Crítica | Streaming

Uma Invenção de Natal

Porque 2020 precisa de alguma alegria

(Jingle Jangle: A Christmas Journey, EUA, 2020)

  • Gênero: Musical
  • Direção: David E. Talbert
  • Roteiro: David E. Talbert
  • Elenco: Forest Whitaker, Keegan-Michael Key, Hugh Bonneville, Anika Noni Rose, Madalen Mills, Phylicia Rashad, Ricky Martin, Justin Cornwell, Sharon Rose, Lisa Davina Phillip, Kieron L. Dyer, Miles Barrow, Diaana Babnicova
  • Duração: 122 minutos
  • Nota:

Esse ano o Natal chega com um gosto diferente, talvez pelo próprio ano atípico que ainda não acabou. Aliás, será que existiu? Aparentemente, não. Mesmo assim, a data tem sua estética única, que sempre se repete em árvores de natal, campanhas solidárias e também em centenas filmes que trazem velhas temáticas e boas intenções. Apesar de ainda faltar um pouco mais de um até lá, a Netflix traz a seus assinantes Uma Invenção de Natal, escrito e dirigido por David E. Talbert como uma ótima opção para assistir com a família. O musical é divertido e seu enredo consegue envolver o espectador, principalmente as crianças.

Se, afinal de contas, são mesmo elas as protagonistas nesta época do ano, é natural que boa parte dos filmes e de tudo que é produzido para o cinema e a televisão tenha a um toque infantil. Porém, Uma Invenção de Natal não entretém somente os pequeninos, como também conversa com os grandinhos que já imaginaram um mundo mais divertido. Esse diálogo é visível e está personalizado em Jeronicus (Forest Whitaker), inventor de brinquedos que acaba por viver questões de saúde mental e constituição familiar. Vários desses debates se fazem presentes em grande parte do filme, que ainda assim estabelece uma atmosfera lúdica e divertida.

Uma Invenção de Natal

O filme conta a história de um famoso inventor de brinquedos que tem todos os seus projetos roubados por seu aprendiz e ele simplesmente não consegue mais produzir nada. Assim começa a viver uma vida solitária e torna-se uma pessoa amargurada e . Até que, com a chegada de sua neta, tenta reencontrar suas habilidades e sua magia.

As músicas do longa, compostas por John Debney, sempre são performadas em grandes coreografias e números espetaculares, grande parte da qualidade dessas cenas está nos atores que não decepcionam no vocal. É nítida a grande influência de estilos como o R&B, Hip Hop, e até o Jazz, isso traz uma identidade bem única ao filme. O que também chama bastante atenção são os figurinos, principalmente quando em ação, rodopiando pelo quadro e gerando composições muito belas.

Uma Invenção de Natal

Leve e espirituoso, o longa é uma aventura que vale o tempo em família para cantar e dançar. Deixando as crianças e os adultos alegres, a mistura das animações com o universo de contação de histórias fazem do musical uma grande experiência natalina. Talvez esse natal não seja tão feliz quanto os que já foram, mas nada que um bom filme natalino não dê conta de apaziguar, e Uma Invenção de Natal é perfeito para isso!

Um grande momento
Apresentando o brinquedo novo

Ver “Uma Invenção de Natal” na Netflix

Rodrigo Strieder

Quase publicitário, nerd, viciado em ficção científica, jogos e cinema, foi o primeiro participante do projeto Crítico Mirim do Cenas de Cinema. Depois de participar como jurado de festivais, arriscou suas primeiras linhas e segue até hoje escrevendo.
Botão Voltar ao topo