Top, top, top uh!

Filmes para ter vergonha de se dizer fascista

De uns tempos para cá, parece que virou moda as pessoas falarem que são fascistas. Por mais absurda que seja essa frase, é uma constatação que veio com os novos tempos. Além da óbvia manipulação e da exaustiva propaganda de ódio e discriminação, só uma coisa pode explicar esse movimento rumo ao desumano: a falta de cultura. Pessoas que seguem uma filosofia fascista de exclusão e extermínio, supremacista, só podem não ter prestado atenção nas aulas da escola, nos livros de história e em toda uma gama de material produzido em diversas áreas do conhecimento e nas mais variadas artes. 

Entre elas, está o audiovisual, que produziu retratos de todos os ângulos do horror nazi-fascista. Uma história que quer ser apagada e reescrita por Bannon, um novo e informatizado Goebbels, com sua propaganda agora de alcance mundial. Num mundo individualista e de preconceitos expostos, ele encontrou um espaço entre os indecisos e aqueles que não estão prestando atenção, e plantou sua semente.

Ainda sob o choque dos últimos dias e diante de tantas declarações antissemitas, racistas, LGBTfóbicas que proliferaram nas redes sociais do país, o Cenas resolveu fazer uma listinha de filmes para que essas pessoas pensem duas vezes antes de se declararem fascistas. Se informem, conheçam e parem que tá feio!

Para não ser fascista: O Grande Ditador, de Charles Chaplin

O Grande Ditador (The Great Dictator, 1940), de Charles Chaplin

Para não ser fascista: O Julgamento de Nuremberg, de Stanley Kramer

O Julgamento de Nuremberg (Judgment at Nuremberg, 1961), de Stanley Kramer

Para não ser fascista: Z, de Costa-Gravas

Z (1969), de Costa-Gravas

Para não ser fascista: O Conformista, de Bernardo Bertolucci

O Conformista (Il conformista, 1970), de Bernardo Bertolucci

Salò ou os 120 Dias de Sodoma (Salò o le 120 giornate di Sodoma, 1975), de Pier Paolo Pasolini

Salò ou os 120 Dias de Sodoma (Salò o le 120 giornate di Sodoma, 1975), de Pier Paolo Pasolini

Um Dia Muito Especial (Una giornata particolare, 1977), de Ettore Scola

Um Dia Muito Especial (Una giornata particolare, 1977), de Ettore Scola

Contra o fascismo: Pink Floyd: The Wall

Pink Floyd: The Wall (1982), de Alan Parker

Contra o fascismo: Shoah, de Claude Lanzmann

Shoah (1985), de Claude Lanzmann

Contra o fascismo: Vá e Veja, de Elem Klimov

Vá e Veja (Idi i smotri, 1985), de Elem Klimov

A Lista de Schindler (Schindler’s List, 1993), de Steven Spielberg

A Lista de Schindler (Schindler’s List, 1993), de Steven Spielberg

Contra o fascismo: A Outra História Americana, de Tony Kaye

A Outra História Americana (American History X, 1998), de Tony Kaye

Contra o fascismo: O Aprendiz, de Bryan Singer

O Aprendiz (Apt Pupil, 1998), de Bryan Singer

Tolerância Zero (The Believer, 2001), de Henry Bean

Tolerância Zero (The Believer, 2001), de Henry Bean

V de Vingança (V for Vendetta, 2005), de James McTeigue

V de Vingança (V for Vendetta, 2005), de James McTeigue

O Labirinto do Fauno (El laberinto del fauno, 2006), de Guillermo del Toro

O Labirinto do Fauno (El laberinto del fauno, 2006), de Guillermo del Toro

Steel Toes (2007), de Mark Adam e David Gow

Contra o fascismo: A Onda, de Dennis Gansel

A Onda (Die Welle, 2008), de Dennis Gansel

Para não ser fascista: A Fita Branca, de Michael Haneke

A Fita Branca (Das weiße Band – Eine deutsche Kindergeschichte, 2009), de Michael Haneke

Para não ser fascista: Hannah Arendt, de Margarethe von Trotta

Hannah Arendt – Histórias Que Chocaram o Mundo (Hannah Arendt, 2012), de Margarethe von Trotta

Expresso do Amanhã (Snowpiercer, 2018), de Bong Joon Ho

Expresso do Amanhã (Snowpiercer, 2013), de Bong Joon Ho

Para não ser fascista: Ele Está de Volta (Er ist wieder da, 2015), de David Wnendt

Ele Está de Volta (Er ist wieder da, 2015), de David Wnendt

Sala Verde (Green Room, 2015), de Jeremy Saulnier

Sala Verde (Green Room, 2015), de Jeremy Saulnier

Para não ser fascista: Menino 23, de Belisário Franca

Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil (2016), de Belisario Franca

Para não ser fascista: A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann

A Valsa de Waldheim (Waldheims Walzer, 2018), de Ruth Beckermann

Para não ser fascista: Eu Não Meu Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude

Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros (Îmi este indiferent daca în istorie vom intra ca barbari, 2018), de Radu Jude

Infiltrado na Klan (BlacKKKlansman, 2018), de Spike Lee

Infiltrado na Klan (BlacKKKlansman, 2018), de Spike Lee

O Silêncio dos Outros (El silencio de otros, 2018), de Almudena Carracedo e Robert Bahar

O Silêncio dos Outros (El silencio de otros, 2018), de Almudena Carracedo e Robert Bahar

Utøya 22 de Julho: Terrorismo na Noruega (Utøya 22. juli, 2018), de Erik Poppe

Utøya 22 de Julho: Terrorismo na Noruega (Utøya 22. juli, 2018), de Erik Poppe

Para não ser fascista: Currais (2019), de Sabina Colares e David Aguiar

Currais (2019), de Sabina Colares e David Aguiar

Uma Vida Oculta (A Hidden Life, 2019), de Terrence Malick

Uma Vida Oculta (A Hidden Life, 2019), de Terrence Malick

Bônus curtas-metragens
Inside Nazi Germany (1938)
Don’t Be a Sucker (1943)

Bônus séries e minisséries
Auschwitz: The Nazis & the ‘Final Solution’ (2005-2005)
O Homem do Castelo Alto (The Man in The High Castle, 2015-2019)
O Conto da Aia (The Handmaid’s Tale, 2017-)
Hunters (2020-)

Não tenha orgulho de ser fascista!

Redação

O Cenas de Cinema é um veículo informal e divertido que tem como principal objetivo divulgar a sétima arte, com críticas, notícias, listas e matérias especiais
Botão Voltar ao topo
Fechar