Crítica | Streaming

O Homem Que Copiava

(O Homem Que Copiava, BRA, 2003)

Você pode construir uma personagem com vários retalhos que nem sempre combinam e se encaixam, e deixá-lo tão atraente que qualquer atitude que ela tome seja perdoada ou tenha sua gravidade diminuida? A resposta é tão positiva quanto negativa no filme de Jorge Furtado, O Homem Que Copiava.

André (Lázaro Ramos), o protagonista, trabalha em uma loja de fotocópias e vive com os centavos contados. Todo o seu conhecimento de vida se resume a uma mistura de vários trechos de textos que ele aproveita para ler enquanto copia o material para os clientes.

Ele se apaixona por Sílvia (Leandra Leal), a vizinha que espiona pela janela, e, por causa dela, começa a praticar delitos para conseguir algum dinheiro. Para ajudá-lo, ele conta com Cardoso (Pedro Cardoso), vendedor de quinquilharias, e com a colega de trabalho Marinês (Luana Piovani).

A simplicidade e as trapalhadas de André, somadas ao carisma do ator Lázaro Ramos, despertam um sentimento no público, que torce para que tudo saia como o planejado, mas a progressão de condutas amorais causa uma rejeição

Ao mesmo tempo temos dois Andrés, um tão tímido que não consegue olhar nos olhos de seus interlocutores e outro que sai fazendo coisas reprováveis. Esse contraste de sentimentos vai até o final do filme e pode incomodar um bocado.

A linha narrativa é toda recortada, assim como o conhecimento de André, e mistura os mais diversos elementos. Para tudo isso unido, o diretor optou por uma narração em off, que preenche lacunas, esclarece situações e dá dicas, e pela montagem precisa, assinada por Giba Assis Brasil.

O elenco está todo muito bem integrado e transmite toda a intimidade que tem com o projeto. O único incômodo fica por conta do sotaque gaucho em atores que não são de lá. Será que não era melhor deixar o sotaque para outra hora? Mas isso é uma bobagem frente a todo o resto.

O mais interessante do filme fica mesmo por conta da contradição que ele nos traz e no seu modo de abordar a falta de perspectiva da juventude atual, além de mostrar como a amoralidade é vista com condescendência por nós.

Em um país onde se elege qualquer porcaria, onde a aparência (das pessoas e das obras que as pessoas fazem) vale mais do que qualquer atitude e onde a corrupção não choca mais ninguém, vale parar, pensar em tudo isso e descobrir que precisamos prestar atenção em outras coisas muito mais importantes.

Porque sempre pode ter uma galinha do outro lado da rua.

Um Grande MomentoVendo através das persianas japonesas.

O-homem-que-copiava_poster

Links

Comédia
Direção: Jorge Furtado
Elenco: Lázaro Ramos, Leandra Leal, Pedro Cardoso, Luana Piovani, Carlos Cunha, Júlio Andrade, Janaína Kremer, Artur Pinto
Roteiro: Jorge Furtado
Duração: 123 min.
Minha nota: 8/10

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

4 Comentários

  1. Um dos melhores filmes nacionais que já vi. Dialogos incriveis, cenas incrivelmente engraçadissimas, personagens inesqueciveis, um roteiro que prende apesar de fraquejar no finalzinho e acima de tudo: uma linguagem sensacional que o cinema nacional deveria tomar como referencia.

    Um neo-classico.
    Abraços.
    Ps: Voltei a postar … confira depois. Besos!

  2. Sempre tive curiosidade de conferir este filme, mas falta oprtunidade!

Botão Voltar ao topo