Críticas

O Filho do Homem

(O Filho do Homem, BRA, 2020)

  • Gênero: Ficção
  • Direção: Fillipe Rodrigues
  • Roteiro: Fillipe Rodrigues
  • Elenco: Leoci Medeiros, Paulo Rocha
  • Duração: 10 minutos
  • Nota:

Esperando Godot, seria, numa tradução aproximada, algo que Beckett tirou da expressão anglo-irlandesa “Waiting for godda”, esperando por deus. Dando um salto do teatro do absurdo do século 20 para o audiovisual do século 21, “O Filho do Homem” traz dois homens se encarando, convivendo e esperando numa casa velha. Esperam o fim do ciclo ou recomeços. 

O fogo fátuo é aquilo que reorganiza o universo daqueles dois homens, o jovem e o velho, partes de um todo.  A chama da vida, aparentemente em suspensão na casa um tanto decrépita e escura, enterrada num tempo modorrento, que não parece afetar em nada a vida do jovem e do velho. O homem mais moço encara a si próprio envelhecido? O tempo dilatado serve bem ao propósito da história fabulosa narrada por Fillipe Rodrigues, que apresenta um exemplar do cinema feito no Pará que foge daquilo que se espera ou imagina sobre a cinematografia amazônica.

Formando em cinema pela Universidade Federal do Pará ele integra uma novíssima geração de realizadores paraenses que se organizam em coletivos e grupos produtores de audiovisual, garantindo uma continuidade e sistemática próprias dentro de um segmento que ainda se organiza profissionalmente no estado.

Maduro, filosófico, super bem filmado – e dirigido – O Filho do Homem, que já tinha estreado na etapa regional da Mostra Sesc de Cinema, reacende as esperanças de um cinema brasileiro mais plural nas telas dos festivais e outras janelas. Quando o fogo crepita na cena final e a trilha incidental sobre se espera que haja mais pavio para queimar, mais histórias produzidas no Pará e na Amazônia povoando as telas.

Um grande momento:

O jantar.

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo