Série em Cenas

Bridgerton

Clichês e glamour da nobreza européia

( Bridgerton,EUA, 2020-)
Drama, Romance
Criador: Chris Van Dusen
Temporada: 1-
Elenco: Jonathan Bailey, Ruby Barker, Harriet Cains
Duração média: 60 min.
Canal Netflix
Onde ver: Netflix

É chocante como os clichês ainda são os reais produtos que geram frisson e demandas, e Bridgerton, disponível na Netflix, joga na cara que a vida de glamour da nobreza européia e as festas e bailes com lordes e rainhas nem de longe são os reais motivos de encantamento.

Baseada na saga de livros do mesmo nome da autora Julia Quinn, a trama apresenta a alta sociedade da Regência Britânica com suas temporadas de bailes, muito usadas para ocasionar enlaces matrimoniais para fortalecer títulos e riquezas das famílias. O que tempera tudo (além dos casos tórridos de amor, claro) é a narração de Julie Andrews como Lady Whistledown, codinome da autora de um folhetim de fofocas distribuído entre os nobres. Os amantes dos livros garantem que a série impressiona e ultrapassa expectativas, mas muitos ainda preferem a versão impressa.

Com produção da aclamada Shonda Rhimes, tudo impressiona pelo requinte, detalhe e propósito. Foram mais de seis mil figurinos criados e as locações são de tirar o fôlego. A escolha do elenco diversificado também aponta um cuidado extraordinário com a série, colocando Bridgerton na vanguarda de colocar personagens negros ricos, cobiçados e chefes de estado em uma série que apresenta a realeza e alta sociedade londrina.

Além do mistério de quem é a Lady Whistledown, o que mais prende a atenção é o envolvimento entre a jovem Daphne Bridgerton (Phoebe Dynevor) e o Duque de Hastings,  Simon Basset (Regé-Jean Page). E claro, os romances proibidos dos irmãos Bridgerton com mulheres que não possuem linhagem nobre. A defesa da honra, a importância do matrimônio, a relevância primária dos bens materiais e a falta de conhecimento sobre sexo e concepção são os temas recorrentes de cada episódio.

Apesar das mulheres serem retratadas como mais espertas que os homens e, em muitas vezes apresentarem críticas sobre a condição da mulher subjugada e dependente da proteção e cuidados masculinos, algo deveria incomodar e não ser um dos principais pontos de conquista. As várias cenas de sexo (inocente, virginal e que ignoram realmente do que se tratam) quase instrucionais lembram muito um romance adolescente. No entanto, preocupa (ou ao menos deveria) que um homem mais velho e muito experiente conduzindo a relação sem qualquer educação ou informação seja tão bem recebido no século XXI. 

Bridgerton da Netflix não traz apenas novos crushes, mistério, fofoca e uma excelente produção baseada num livro de sucesso. A série também mostra a importância da educação sexual, a forma como a mulher sempre teve um local imposto pela sociedade machista e patriarcal, e como isso ainda se sustenta.

O Melhor Episódio:
T01E08 – Depois da Tempestade

Ver Bridgerton na Netflix

Soraya Lopes

Gerente de projeto, comunicadora e buscadora constante de um descanso para a cabeça é viciada em séries e qualquer bobagem de tv que envolva comida, decoração ou sobrevivência e não tem escrúpulos de se emocionar com estas coisas. Se empenha em estudar filosofia, sociologia, psicologia e outros temas que possibilitem entender cada vez mais as pessoas.
Botão Voltar ao topo