Crítica | Outras metragens

Bernardo na Vida, BMO na Batalha

(Bernardo na Vida, BMO na Batalha, BRA, 2019)

  • Gênero: Documentário
  • Direção: Danilo Belchior
  • Roteiro: Danilo Belchior
  • Duração: 45 minutos
  • Nota:

Direto das ruas, a batalha de rap é uma forma de expressão artística que ganha cada vez mais popularidade, ainda por cima entre jovens e crianças. Nela, as vozes que a sociedade marginaliza ganham volume e ritmo ao externalizar seus sofrimentos e as injustiças ao redor. Com apenas 11 anos de idade, Bernardo, ou MC BMO, participou de sua primeira batalha de rap na praça do relógio, em Taguatinga, onde ganhou força e conquistou o cenário.

Bernardo na Vida, BMO na batalha, dirigido por Danilo Belchior, traz o recorte da infância nesse universo, que vem junto com a maternidade e seus dilemas e questões. Acompanhar o surgimento desse fenômeno também reflete como a sociedade é organizada para as pessoas do movimento. Quem conta a história são seus próprios personagens, companheiros de rima e rivais de combate, é observada a ilustração que a própria cena brasiliense faz de si, e como é sua relação com os outros.

Bernardo na Vida, BMO na Batalha

A sensação é de família, uma comunidade engajada que cuida e cria os seus em perpetuação de uma expressão urbana de resistência. A mãe de Bernardo, Maria Tereza, tem grande participação nessa trilha e dá aula de educação na sua postura protetora e atenciosa com relação às vontades e habilidades que afloram de seus filhos. A perspectiva dela dá valor e significado à manifestação do MC BMO na roda enquanto uma criança, faz disso uma atividade que reconheça e legitime o menino dentro de sua própria casa. O que nem sempre acontece.

Quem gosta de assistir a batalhas de rap se diverte com os vídeos das rimas, e ainda mais com as participações do Bernardo, que, inegavelmente, manja (e desde os 11 anos). Pra quem não está familiarizado, o filme mostra muitas facetas das batalhas: o combate feroz, a crítica ácida e a participação de muitas pessoas diferentes trazendo suas vivências. É um ambiente de inclusão e competição ao mesmo tempo, uma cultura muito particular e acolhedora.

Sem deixar de lado a política do debate e conversando com o mundo da infância/adolescência, Bernardo na Vida, BMO na batalha é uma importante vitrine da cultura urbana e do RAP. Faz pensar sobre como a arte está viva desde dentro das primeiras gerações até os movimentos que comunidade expressa. É sobre conhecer um pouco da periferia e o que efervesce dela e de seus filhos.

Melhores momentos
BMO e Nauí, pai e filho.

[12º In-Edit]

Rodrigo Strieder

Quase publicitário, nerd, viciado em ficção científica, jogos e cinema, foi o primeiro participante do projeto Crítico Mirim do Cenas de Cinema. Depois de participar como jurado de festivais, arriscou suas primeiras linhas e segue até hoje escrevendo.
Botão Voltar ao topo