Crítica | Streaming

Carta Registrada

(Certified Mail, EGY, 2019)
Drama
Direção: Hisham Saqr
Elenco: Basma, Passant Shawky
Roteiro: Hisham Saqr
Duração: 95 min.
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆

“É estranho como somos ensinados a não pensar, sentir ou nos expressar
Até que a vida se torna mais assustadora que a morte.”

Carta Registrada, estreia do montador Hisham Saqr na direção de longas-metragens é um belo e dolorido retrato da depressão. Ao acompanhar a história de Hala e suas muitas desventuras, mergulha no interior de uma personagem que, antes mesmo de qualquer contratempo, estava quebrada.

A essência do distúrbio pode ser facilmente percebida logo nos primeiros momentos do filme, seja pela falta de luz e pela construção cênica opressiva, como pela atuação marcada de Basma, que segue por todo o filme. Quem já esteve neste lugar de opressão e falta de cor/espaço vai identificar prontamente.

Saqr faz questão de destacar a contraposição entre o interior de sua protagonista – aqui por vezes representado – e os vários personagens com quem ela interage e a própria cidade do Cairo, seja em insights visuais ou em marcações de atuação com outros atores. Outro acerto está no modo como concatena a profusão de eventos, por mais potencialmente apelativos que eles sejam, sem pesar a mão.

Porém, Carta Registrada merece atenção por como se relaciona com a depressão, abordando o tema de frente e realmente discutindo-o, tentando compreender sentimentos, mostrando que não há linearidade e que, embora haja a dificuldade me seguir, nem todos ficam disfuncionais. Mais importante do que tudo isso, “que a escuridão sempre passa”.

Um Grande Momento:
“Desde quando meus sentimentos têm lógica?”

Links

IMDb

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo