Crítica | FestivalFestival de Brasília

Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano

(Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano, BRA, 2009)

Depois de onze anos de muito trabalho, o diretor Henrique Dantas, exibiu ontem pela primeira vez para o público seu documentário Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano, sobre o grupo musical Novos Baianos.

Entre depoimentos dos integrantes e de personalidades musicais, imagens antigas e trechos de um documentário feito para tv alemã nos anos 70, conhecemos a história do grupo, desde sua criação até seu término.

A aventura dos baianos tentando alcançar o sucesso, depois da Tropicália e nos difíceis anos da ditura militar, é contagiante e encontra muito de sua força na influência de João Gilberto na percepção musical e no modo de fazer música dos então meninos.

Sem depoimento do pai da bossa-nova, cabe a Tom Zé explicar, a sua maneira, o que significou tudo aquilo para a música. Com seu jeito todo especial (e apropriado) de entender a música, ele fala do que João e os Novos Baianos representam para a Música Popular Brasileira.

Além do que é dito, o filme tem um desenvolvimento regular e consegue criar um vínculo com os que o assistem, principalmente por seu humor. Talvez aposte demais em imagens de ligação que não são tão necessárias assim, mas nada que prejudique o resultado final.

Vendo todos os integrantes darem os seus depoimentos, impossível não perceber a ausência de Baby do Brasil, a representante feminina do grupo. Nos créditos finais, o letreiro avisa que ela não autorizou o uso de suas imagens.

Quando perguntado, no debate após o filme, Henrique Dantas afirmou que o material gravado com ela era fantástico, mas como não houve acordo, teve que ficar de fora do filme. O acordo envolveria um pagamento de cachê.

Pior para ela, que ficou de fora de um delicioso documento da nossa música que, além de toda a força musical, demonstra um modo de viver a vida completamente diferente e faz, de certo modo, o retrato de uma geração.

Um Grande Momento

Qualquer um que tenha o Tom Zé.

 

Prêmios e indicações (as categorias premiadas estão em negrito)

Festival de Brasília
: Filme

Documentário
Direção: Henrique Dantas
Roteiro: Henrique Dantas, Bau Carvalho
Duração: 75 min.
Minha nota: 6/10

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

3 Comentários

  1. Acompanhei aqui na Bahia as discussões sobre a tentativa de Henrique em negociar com Baby sua participação no filme. Foi quase o ano todo vendo isso. Uma pena mesmo. Que bom que o filme ficou bem feito, quero muito ver.

Botão Voltar ao topo