Crítica | Streaming

De Volta para Casa

Regresso a si

( Tornare, ITA, 2019)
Nota  
  • Gênero: Suspense
  • Direção: Cristina Comencini
  • Roteiro: Giulia Calenda, Cristina Comencini
  • Elenco: Giovanna Mezzogiorno, Vincenzo Amato, Beatrice Grannò, Clelia Rossi Marcelli, Marco Valerio Montesano, Trevor White, Astrid Meloni, Barbara Ronchi
  • Duração: 107 minutos

Tornare, em português retornar. A palavra que batiza originalmente De Volta para Casa, estrela do Cineclube Italiano do Belas Artes à La Carte entre os próximos 4 a 10 de junho, é precisa para tratar não apenas da superfície do longa de Cristina Comencini, mas principalmente do que está fora do alcance da sinopse, e adentra o campo memorial que sustenta a narrativa. Esse retorno primordial não têm ligação com o que movimento de volta que a protagonista faz ao que é material, mas essencialmente o jogo da memória literal que ela irá viver após a morte do pai e consequente necessidade de reencontrar suas raízes, soterradas e ocupadas pelo vazio.

Não é o primeiro acerto de contas com o passado através das rememorações da juventude e infância que o cinema proporciona, mas a delicadeza e a propriedade com que cada camada se revela tem um diferencial, promovido pela textura alcançada. Não chega a ser uma estrutura inovadora, mas o recorte espacial proposto pela cineasta, a forma como a câmera adentra cenários e locações, a verdade com que filma suas reverberações na pele de Giovanna Mezzogiorno é a chave para construir uma produção que não diz nada novo, mas tudo é dito como se aquele espaço pertencesse a indivíduos, e não ao cinema.

De Volta para Casa (2019)

Alice literalmente passeia pelas suas memórias de maneira natural, com um grau de interação gradual, até começar a confundir o hoje e o ontem entre o falar e o ouvir, indiscriminadamente. Ao adentrar a casa que abrigou seus símbolos juvenis, de liberdade e de violência, de destemor e de trauma, se confundem nesse reencontro da protagonista com suas origens, que provavelmente não era ansiado, mas com toda certeza era preponderante para desatar doloridos nós. A naturalidade com que Cristina situa a espinha dorsal de seu projeto em cena é tão evidente que nos colocamos imediatamente no lugar daquela mulher, a decifrar os sons, músicas e imagens da nossa própria história.

Nos primeiros acordes de “Don’t Worry Baby”, daqueles clássicos eternos dos Beach Boys, o filme se descola do naturalismo que poderia acessar com facilidade e entra na seara do onírico, sempre refletindo as possibilidades do passado com as impossibilidades do presente, e o que se perdeu entre uma coisa e outra. Cristina constrói então um conjunto de imagens plasticamente sedutoras, mas que também revestem a produção com seus significados narrativos, como o espelho que transparece duas idades diferentes, e onde a prioridade é do que foi destruído pelo tempo. A forma como sua mente vai rememorando o passado, e jogando luz em acontecimentos esquecidos, é ao mesmo tempo muito poética, muito eficaz e também nada exótica.

De Volta para Casa (2019)

Vindo de uma escola do melodrama, Cristina teve seu Segredos do Coração indicado ao Oscar de filme internacional há 15 anos atrás, e evoluiu muito no tratamento dessa sua base cinematográfica. De Volta para Casa não ambiciona um lugar de requinte narrativo inalcançável, mas sua cineasta consegue aqui apresentar a evolução com que percorreu o cinema ao longo de uma carreira bem sucedida. Sem abdicar das origens nem parecer arrogante, seu novo filme aproxima públicos distintos para um diálogo entre o vulgar e o discreto e fala de como o machismo produz violência explícita, mas também implícita, e ambas matam igualmente – quando não literalmente.

O roteiro de Cristina em parceria com Giulia Calenda verbaliza em demasia suas questões, colocando muitas vezes os personagens para “confessar” para Alice questões que imageticamente foram resolvidas. Esse excesso de informação, que traduz algumas das sutilezas do projeto, diminui seu valor cinematográfico, já que o roteiro parece não confiar no espectador tanto quanto deveria, mas o seu trabalho como diretora apara arestas que poderiam soar menos verbais. Com um trabalho de montagem bem dinâmico, e a ajuda da fotógrafa Daria D’Antonio a iluminar seu filme com perfeição, o filme consegue equilibrar seus anjos e demônios internos, assim como a protagonista.

De Volta para Casa (2019)

Uma atriz experiente e muito especial, Giovanna (de Vincere) aparece aqui mergulhada em uma ebulição de sentimentos, e prova mais uma vez ser a grande intérprete que conhecemos, arrebatando em seus silêncios e na forma como escolhe interagir consigo mesma, tarefa praticamente do filme inteiro. Esse encontro entre três mulheres que são a mesma, é, nas mãos da diretora e de suas atrizes, um mote ideal para mostrar que os assédios (moral e sexual) produzem muito mais feminicídio do que imaginamos, por termos uma legião de mulheres destruídas e mortas em vida pelo passado. Cristina, com sua obra, mostra que, muitas vezes, o primeiro ato de sororidade precisa partir com o perdão e a ajuda a si mesma.

Um grande momento
A festa

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.
Botão Voltar ao topo