Crítica | StreamingMostra SPnotas

A Memória que me Contam

(A Memória que me Contam, BRA, 2012)
Nota  
  • Gênero: Drama
  • Direção: Lúcia Murat
  • Roteiro: Lúcia Murat, Tatiana Salem Levy
  • Elenco: Irene Ravache, Simone Spoladore, Franco Nero, Otávio Augusto, Zecarlos Machado, Fernando Bezerra, Natália Lorda, Babu Santana
  • Duração: 95 minutos

Lúcia Murat (Que Bom Te Ver Viva) é uma cineasta que foi presa e torturada no período da ditadura militar, e não é novidade o quanto esta experiência tem papel determinante em sua filmografia. Em A Memória que me Contam ela nos apresenta a um grupo de amigos que resistiu à ditadura e agora está reunido pela iminência da morte de um deles.

A pretensão do longa não é mergulhar nos acontecimentos históricos, mas contar a relação do grupo com a companheira Ana, que parece ser a cola que ainda os une. Através da lembrança desta história de amor e amizade, percebemos também o quanto a ditadura ainda influencia a vida de cada um deles.

A Memória que me Contam

Inspirado em amigos da própria diretora, o filme tem um tom autobiográfico e é dedicado a Vera Silvia Magalhães, um ícone da resistência. A Memória que me Contam tem méritos pelas boas atuações e, principalmente, pela forma como esta “memória” é reativada nos personagens. Passado e presente dialogam na tentativa de se manter viva a lembrança de alguém que mais do que amiga, transformou-se na própria representação dos ideais deste grupo.

Apoie o Cenas

A Memória que me Contam é um filme morno, sem grandes passagens, mas nem por isto deixa de ser bom. Vale a pena conferi-lo principalmente pela atuação sempre competente de Irene Ravache, pela delicadeza da diretora ao retratar os laços entre os personagens.

Um Grande Momento
A última cena entre Irene e Ana

[36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo]

Mila Ramos

“Soteropaulistana”, publicitária, amante das artes, tecnologia e sorvete de chocolate. O amor pela Sétima Arte nasceu ainda criança, quando o seu pai a convidava para assistir ao Corujão nas noites insones. Apaixona-se todos os dias e acredita que o cinema é capaz de nos transportar a lugares nunca antes visitados. Escreve também no Cartões de viagens imaginárias.
Botão Voltar ao topo