Crítica | StreamingMix Brasil

Tomboy

(Tomboy, FRA, 2011)

  • Gênero: Drama
  • Direção: Céline Sciamma
  • Roteiro: Céline Sciamma
  • Elenco: Zoé Héran, Malonn Lévana, Jeanne Disson, Sophie Cattani, Mathieu Demy, Yohan Vero, Noah Vero, Cheyenne Lainé, Rayan Boubekri, Christel Baras, Valérie Roucher
  • Duração: 85 minutos
  • Nota:

Tomboy é um nome criado para definir as meninas que têm o comportamento considerado “típico de menino”. Gostam de roupas e atividades tradicionalmente definidas como masculinas.

Laure é uma pré-adolescente que acabou de se mudar com a família para um conjunto habitacional onde não conhece ninguém. Seus cabelos curtos e as roupas masculinas que veste permitem que ela se apresente a Lisa, a primeira vizinha que se aproxima dela, como Michaël e assim seja conhecida por todas as outras crianças do local.

Em sua vida de Michaël, protegida pela aparência e pelo corpo ainda não desenvolvido, Laure brinca, corre, joga futebol, nada e se apaixona, mas não deixa de viver a vida familiar como a filha mais velha, companheira do pai durante a mudança, da mãe nas compras e da irmãzinha caçula nas brincadeiras mais infantis.

Qualquer história que envolva a identidade sexual e de gênero pode despertar preconceitos e ser encarada de maneira negativa ou pouca amigável pela maioria, mas a diretora francesa Céline Sciamma (Lírios D’Água) a conta de uma maneira tão sutil e envolvente que não há espaço para qualquer tipo de pré-julgamento.

O roteiro simples não perde tempo com floreios e explicações e acompanha as descobertas do grupo de crianças à medida em que elas acontecem, sempre de maneira natural, sem muita interferência de trilha sonora e com uma fotografia inspirada de Crystel Fournier (A Criança da Meia-Noite), transformando os espectadores em observadores curiosos e completamente envolvidos com cada um dos personagens em tela.

A liberdade experimentada por todos os pequenos, deixados à vontade por Sciamma, também pode ser sentida na dinâmica familiar criada entre Sophie Cattani (Feliz Que Minha Mãe Esteja Viva) e Mathieu Demy (A Garota do Trem), os pais; Zoé Héran, a jovem Laure, e Malonn Lévana, a irmã caçula e dona do papel mais delicioso de todo o filme, presença constante em todos os momentos da vida da primogênita.

Entre pequenos momentos de tensão, logo solucionados, e beleza, a história de Tomboy vai se construindo e caminha rumo ao mais grave dos problemas: aquilo que vemos ser construído é uma mentira, que, cedo ou tarde, precisa ser enfrentada.

Um Grande Momento

Jeanne, depois da visita de Lisa.

Poster de Tomboy

Ver Tomboy no Telecine

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo
Fechar