foi o primeiro participante do projeto Crítico Mirim do Cenas de Cinema. Depois de participar como jurado de festivais, arriscou suas primeiras linhas e segue até hoje escrevendo.
Botão Voltar ao topo