Crítica | Streaming

Os Irmãos Willoughby

(The Willoughbys, CAN, EUA, GBR, 2020)

  • Gênero: Animação
  • Direção: Kris Pearn, Cory Evans, Rob Lodermeier
  • Roteiro: Kris Pearn
  • Duração: 90 minutos
  • Nota:

Os Irmãos Willoughby é a produção mais bem sucedida de 2020 até o presente momento. Com avaliações excelentes no Rotten Tomatoes e tendo obtido mais de 39 milhões de visualizações no seu primeiro mês em exibição na Netflix, a animação original da gigante de streaming vai trilhando o bem sucedido caminho do antecessor Klaus – que até conquistou um globo de ouro – ao trazer um conto familiar para dar conforto aos lares neste período de isolamento social.

Produzido por Kris Pearn, responsável pela franquia Tá Chovendo Hambúrguer, o filme une 3D e stop-motion num visual arrebatador e também sombrio narrando – cortesia de um gato de rua, deliciosamente dublado por Guilherme Briggs na versão brasileira – a história de quatro crianças que querem se livrar dos pais egoístas e esnobes. Tim, Jane e os gêmeos Barnaby são membros da família Willoughby, famosa por ser formada por inventores sagazes, pelos bigodes vermelhos e pela união. Mas ocorre que, na geração deles, a desunião prevalece com os pais Helga e Walter, tão absortos no relacionamento a dois que não sobra amor para as crianças. Elas estão armam um plano de despachar os pais para férias perigosas em várias partes do globo, enquanto eles próprios saem da mansão para desbravar o mundo com a babá.

Os Irmãos Willoughby (2020)

Trazendo toques sombrios, muito característicos de produções de outros estúdios de animação como o Laika ou mesmo o nipônico Ghibli, Os Irmãos Willoughby trata de aceitação e solidariedade ao mostrar as crianças fazendo de tudo para se tornarem órfãs e donas dos seus destinos. A história amalucada tem personagens excêntricos como os de Tá Chovendo Hambúrguer, mas engaja mais do que a saga do menino inventor talvez por cruzar referências que estão tão arraigadas na cultura pop como orfandade (basta ver Desventuras em Série, por exemplo), e A Família Adams.

Como nas histórias reais, os finais felizes não são tão fáceis e simples. Mesmo que siga um caminho já imaginado no seu desfecho, Os Irmãos Willoughby diverte, comove e se consagra como uma boa animação que ainda discute valores familiares e o bem-estar das crianças. A noção de família, trabalhada nesse filme como uma adaptação do romance “The Willoughbys” de Lois Lowry, tem muita ressonância no mundo atual, tão permeado pelo preconceito.

Os Irmãos Willoughby (2020)

E o que é o mais bacana: a Netflix dá a oportunidade de ver tanto a versão original com as vozes de Will Forte, Maya Rudolph, Alessia Cara, Terry Crews, Seán Cullen e Ricky Gervais ou a versão nacional, primorosamente dublada.

Um Grande Momento:
Os pais escapando das desventuras em série nas férias.

Pôster de Os Irmãos Willoughby

Netflix

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo