Crítica | Streaming

O Magnata

Visto em DVDBomba!!!(O Magnata, BRA, 2007)

Drama

Direção: Johnny Araújo

Elenco: Paulo Vilhena, Rosane Mulholland, Maria Luisa Mendonça, Chico Díaz, Marcelo Nova, Marcos Mion, Chorão, João Gordo, Tiririca

Roteiro: Chorão

Duração: 100 min.

Nota: -1/10

Um filme assinado pelo problemático Chorão e estrelado pelo também bad boy Paulo Vilhena, não poderia mesmo dar grande coisa. Apesar da clara mensagem: “não veja”, o trailer até que continha alguns momentos interessantes e, por isso, falei que algum dia, quem sabe, conferiria o resultado.

Fui pegar um filme para o Rodrigo assistir com um coleguinha que estava lá em casa e dei de cara com a pérola. Peguei sem pensar muito e voltei para casa. No dia seguinte, jogo, visitas e a caixinha do dvd ali em cima da mesa. Por que não? Sentamos todos e fomos assistir a uma das minhas piores experiências com o cinema.

Para começar, o som é péssimo. Lembra aquela época em que não existia nenhum filme com som bom por estas bandas. Para continuar, o roteiro foi escrito em um dialeto diferente, com o qual nem eu e nem os meus companheiros de tortura estamos acostumados, ou seja, um desastre total, já que não existia uma legenda para acompanharmos.

A história é ridícula. O Magnata é um jovem astro do rock imbecil e grosso, que passa a maior parte do seu tempo se drogando, roubando, transando e maltratando as pessoas. A explicação para tal comportamento é a mais batida e previsível de todas: seu pai morreu e sua mãe é uma alcóolatra. A vida do deliqüente pode mudar depois que ele conhece um menina e os dois se apaixonam, mas um erro do passado pode destruir o seu possível recomeço.

Para falar a verdade, até ouvia as músicas do Charlie Brown Jr. por considerar a qualidade técnica dos antigos músicos da banda muito boa (destaque para o baixista Champignon, excelente), mas nunca gostei do Chorão. Além de cantar mal, sua postura social e moral não merece nem um minuto da minha atenção. Para mim, ele é daquele tipo de gente que pode até existir, mas eu prefiro nem ficar sabendo. O cara é tão perdido que não há como não fazer uma relação entre o garoto problema do filme e ele.

Descrito o roteirista, vamos ao diretor que resolveu aceitar o desafio e filmar a história. Johnny Araújo é muito bom no que faz, ou seja, sabe como dirigir bem um videoclip, tanto que já foi premiado mais de uma vez no Video Music Awards, da MTV. Porém, sua estréia no cinema poderia ter sido muito melhor se tivesse escolhido uma história melhor para contar.

As atuações também são sofríveis. O único que está bem é o Chico Díaz, que tem uma participação mínima como o advogado da família do protagonista. No mais, um desfile de rostos conhecidos que tiveram o azar de passar por ali, como João Gordo, Rita Cadillac, Tiririca e Marcelo Nova. Este último, coitado, é a consciência do Magnata e aparece sempre em seqüências sem que e nem porquê, para justificar aquelas “sacadas geniais” do diretor que nunca têm nada demais.

A trilha sonora também é muito fraca e, por muitas vezes, não conseguimos entender nada que está sendo cantado. Juntando tanta coisa ruim, o filme parece existir para mostrar aos espectadores a pista de skate do Chorão, o próprio, um show do Charlie Brown Jr. e algumas bandinhas que, provavelmente, são agenciadas pelo cantor problema.

Resumindo, é um filme que não merecia nem existir. Daqueles exemplares que só servem para manchar o nome do cinema nacional.

Um saco mal amarrado de músicas ruins, manobras de skate, péssimas atuações e cenas delinqüentes. Bom para jogar no lixo.

Um Péssimo Momento

Já que o filme não tem nada de bom, vou falar do pior momento de todos. Enquanto fuma maconha com sua namoradinha e conversa com ela sobre extraterrestres, ele conta que conheceu o rei do ETs. O corte de cena é feito e, de repente, uma animação em 3d toma conta da tela. Nela, uma limosine branca vem descendo do céu e aterrissa na piscina. De dentro sai o Marcelo D2, acompanhado de duas mulheres. Muito ruim!



Links

Site Oficial

Imdb

Adoro Cinema Brasileiro

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

31 Comentários

  1. Oi, gente! Que saudade de vocês!

    Bom, depois de tanto tempo também, não tinha como não ficar com saudade, não é?

    Esse filme é mesmo um erro!

    Você é um homem sortudo, Hugo. Queria estar como você agora.

    Eu odiei mesmo, Rodrigo. Toda vez que o Chorão abria a boca para falar eu tinha vontade de colocar a tv no mudo. E aquelas animações no meio??? Achei bizarro!

    Olha, Wallace, acho que desistir é o melhor negócio no caso. Quem sabe qualquer dia passa na Globo no meio da madrugada… Mas eu tenho que te confessar que por aqui também aparecem muitos filmes ruins. Sempre é bom descobrir uns desses. Ontem estava vendo um documentário sobre cinema Gore/Slash e resolvi que o próximo vai ser o Freddy x Jason… Hehehe

    Boa idéia, Isabela!

    É mesmo, Marcel. Acho que fui até boazinha com o filme dando uma nota tão alta. hehehehe

    Eu também não sabia desse elenco exemplar, Ygor. Mas também não acreditava que o Chorão conseguisse fazer alguma coisa boa. Também assumo o meu conceito (já que vi o filme, acho que posso tirar o ‘pre’, né?)

    Pois é, Tiago! Eu devia estar louca quando arrisquei…

    Que saudade de você, Patty e da Julinha também. O filme é desesperadoramente ruim… Mas é até uma boa idéia essa de ganhar dinheiro. Hehehe. Tudo certo para ir e minha chefe cortou o barato. Fiquei triste com isso…

    É verdade Ibertson. Mas acho que tanto a banda como o filme têm o mesmo problema, e o nome dele é CHORÃO!

    Eu também gosto de cinema nacional, Miriam. Mas acho que é até bom esquecer que o Magnata é nacional. Ele não é falado em português mesmo…

    Nossa, Arthur, já é a segunda nota -5. Acho que tenho que ser ainda mais cruel da próxima vez… hahaha.

    Obrigada, Sonia! Que bom que gosta daqui!

    Nem eu, Marcio! Estou tentando descobrir até agora de onde sairam as forças para tal façanha.

    Estamos de volta, Sérgio. Também passei uma temporada fora e estou voltando hoje…

    É Marco, mas isso sem falar em Tiririca, Marcos Mion e outros bizarros!

    Que bonitinho, Pablo. Tenho uma frase infoviajante!

    Ei, Aline! Saudade de você! O trailer é uma obra de arte perto do filme em si. E o Chorão é aquela pessoa não necessária, né? Mudando de assunto, Simplesmente Amor é demais mesmo! Também adoro e sempre me emociono muito com ele.

    Voltei, Robson! E estou morrendo de saudade!

    Beijocas enormes para todos!

  2. êta que eu to com saudade de ver seus textos, cadê você, hein? =)

  3. cecília que mulher de coragem você é…eu falei muito mal desse filme sem nem ao menos ter visto o trailer. Eu não suporto o Chorão!

    beijo

    ps. sempre dou uma passadinha por aqui

  4. Vou pedir minha filha para linkar seu Blog. Ainda não sei linkar. Ele t~em excelentes dicas de filmes.

  5. Cecília,
    Estou sentindo falta de suas visitasêm post novo, apareça!!!!!

  6. Nossa, coragem a sua para ver esse filme, hein?

    Chorão? Paulinho Vilhena?

    Passo longe!

  7. Nunca vou perder meu tempo assistindo este filme.. obrigado por me alertar ainda mais… rsrsrs

    Estou de volta a ativa dps de um tempo ausente…

    vlws

  8. Entrei no cinema com minha namorada e com 15 minutos de filme a gente saiu da sala do cinema.

    Acabamos indo ver outro filme hehehe.

    Eu não sei como você conseguiu vê-lo até o fim

  9. Cecília,
    Seu espaço sempre atualizado e com dicas de melhores filmes.Parabéns!!! Vim te convidar para conhecer o Compartilhando as letras, sua visita será um prazer!!! Têm postagem nova.

Botão Voltar ao topo