Crítica | Streaming

Desobediência

(Disobedience, IRL, GBR, EUA, 2017)

  • Gênero: Drama
  • Direção: Sebastián Lelio
  • Roteiro: Sebastián Lelio, Rebecca Lenkiewicz
  • Elenco: Rachel McAdams, Rachel Weisz, Alessandro Nivola, Nicholas Woodeson, Anton Lesser
  • Duração: 114 minutos
  • Nota:

Normas rígidas de uma sociedade que vigia e pune. A repressão dos desejos em busca de aceitação. O viver uma vida indesejada porque ela é estipulada como a correta. São descrições que servem em qualquer lugar do mundo quando se faz parte de qualquer minoria. Em Desobediência, Sebastián Lelio (Uma Mulher Fantástica) traz o tom do ortodoxo para evidenciar ainda mais esse discurso. 

Se há uma demora para a acomodação daqueles personagens, pois é como se a contenção e o constrangimento esperados dos personagens fossem diferentes dos entregues pelos atores, o roteiro consegue preencher as lacunas e dar peso à história até que as coisas encontrem seu lugar. 

Rachel McAdams, Rachel Weisz e Alessandro Nivola em Desobediência

Desobediência parte do distanciamento, mas não demora muito para que o espectador se veja envolvido na história daquelas duas mulheres proibidas de amar. É justamente quando a contenção e o desejo passam a dividir o espaço que Rachel McAdams (Diário de uma Paixão) e Rachel Weisz (A Favorita) se apoderam do filme e trazem veracidade à relação. 

Mais comedido visualmente do que o habitual, Lelio aposta em cores escuras e no tom acinzentado para destacar o sufocamento. A janela que não abre do quarto de hóspedes é como uma concretização daquilo tudo que se vê. O diretor até busca algumas pausas, mas sem nunca deixar de destacar esteticamente o peso da situação. 

Rachel McAdams e Rachel Weisz em Desobediência

E é um peso que está em todos. O ser aquilo que se espera sufoca cada um dos personagens principais: a filha ausente, a esposa prefeita, o mais preparado discípulo do rabino. A trama se alimenta da carga de ansiedade e expectativa estimulada pelo reencontro dos amigos de infância. É nele que novas tensões podem causar a ruptura.

Baseado no romance de Naomi Alderman, Desobediência encontra o tom contestador – e libertador – da autora inglesa. Em uma trama pesada e construída gradualmente, com poucos estouros, Lelio trabalha com sensações, destacando, reprimindo e provocando. Com esse jogo, mais do que expor, contesta. E contestação em um mundo que ainda se vê tão dominado pelos costumes é algo fundamental.

Um Grande Momento
Na casa do rabino. 

Ver “Desobediência” no Telecine

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo