festivaisoutras metragens

Swinguerra

(Swinguerra, BRA, 2019)
Documentário
Direção: Bárbara Wagner, Benjamin de Burca
Roteiro: Bárbara Wagner, Benjamin de Burca
Duração: 23 min.
Nota: 9 ★★★★★★★★★☆

Não há arma mais poderosa contra a opressão do que o próprio corpo. É ele que ocupa os espaços e os transforma em seus. Natural, portanto, que a performance tenha destaque na atitude de resistência e, de certo modo, tomada de poder quando o mundo todo passa por uma onda de retrocesso, flertando com o nazifascismo e com tudo que há de pior no mundo.

O cinema tem retratado esse movimento que encontra na postura performática um espaço para a crítica, a força e a própria existência. É uma outra forma de enfrentamento, bem diversa daquela que atenta contra os que optam por ela. Aqui usa-se a beleza plástica e o próprio corpo para chamar a atenção, de forma pacífica, a uma pauta específica.

Em Swinguerra, a dupla Bárbara Wagner e Benjamin de Burca mergulha no universo da swingueira, estilo musical que mistura funk, brega, pagode, batidão e arrocha, e acompanha grupos de dança. Mistura de instalação e cinema, a narrativa vai se estabelecendo por entre coreografias. Estereótipos vão tombando frente à contradição das letras musicais.

Não há gênero, raça ou padrão, todos estão juntos em um mesmo enfrentamento. Enfileiradas em formação militar, pessoas trans e cis saúdam a bandeira e gritam: “Prazer! Estou de volta!” É a força da arte contra todo o apagamento sistêmico, o extermínio e a intolerância; a ocupação de um Brasil que insiste em não dar espaço a todos.

Quando se vê na presidência do país alguém que defende todo tipo de ação negativa, em palavras e atos, e diverte-se com a eliminação de direitos já conquistados e o desmantelo da cultura é fundamental que esses corpos se mostrem. Em sua alegria e com seu brilho, cores e movimentos chamem atenção, se mostrem, ocupem e conquistem um espaço que sempre foi seu.

Um Grande Momento:
A dança final.

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo
Fechar