Crítica | Outras metragens

Entre Nós e o Mundo

(Entre Nós e o Mundo, BRA, 2019)
Nota  
  • Gênero: Documentário
  • Direção: Fabio Rodrigo
  • Roteiro: Fabio Rodrigo
  • Duração: 17 minutos

Fábio Rodrigo, aguerrido cineasta que se debruça sobre a realidade das periferias da maior cidade do Brasil é nome costumeiro em Gramado. Com Caroline Neves, ele já foi premiado na edição de 2018 do festival pelo filme que dirigiram juntos, Lúcida, eleito o melhor curta-metragem brasileiro. No ano seguinte o cineasta levaria o prêmio de melhor diretor pelo curta Kairo.

O trabalho de construção narrativa e diegética presente em Entre Nós e o Mundo impressiona; tanto pela condução de Fábio Rodrigo de um drama frequente no país como a utilização da dramaturgia para apresentar seus personagens, entrecortada por relatos documentais. A costura é caprichosa, também mérito da montagem de Caroline Neves que utiliza fotografias, áudios e músicas (como “If I Ain’t Got You” de Alicia Keys) para acentuar o tom pessoal.

“Que menor favelado nunca sonhou em mudar sua vida?”

Apoie o Cenas

Erika mora na Vila Ede, Zona norte de São Paulo. Mãe de três filhos, um deles, Theylor, de 16 anos, tirado de si. Como tantas e mais numerosas mães de filhos mortos por policiais, ela sobrevive porque precisa cuidar do outro filho adolescente, Guilherme e daquela que traz na barriga. Fábio Rodrigo traça uma linha temporal onde fábula sobre a possibilidade dos meninos da favela terem uma vida diferente – num prólogo comovente que inclusive se conecta com o encerramento do filme por meio de uma elipse – e depois acompanha alguns momentos de Erika.

A criança nasce e se chama Alicia, escolha de Theylor para “ela ter nome de artista”. Tem a festinha de batizado, tem a vida tentando seguir mesmo que tudo aponte para a direção oposta… Erika sorri e vai equilibrando sua rotina entre encontros mais descontraídos com as amigas e conversas na mesa durante as refeições com o filho sobrevivente, expondo seu receio: “quando te abordarem na rua deixa te darem sacode, não fala nada. Depois vão te liberar”.

Alicia dorme tranquila no berço, Erika pondera se busca justiça ou deixa cair no esquecimento para preservar a própria vida e da família. Um amigo está juntando provas para ajudar no processo. Um vídeo enviado pelo WhatsApp solta aquela dor guardada no fundo.

Entre Nós e O Mundo não choca pelo contraste entre a violência e o abandono sofrido pelas pessoas à margem da sociedade, que todo dia tentam sobreviver e não ser alvos mas comove pela fricção que provoca, retratando vidas que são atravessadas num país que, ancorado na nefasta ideia de democracia racial, permite um genocídio diário nas suas periferias.

Apesar de ter sido produzido no mesmo ano que Entre Nós e o Mundo, o curta Uma Canção para Latasha de Sophia Nahli Allison (que concorreu ao Oscar 2021) explora a metalinguagem no relato do assassinato de uma adolescente negra. Fábio Rodrigo fica mais condicionado a expor a dor lacunar e o receio que cerca periférica a partir da figura de Erika, o que também funciona bem por mais que não resulte numa construção tão poética.

Porque a crueza da morte, o desalento em não saber se o outro filho adolescente estará a salvo do plano sistemático de extermínio da juventude negra é a tônica de Entre Nós e o Mundo. Erika expressa em cada olhar, em casa tentativa de manter uma normalidade estranha, a resistência. Ela olha a filha recém nascida no berço e só pode pedir que a visa siga. Que os moleques possam brincar nas ruas, crescer e não ter as vidas interrompidas.

O filme é dedicado a memória de Theylor Andrade que levou um tiro de um policial em plena luz do dia, quando estava na praça com os amigos. Ele só tinha 16 anos.

Um grande momento
Amigo Fabinho conhece a bebê Alicia

[49º Festival de Cinema de Gramado]

Curte as coberturas do Cenas? Apoie o site!

Lorenna Montenegro

Lorenna Montenegro é crítica de cinema, roteirista, jornalista cultural e produtora de conteúdo. É uma Elvira, o Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e membro da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Cursou Produção Audiovisual e ministra oficinas e cursos sobre crítica, história e estética do cinema.
Botão Voltar ao topo