Crítica | Streaming

Encaixe Perfeito

Sapato velho

(A Perfect Fit, INA, 2021)
Nota  
  • Gênero: Romance
  • Direção: Hadrah Daeng Ratu
  • Roteiro: Garin Nugroho, Hadrah Daeng Ratu
  • Elenco: Nadya Arina, Refal Hady, Giorgino Abraham, Laura Theux, Anggika Bolsterli, Ayu Laksmi, Yayu A.W. Unru, Otig Pakis
  • Duração: 112 minutos

Continuando a sua diversificação de produções internacionais, vem da Indonésia o novo romance da Netflix. Em Encaixe Perfeito não há nada que não tenha sido visto milhares de vezes com casais diferentes: o encontro casual, com um quê de mágico, que tumultua a vida toda. Aqui, eles são Saski e Rio, uma jovem blogueira de moda e um sapateiro. O roteiro segue a receita tradicional do gênero, daquelas mais básicas, mas adiciona um tempero regional, com citações e detalhes próprios da cultura dos costumes locais.

A mocinha, Saski, faz editoriais de moda e acompanha desfiles, enquanto está perdida em uma relação abusiva com o arrogante e mimado noivo Deni. O mocinho, Rio, está abrindo sua sapataria, apoia pequenos artesãos e também vai ver surgir em seu caminho o seu oposto, Tiara. Os personagens são bem marcados, para que não haja dúvida sobre de que lado devem estão e com quem devem ficar. Mas só isso não é o bastante, tem também o destino, com jogo de cartas, vidente e feitiço para ajudar a ver que o futuro está diante dos seus olhos. 

Encaixe Perfeito
RAMJANEO CHERY PASOPATI/NETFLIX

Com um roteiro que se apressa para fazer com que muita coisa — muita coisa mesmo — caiba nos primeiros minutos do filme, Encaixe Perfeito se enrola no ritmo e acaba tendo tempo demais para chegar onde deveria, o que poderia levar a mais clipes, mais momentos do casal, mas leva a pausas e repetições desnecessárias. Mas não deixa de ser interessante entrar em contato com os costumes locais, ainda que muito superficialmente, como alguns rituais de limpeza e purificação, cerimônias pré-nupciais, crenças de compatibilidade de casais e a luta na lama, esta aqui de maneira muito forçada, diga-se de passagem.

O desenvolvimento da trama é facilitado e o modo como os eventos se dão. Falta resistência e sobra facilidade. Ao contrário  dos diálogos do longa que pecam pela vontade de ser muito elaborados e querer reafirmar um conteúdo que na verdade inexiste. Não há uma única conversa em que não haja frases de efeito, ensinamentos ou ditados e a citação a sapatos como metáfora parece ter um tempo certo para acontecer. Quando não é dita, é vista, como quando o artesão entrega os sapatos para o casamento.

Encaixe Perfeito
RAMJANEO CHERY PASOPATI/NETFLIX

A sorte de Encaixe Perfeito é que, independentemente de sua configuração, sua história não precisa de muito para ser acompanhada, é algo que sempre angariou público e assim continuará fazendo ao longo dos tempos. Hadrah Daeng Ratu sabe colocar tudo no lugar certo para trazer o espectador a este lugar de identificação com o romance ideal entre a menina e menino que “nasceram um para o outro”. A diretora enche o público de informações e marca o encontro do casal no plano e contraplano com o fundo com as luzes desfocadas, depois coloca na chuva completamente apaixonados. Tudo calculado, mas muito funcional.

Encaixe Perfeito é bastante óbvio, mas sobrevive bem em sua obviedade para quem resolver abaixar os níveis de exigência e dedicar-se a uma trama como as muitas produzidas em massa. Entre os contras, o machismo característico do gênero e essa irregularidade embalada por uma trilha que não pára nunca. Entre os prós,muitas paisagens bonitas, alguns personagens simpáticos e a história que ninguém se importa em ver mais uma vez. 

Um grande momento
O beijo

RAMJANEO CHERY PASOPATI/NETFLIX

Curte as críticas do Cenas? Apoie o site!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo