festivaisFestival do Rio

A Febre

(A Febre, BRA, 2019)
Drama
Direção: Maya Da-Rin
Elenco: Regis Myrupu, Rosa Peixoto, Suzy Lopes, Lourinelson Vladmir
Roteiro: Pedro Cesarino, Maya Da-Rin, Miguel Seabra Lopes
Duração: 98 min.
Nota: 8 ★★★★★★★★☆☆

O que define um indígena? Sua língua, suas roupas, sua música, sua dança, o ambiente em que vive? Em A Febre é o tempo que define e distingue um indígena nascido na tribo das pessoas criadas em ambiente urbano.

O filme de Maya Da-Rin traduz com perfeição e delicadeza a questão do tempo. Justino (Regis Myrupu), o protagonista, é um índio vivendo há 20 anos, em Manaus. Ele trabalha como segurança em um porto e se esforça, apesar do longo período na cidade, para se adaptar à rotina, aos costumes e às prioridades da metrópole.

Os filhos de Justino, já nascidos em meio urbano, não demonstram e, em certa medida, não entendem a dificuldade do pai de se adaptar de forma completa. Vanessa (Rosa Peixoto), a filha que mora com Justino, recém-viúvo, acabou de passar no vestibular de medicina para Universidade de Brasília e vive o dilema de partir ou ficar para acompanhar o pai, que diariamente é acometido por uma febre sem causa.

Justino só está totalmente à vontade quando recebe a visita de seu irmão e de sua cunhada, que insistem que ele volte para tribo para tratar sua febre com o pajé. Eles se entendem no olhar e compartilham memórias que os mais jovens jamais alcançarão, por mais que eles se esforcem em reportar com detalhes.

A película nos confronta com preconceitos, com choques de cultura tanto sociais, quanto etárias, e com o sentimento de inadequação, não pertencimento. Para Justino o tempo passa com outro ritmo, não compreendido por seus filhos, por seu trabalho, pelos médicos que o atendem. A vida deveria ter outro propósito, as funções não fazem sentido e tudo parece estar desconectado.

A sensibilidade e a profundidade com que é tratada a questão indígena emociona e nos coloca durante um pouco mais de uma hora no tempo de Justino, nos forçando a ver a realidade pelos olhos de outra cultura.

Um Grande Momento:
“Eles não sabem ler sonhos!”

Links

IMDb

[52º Festival de Brasília]

Fabiana Derzié

Fabiana Derzié é uma mãe jornalista tentando levar mais gentileza, beleza e amor ao mundo por meio da educação de seus pequenos. Apaixonada por arte e tudo que a envolve, se arrisca em poesias, textos existenciais, artesanatos, costura, pintura e o que mais possa permitir a expressão do que não é possível verbalizar. Voltando a cultivar sua paixão antiga pelo cinema escrevendo, escrevendo e escrevendo...
Botão Voltar ao topo
Fechar