Crítica | CinemaDestaque

Downton Abbey II: Uma Nova Era

Charme antiquado

(Downton Abbey: A New Era, GBR, EUA, 2022)
Nota  
  • Gênero: Drama
  • Direção: Simon Curtis
  • Roteiro: Julian Fellowes
  • Elenco: Michelle Dockery, Maggie Smith, Tuppence Middleton, Hugh Dancy, Elizabeth McGovern, Dominic West, Laura Haddock, Allen Leech, Imelda Staunton, Joanne Froggatt, Samantha Bond
  • Duração: 125 minutos

A derrocada da aristocracia britânica após a Era Industrial e, particularmente, a Primeira Guerra Mundial dá a tônica da série criada por Julian Fellowes que se tornou um hit mundial, rendendo vários prêmios especialmente para a grande Dama Maggie Smith. Downton Abbey então, após suas bem sucedidas seis temporadas toma o rumo cinematográfico, com o primeiro filme homenageando a monarquia inglesa e a visita real, e esse Uma Nova Era dando conta da chegada de uma equipe de cinema na grande mansão em Yorkshire.

Claro que os melhores momentos, mais uma vez, estão relegados às aparições de Maggie Smith como a condessa viúva Violet Grantham, cujas frases certeiras e irônicas divertem o público, e as dinâmicas entre a criadagem e os nobres da família Crawley. A linha narrativa de Uma Nova Era se divide em duas a partir do incidente excitante – da situação dramática inicial – que faz o elenco de Downton Abbey vivenciar duas situações: administrar a filmagem de uma produção de época na mansão, capitaneada por Lady Mary (Michelle Dockery) e o cineasta Jack Barber (Hugh Dancy); e empreender uma viagem até o sul da França para visitar uma vila herdada pela condessa viúva, que não pode mais viajar e é representada pelo conde Grantham (Hugh Bonneville), a condessa Grantham (Elizabeth McGovern) e Tom Branson (Allen Leech).

Downton Abby: Uma Nova Era
Focus Features

O glamour do final da década de 1920, a emoção de reencontrar personagens queridos vividos por grandes atores e atrizes, como Penelope Wilton (Lady Isobel Merton), Jim Carter (o mordomo Carson) e sua esposa na vida real, Imelda Staunton (Lady Maud), e mesmo ver atrizes incríveis como Nathalie Baye se unindo ao elenco é inenarrável. O grande porém é que Fellowes e o diretor do filme, Simon Curtis (de Sete dias com Marilyn, que é casado com McGovern) confiam demais nas aparências. Downton Abbey: Uma Nova Era é repleto de beleza da mansão homônima, da vila francesa, dos figurinos assinados por Anna Robins e Maja Meschede, da trilha sonora clássica, mas se sustenta nesses elementos e no carisma dos personagens única e exclusivamente. A história do filme?

Apoie o Cenas

Bem…. ela está lá. Entre soluções preguiçosas de enredo e uma direção protocolar, a trama resulta num misto de “befuddlement” – palavra que a condessa viúva adora proferir -, ou seja, de confusão e aconchego. Downton Abbey: Uma Nova Era empresta o enredo do avanço do cinema falado, homenageia Cantando na Chuva com a estrela do cinema “diva” que não consegue dublar suas cenas e a química entre Dancy e Dockery – muito melhor que a entre a intérprete de Lady Mary e Matthew Goode, que vive Henry Talbot, mas por compromissos com a série The Offer não pode participar do filme.

Downton Abby: Uma Nova Era
Focus Features

De outro lado, toda a linha narrativa que desenvolve a trama da vila no Sul da França acaba sendo mais sedutora por sustentar um mistério do passado da condessa viúva (mais um caso amoroso semelhante ao que ela teve com o príncipe Kuragin?), que desestabiliza especialmente Robert Crawley. Ver o personagem curtindo o verão ao lado da amada Cora, de Lady Edith (Laura Carmichae) – ou melhor, a marquesa -, de Lord Hexham (Harry Hadden-Patton) e de Tom é garantia de satisfação, assim como Carson criticando os costumes franceses.

Para o fandom, ainda existem surpresas reservadas como a chegada de novos membros na família Crawley e a partida de outro, a presença do astro do cinema Guy Dexter (Dominic West) em Downton Abbey e a amizade que ele vai formando com o sofrido Barrow (Robert James-Collier), as cenas cômicas envolvendo Molesley (Kevin Doyle) e as poucas mas ainda muito boas interações entre as amigas condessa viúva e Lady Merton.

Para quem ama todos aqueles que habitam Downton Abbey, Uma Nova Era é um prato ainda saboroso a ser apreciado, mesmo que diminuto e sem um tempero sedutor.

Um grande momento
Molesley encenando o final do script

Curte as críticas do Cenas? Apoie o site!

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo