Crítica | Streaming

Velozes & Furiosos: Hobbs & Shaw

(Fast & Furious Presents: Hobbs & Shaw, EUA, 2019)
Ação
Direção: David Leitch
Elenco: Dwayne Johnson, Jason Statham, Idris Elba, Vanessa Kirby, Helen Mirren, Eiza González, Eddie Marsan, Eliana Sua, Cliff Curtis, Lori Pelenise Tuisano, John Tui, Joshua Mauga
Roteiro: Chris Morgan, Drew Pearce
Duração: 137 min.
Nota: 7 ★★★★★★★☆☆☆

Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw

Carros, explosões, pirotecnia com muitos efeitos especiais e um trabalho impecável de dublês. Uma mulher bonita. Uma não, algumas. E dois dos astros mais fortões e carismáticos. Eis a receita para um filme de ação bem sucedido não?

David Leitch é o Michael Bay do momento (talvez até com um pouco mais de tino do que o conterrâneo famoso por filmes como a franquia Transformers) e combina o talento como coordenador de dublês com anos de estrada com a visão do que o mercado deseja hoje – porradaria com substância. Ele, que iniciou a carreira como diretor de cinema com John Wick – ou o filme que ressuscitou a carreira de Keanu Reeves o transformando numa versão mais cool do Charles Bronson em Desejo de Matar –, agora traz sua marca para a incensada franquia Velozes e Furiosos.

Velozes & Furiosos: Hobbs & Shaw (2019)

Funcionando como uma espécie de spin-off da saga original, já que não acompanha Dominic Toretto (Vin Diesel) e seus ‘parça’, mas sim o antigo antagonista Ian Deckard Shaw (Jason Statham) e o mocinho Luke Hobbs (Dwayne Johnson, o The Rock), que precisam superar as desavenças e trabalhar juntos para salvar o mundo ameaçado por uma corporação maligna. Até aí, nada de novo no front e nem ao longo dos 130 minutos do filme. Porém, é um entretenimento de qualidade apoiado no carisma de The Rock, nas habilidades em artes marciais de Statham e em dois atores coadjuvantes sublimes: Idris Elba e Vanessa Kirby.

Brixton (Elba) é a pedra no sapato Armani de Shaw, um vilão sim, sem muita densidade mas cheio de tormento e vontade de completar sua vingança. Ele persegue a dupla de fortões e a agente do MI-6 Hattie Shaw (Kirby), irmã – e não esposa, credo – de Deckard. Vanessa, famosa por ter interpretado a irmã da Rainha Elizabeth em The Crown, a espevitada princesa Margaret, prova mesmo em um papel limitado que é uma estrela. Daria para assistir facilmente a ela em uma franquia de espionagem como Atômica – também de Leitch – que poderia ser tão bom mas é misoginamente raso e vergonhoso.

Velozes & Furiosos: Hobbs & Shaw (2019)

A história desse Velozes & Furiosos: Hobbs & Shawn não tem a complexidade ou, para alguns, o nível de elaborada porralouquice de Missão Impossível (sendo, cá entre nós, o sexto filme da franquia estrelada por Tom Cruise talvez o melhor filme do gênero em muitos anos), mas dá pro gasto. Especialmente quando rolam as piadinhas entre The Rock e Statham ou quando o grandalhão se dobra perante a majestade da espiã, com quem tem ótima química. E a sequência final desse filme – que já aponta para uma continuação – é muito divertida, colocando The Rock mais uma vez em contato com a cultura samoana (a mãe dele nasceu no país que fica na Polinésia, Oceania) a exemplo do que ocorreu em Moana, rendendo momentos muito fofos.

Velozes & Furiosos: Hobbs & Shaw (2019)

Em tempos tão bicudos, o cérebro agradece quando ligamos a TV, vamos até o Telecine Play e assistimos a um filme como esse, sem grandes pretensões artísticas mas que cumpre o seu papel com louvor. E que venham mais aventuras de Hobbs, Shaw e – assim espero –, Hattie.

Um Grande Momento:
A ligação de pai e filha com ruídos ao fundo.

Links

IMDb

Assistir no Telecine

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo