Crítica | Outras metragens

#BlueBoar

Digital influencer em Salem

(#BlueBoar, EUA, 2020)

  • Gênero: Ficção
  • Direção: Alice Winslow
  • Roteiro: Alice Winslow
  • Elenco: Alice Winslow
  • Duração: 6 minutos
  • Nota:

Assitir a #BlueBoar nos dias de hoje é engraçado. O isolamento e a comunicação por telas muda o conceito estabelecido para as redes sociais. Da generalização do contato e da exposição em outros tipos de mídias. É uma percepção que surge com o curta de Alice Winslow, mas o filme vai além disso. Sozinho, ele traz temas, discute contextos e constrói sua realidade.

A primeira coisa que se destaca na tela é a incongruência. Na Salem de 1693, auge da caça às bruxas, Sarah Winsley é uma celebridade da web. Em seu canal conversa com suas seguidoras, dando dicas de culinária, preces ideias e dá as últimas notícias sobre enforcamentos no local. Em seu monólogo, Winslow, que dirige, roteiriza e protagoniza o filme, faz uma mistura interessante de épocas.

#BlueBoar

#BlueBoar tem certeza que menos é mais e aproveita a linguagem do aplicativo destacado para se realizar basicamente em um espaço. Alterações e o dinamismo vêm com a atuação, por vezes exagerada, e inserções divertidas e prontamente identificáveis. O texto também é bom em sua transformação de passado e presente, em seu trabalho imaginativo de uma história que jamais aconteceria.

Em tela, o desconhecer-se, as incertezas e a influência da imagem exterior. Sarah quer manter longe aquilo que quer experimentar, quer ao mesmo tempo viver e não viver uma outra liberdade. Quando conta a história que dá nome ao curta, de uma mulher que supostamente transformava-se em um javali azul (história realmente documentada nos julgamentos de Salem), se deixa ir, mas volta atrás.

De um jeito ou de outro, Sarah é uma prisioneira do padrão, uma mulher que está seguindo aquilo que dela se espera, mas que se sente tentada a ter outra vida. Tentação que mandou, naquele lugar e tempo, mais de 200 pessoas a julgamento e matou dezenas de mulheres. Sabemos que Salem não está tão longe e é isso que fica de #BlueBoar.

Mas não esqueça de se inscrever no canal se gostar do vídeo.

Um grande momento
Mary Bradbury é uma bruxa!

[Nightstream Festival]

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo