Crítica | Streaming

Polaróides Urbanas

Visto em DVD(Polaróides Urbanas, BRA, 2008)

Comédia

Direção: Miguel Falabella

Elenco: Marília Pera, Arlete Salles, Natália do Vale, Otávio Augusto, Marcos Caruso, Neuza Borges, Juliana Baroni, Ana Roberta Gualda, Alexandre Slavieiro, Nicolas Trevijano, Stella Miranda

Roteiro: Miguel Falabella

Duração: 82 min.

Minha nota: 6/10

Nos anos 90, Miguel Falabella escreveu uma peça para sua amiga Cláuda Jimenes onde ela interpretava todos os papéis femininos. No ano passado, a peça, nas mãos do próprio dramaturgo, virou um filme cheio de histórias, com várias atrizes diferentes.

Na tela uma dona de casa cansada é o ponto de ligação entre vários personagens. Uma psiquiatra cheia de problemas, uma adolescente em crise, uma empregada que teve que assumir o papel de mãe de uma filha que não é sua, uma menininha pegadora, uma atendente de tele-ajuda, um adolescente fútil, um garoto de programa, um homem muito apegado ao material e um casal que vive viajando pelo mundo sem apreender muito dos lugares conhecidos.

O filme, dirigido também por Falabella, lembra em vários momentos os antigos filmes de Almodóvar e suas mulheres malucas e situações inusitadas. A alternância entre um visual de cinema e de peça teatral também relembra os filmes do diretor espanhol como O Que eu Fiz para Merecer Isto?.

Mas tudo pára nesta lembrança. O roteiro tem problemas com o tempo e as soluções que dá para todos os personagens existentes e seria muito mais eficiente se tivesse focado em um número menor de histórias.

A trilha sonora parece meio equivocada, às vezes, e sobra na situação. Outra falha é a irregularidade do elenco que mistura grandes atuações com a insegurança da inexperiência de alguns.

Ao mesmo tempo, é no elenco que está a grande força do filme. Marília Pêra dá um show como a dona-de-casa frustrada e a irmã gêmea turista e parece ter encontrado novamente alguém que a dirija bem no cinema. Claro que ela é uma das artistas mais completas e maravilhosas do Brasil mas, talvez por isso mesmo, não encontre a firmeza necessária em seus diretores, como aconteceu em seus filmes mais recentes. Em Polaróides, sem ser avacalhada e nem contida demais, ela arranca boas risadas e conquista quem está na platéia.

Neuza Borges também está bem ao encarnar o papel mais tocante da trama, assim como Natália do Vale, Arlete Salles e Stella Miranda. Ana Roberta Gualda e Juliana Barone também estão bem, mas ainda precisam se desvencilhar dos tiques que a televisão deixa em seus atores. O elenco masculino é pouco explorado, mas funciona bem.

No geral, o filme tem sucesso ao alternar entre o super divertido e o tocante. O objetivo de entreter seu público é completamente alcançado e fica uma pontinha de vontade de ver Falabella dirigindo novamente pois, se as influências falarem mais alto, coisas boas podem estar a caminho.

Para ser visto sem grandes expectativas e nos dias em que a distração é o principal objetivo.

Diferente do habitual estilo Globo Filmes de fazer cinema, muitos dos enquadramentos e das experimentações visuais passam longe da telenovela.

Um Grande Momento

Olha, é a artista.

Links

Imdb



Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

10 Comentários

  1. @Anderson Siqueira, pois deveria ter visto. É um excelente filme, engraçadíssimo, primoroso, com grandes atuações. O pessoal que malhou deve ter inveja por não saber fazer algo semelhante.

  2. Oi gente!!!

    Anderson – Desanima não. O pessoal diz que o meu 6 é quase um notão por aqui. Hehehe.

    Vinícius – Ela está demais mesmo! Eu ri, me emocionei e acho que Falabella pode até vir a produzir algo muito bom mesmo. Vamos ver, né?

    Bruna – Ela sempre merece. E neste filme mais ainda.

    Marcio – Eu vi lá no seu blog. Hehehehe. Não achei parecido com Magnólia não, só mesmo o negócio das várias histórias interligadas (o que não é um privilégio do filme com a chuva de sapos).
    Mas entendo sua sensação. Muita coisa falou a mesma coisa do filme…

    Pedrita – É um filme divertido e que conquista o espectador…

    Alex – Tomara que você goste! Depois diga o que achou…

    Pseudo – Qualquer coisa que seja da Globo Filmes é meio complexo mesmo, mas esse filme até que é diferente dos outros…
    E eu acho que Falabella vai ser um bom diretor um dia!

    Beijocas para todos vocês!

  3. Em poucas palavras: Falabella é um homem do teatro. Disso ele entende. Já de cinema… Não fiquei tentado a ver. Até porque, fujo de produções com selo globo filmes.

  4. O filme será exibido este mês no cineclube da minha cidade e com toda a certeza irei assistir!

  5. Vou ser o do contra aqui ok? hehehe

    Este filme não me ‘tocou’ (lá ele) nem um pouco. Não me convenceu e achei triste, tanto que figurou no meu Top 10 piores filmes de 2008.

    Falabela quis fazer um “Magnólia do 3º Mundo”. Eu não recomendo a ninguém.

    E olhe que ano passado ainda tivemos excelentes filmes nacionais para degradar ainda mais este aí

  6. Me deixou com vontade ver. Acho que a Marília Pêra merece minha audiência. :)
    Beijocas.

  7. O filme tem seus bons momentos, conseguiu me divertir bastante, mas realmente é muito irregular em seu resultado. Marília Pêra está excelente!

Botão Voltar ao topo