Crítica | Festival

God’s Country

Ódio em nome de Deus

(God's Country, EUA, 2022)
Nota  
  • Gênero: Suspense
  • Direção: Julian Higgins
  • Roteiro: Julian Higgins, Shaye Ogbonna
  • Elenco: Thandiwe Newton, Jeremy Bobb, Joris Jarsky, Jefferson White, Kai Lennox, Tanaya Beatty
  • Duração: 102 minutos

“Deus acima de todos”. Essa é a segunda parte do slogan de companha e do governo de Jair Bolsonaro, irmão de alma do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Não são poucas as semelhanças entre seus atos, governos, correligionários e seguidores. Aqui no Brasil, os admiradores do atual governante costumam ter uma paixão pelo país do lado de cima do continente americano, como se houvesse uma superioridade moral que nunca existiu de verdade, e uma vontade enorme de ser como eles. Bom, pode-se dizer que agora isso se concretizou com as últimas eleições, com a onda da extrema-direita que tomou conta do mundo, a manipulação em massa e a validação dos mais espúrios discursos que revelaram tendências que muitos tinham vergonha de assumir. Tudo isso está em God’s Country, um filme que é muito sobre os Estados Unidos de Trump, mas que também tem muito a ver com o que vivemos aqui com Bolsonaro.

O thriller crescente de Julian Higgins é bem construído ao abordar a polaridade de uma sociedade num microuniverso distinto. Os lados estão delimitados por personagens cuidadosamente elaborados, em especial a protagonista Sandra, uma professora negra que se muda para uma casa isolada nas montanhas. Trabalhando em uma escola majoritariamente branca, de uma cidade rural também majoritariamente branca, ela é retraída e introvertida, e sofre o luto pela perda de sua mãe. A trama, que se desenvolve silenciosamente e sem muitos sobressaltos a princípio, começa a ganhar corpo quando ela vê sua propriedade invadida pela caminhote vermelha de dois habitantes locais, habituais caçadores.

God’s Country não toma caminhos óbvios, ainda que tenha sua mensagem definida e a assuma sem pudores a partir de certo ponto. O mistério com que o roteiro do próprio Higgins e Shaye Ogbonna se desenvolve faz a diferença, trazendo elementos que questionam os atos de ambos os lados e julgam inclusive o a protagonista em sua desconfiança. Porém, se há um contexto fantasmagórico pairando além de fatos que se apresentam, não há como não relacioná-lo a tudo o que acontece e, em tempos extremos, onde o ódio é palavra de ordem, não desconfiar é impossível. A realidade se mostra exatamente a esperada.

Apoie o Cenas

Enquanto descobre-se mais sobre Sandra e seu passado, a escalada angustiante vai dando lugar à violência progressiva. Os dois invasores, os locais, são amantes das armas, não se importam com nada e com ninguém, desprezam a vida e divertem-se com isso, mas estão lá na igreja aos domingos, cumprindo o seu papel na família, como bons filhos. Conexões e uma rede de proteção bizarra ficam óbvias. Onde isso pode levar? E o que pode resultar disso? Daqui sabemos, ou podemos deduzir. O caminho do filme causa ansiedade por sua elaboração e construção cênica, mas é a metáfora e a percepção da realidade que embrulham o estômago, o estar vivendo em um lugar onde aqueles atos e sentimentos são tão possíveis.

Para além disso, o longa se perde às vezes em tramas coadjuvantes que são relevantes e não se concluem tão bem, fora não ser tão imprevisível, mas é muito hábil no modo como consegue passar sua mensagem optando por um gênero de difícil condução. Higgins concatena muito bem o suspense, trabalhando com o tempo e o silêncio, mesmo que se afobe no final. Ele também sabe reconhecer aquela que é sua maior força. Muito da alma de God’s Country é Thandie Newton. A atriz de Crash: No Limite e Westworld consegue entregar uma de suas melhores performances num papel que vai de um extremo a outro e tem várias camadas. 

Nesses tempos, vivendo em sociedades divididas e marcadas por um ódio que vem validado por seus governantes, é interessante ver filmes como esse, que tratem do tema sendo incisivos sem serem literais. O difícil é ver que aquilo que está em tela acontece agora, e que se há um desfecho possível diferente daquele, ele está muito longe de chegar. Mesmo que algumas mudanças venham das urnas, o mal que surgiu e se validou “em nome de Deus” vai custar a desaparecer.

Um grande momento
O retorno

[2022 Bentonville Film Festival

Curte as coberturas do Cenas? Apoie o site!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo