Crítica | Streaming

Harry Potter e o Enigma do Príncipe

(Harry Potter and the Half-Blood Prince, GBR, EUA, 2009)

  • Gênero: Aventura, Ficção
  • Direção: David Yates
  • Roteiro: J.K. Rowling (romance), Steve Kloves
  • Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Bonnie Wright, Michael Gambon, Jim Broadbent, Julie Walters, Helena Bornham Carter, Dave Legeno, Helen McCrory, Timothy Spall, Alan Rickman, Tom Felton, Robbie Coltrane, Maggie Smith, Hero Fiennes-Tiffin, Frank Dillane, Freddie Stroma, Evanna Lynch, Matthew Lewis, Isabella Laughland, David Thewlis, Natalia Tena, Georgina Leonidas, Jessie Cave
  • Duração: 153 minutos
  • Nota:

Em muitos fãs, a ansiedade para conferir Harry Potter e o Enigma do Príncipe começou quando os créditos finais de A Ordem da Fênix começaram a subir nas telas. O sucesso do pequeno bruxo criado por J. K. Rowling, que vai virando homem para enfrentar o pior bruxo de todos os tempos, é tão grande que, além do sucesso de venda dos livros e da bilheteria dos filmes, todas as novidades sobre as adaptações para o cinema são acompanhados de perto pela televisão, revistas e sites especializados no assunto (isso mesmo, especializados em Harry Potter).

Como livro, O Enigma do Príncipe é um dos mais sombrios da série e traz perigos cada vez mais assustadores a seus protagonistas já mais velhos. Um dos maiores méritos da obra de fantasia de Rowling é justamente a competência com que a escritora conseguiu avançar na história, adequando a evolução escolar, a adolescência, o desenvolvimento e definição da personalidade de cada um dos personagens mirins. Além, é claro, de colocar as crianças para ler novamente.

Mas o Cenas é de Cinema e não é o lugar ideal para falar das qualidades e defeitos da obra da escritora britânica. O que interessa aqui, na verdade, são as adaptações, que ora funcionam, ora não têm tanta sorte assim. Do primeiro a este filme, o sexto, os resultados foram os mais variados. Do começo infantil e meio sem jeito, com atores inexperientes e vacilantes, ao filme atual, muita coisa evoluiu, e muito.

Até agora, nenhum filme da série poderia superar toda a criatividade e o bom uso de cores e referências de Alfonso Cuarón em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. A diferença estava justamente na presença de cinema de verdade por ali. Todos os outros filmes da série são muito divertidos e têm várias qualidades, mas sempre faltava alguma coisa.

Daniel Radcliffe e Emma Watson em Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Após a exibição de A Ordem do Fênix houve uma certa descrença de que se veria a quantidade de cinema do terceiro título novamente. A direção do televisivo David Yates, era pasteurizada e deslumbrada demais com as novas tecnologias, e, ao saber que ele seria o responsável pelos próximos três títulos, normal que houvesse algum desânimo.

O Enigma do Príncipe veio para mostrar que não era bem assim e assumiu, com honras, o título de melhor filme da série. Ao optar por destacar apenas uma das muitas características do livro, pesando a mão em todo o lado sombrio da história – abrindo mão da ação e usando o romance para o respiro do público -, e deixando de lado outros elementos e detalhamentos de personagens secundários, o roteiro de Steve Kloves conta uma história completa e eficiente.

A direção de Yates é muito segura e inspirada. Nunca se viu tanta arte em um filme da série. O risco assumido, com a mobilidade do cenário, os jogos de luzes, os vazios em cena e atuações fortes o bastante para, sozinhas, construírem o clima, valeu a pena.

Todo o trabalho com os enquadramentos e a duração dos planos merece elogios. A linha visual do filme, com iluminação precisa do diretor de fotografia Bruno Delbonnel (O Fabuloso Destino de Amélie Poulain e Across the Universe) evoca o fantástico e faz a diferença. Um bom exemplo está na contraposição entre os personagens de Harry e Draco, muito percebida por suas cores e sombras.

Harry Potter e o Enigma do Príncipe

O elenco está muito bem. Os atores ex-mirins Emma Watson e Rupert Grint comprovaram suas qualidades com o amadurecimento e todo o elenco de coadjuvantes exerce bem sua função. Mas o filme é mesmo de Daniel Radcliffe e Tom Felton. Pela primeira vez, o ator responsável pelo protagonista parece ter plena consciência do que está fazendo e convence. Felton, por sua vez, chama muita atenção ao transformar seu Draco Malfoy em uma pessoa realmente perturbada. Entre os professores,

Alan Rickman mais uma vez consegue se destacar ao manter as mesmas e indefinidas características de seu personagem, sendo, até aqui, o mais regular em toda a série.

Como não poderia deixar de ser, a direção de arte, com desenho de produção e cenário assinados novamente por Stuart Craig e Stephanie McMillan respectivamente, mantém a mesma linha dos filmes anteriores. O som é impressionante, apesar de perder significativamente a qualidade na versão dublada.

Alguns elementos do livro que sempre funcionam, como o sempre movimentado jogo de quadribol, não foram desperdiçados. Assim como alguns detalhes dos relacionamentos dos personagens. Fácil perceber a torcida pelo romance de Rony e Hermione ou intrigado pelas semelhanças entre Potter e Riddle.

Claro que o filme, como sempre, causou muita polêmica e desagradou alguns por ser diferente do livro. É mesmo, falta muita coisa, mas ainda assim é um filme com começo, meio, fim e sentido. E, para ter um filme com todas as informações do livro, seria preciso, pelo menos, mais duas horas e meia de duração.

A trilha sonora continua presente demais e alguns momentos mais sombrios seriam muito mais eficientes em silêncio, mas talvez o filme ficasse muito mais pesado do que o indicado para a faixa etária do público. Ainda assim, seguindo o movimento crescente de elementos assustadores, O Enigma do Príncipe tem cenas bem chocantes para os mais novos, como o feitiço em Cátia Bell ou o fim da briga de Harry e Draco no banheiro, e não deve ser visto por crianças muito pequenas.

Uma excelente surpresa para uma época em que fazer continuações e adaptações está tão batido que a criatividade e a arte já não precisam estar presentes no processo. Imperdível para os fãs do bruxo e um bom programa para aqueles que gostam de cinema também.

Ver Harry Potter e o Enigma do Príncipe no Telecine

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

15 Comentários

  1. A história do filme em si é péssima! Como foi contada o 7º filme deverá ser só pra explicar o q nao foi explicado no sexto…

    E como disse o Carlos ai encima "Só mesmo David Yates para achar que os comensais da morte entrariam em Hogwarts e não enfrentariam nenhuma resistência dos professores e aurores que estavam fazendo a proteção da escola".

    O filme deixou muito a desejas no quesito da história dele mas nos oturos temas ele foi muito bem feito! A iluminação, a trilha sonora ficou boa! Dá um ar sombrio para o filme!

    daria uma nota 5 ou 6 pelo fato q ele impossibilita muitos aspectos do 7º livro como por exemplo

  2. Concordo em parte com os leitores acima. Vi o filme somente ontem. Me deu a impressão que se trata de outro filme que não baseado no sexto livro de Rowling. Digo isso porque a essência do livro, que na minha opinião é o amdaurecimento do confronto final entre Valdemort e Potter, na batalha entre o bem e o mal, ficou muito aquém das expectativas. Como deixar de fora o final no qual ocorre uma verdadeira batalha em Hogwarts com a entrada dos comensais da morte, até o ápice da morte de Dumbledore? Só mesmo David Yates para achar que os comensais da morte entrariam em Hogwarts e não enfrentariam nenhuma resistência dos professores e aurores que estavam fazendo a proteção da escola. Em fim, o filme não é ruim, mas o livro de fato é muito melhor…

  3. Concordo plenamente. O filme é um primor. É a série se desprendendo de Hollywood e Rowling e se tornando cinema puro.

    Nota 9

    Ciao!

  4. Naum conheço a coleção de livros do Harry Potter assisto apenas como cinéfilo e os longas do Harry Potter sempre me passaram a sensação de repetição. Mas naum tenho como negar q O Enigma do Príncipe é o mais bem construído de todos.

  5. Achei o filme excelente.. A escolha de retirar as lutas decepcionou um pouco aqueles que, como eu, esperavam ver na telona os momentos de ação que imaginamos ao ler o livro. Porém, é totalmente compreensível (uma vez que o filme ficaria muito mais longo) e o resultado foi mt interessante. Por outro lado, achei desnecessária a mudança que fizeram no final em relação ao livro. Não custava nada manter a cena "mais chocante" igual à original. Quanto à biografia do Voldemort, acho que terão que explicar muitas coisas, que originalmente estão no sexto livro, no último filme.. Mas mesmo assim é o melhor filme até agora, com certeza!

  6. Eu achei o filme decepcionante. Não é ruim, mas o livro é o melhor da série na minha opinião. Não exploraram a biografia do Voldemort, que faz o público entender um pouco de onde vem tanta maldade. Achei superficial. Não exploraram múltiplas boas possibilidades. Agora algo que realmente compromete é o mal não representar uma grande ameaça, como representa quando vemos Ralph fiennes em cena nos outros filmes. Gosto da cena da garota enfeitiçada pelo colar. Enfim… É sempre bom te ler, Ciça!

  7. Um filme eclético e que mostra um grande amadurecimento da franquia. Assim pode-se resumir HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE. A qualidade técnica, aliada às excelentes atuações e um roteiro sábio e harmonioso com as cenas, fez deste o melhor filme desde HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABAN. E digo mais: este é o melhor filme do bruxinho mais famoso do mundo. O diretor foi muito esperto e genioso ao conciliar suspense, ação, aventura, magia, romance e terror num filme que tem pretensões grandiosas e caminha pra um final maestral.

    SORO: SOM; ATUAÇÕES; ROTEIRO; PRODUÇÃO; EFEITOS VISUAIS; DIREÇÂO; FOTOGRAFIA; MAQUIAGEM; FIGURINO.

    VENENO: DURAÇÃO.

    NOTA (0 a 5): 4,5
    ****

  8. Realmente, Harry Potter vem crescendo e se tornando um filme cada vez mais surpreendente. Não gostei mto dos dois primeiros, mas passei a me divertir mais a partir do terceiro. E este filme, de tudo que já li sobre ele, parece não prometer, exatamente, surpreender o expectador… mas, com certeza, promete ser o mais maduro de todos.

    E fico impressionado de como estou ficando velho! Os atores são mesmos aqueles pivetinhos do primeiro filme??? Estão grandes demais neste filme, hehehehe

    Abraços o/

  9. Oi, gente!

    Robson – O filme não é perfeito mesmo, mas para o seu gênero e por ser o sexto de uma série, mereceu um nove.

    Jessica – Oi, amiga! Saudade de você! Depois me diz o que você achou.

    Vinícius – Para mim é o melhor de todos.

    Pedro Henrique – Ah sim! Merece ser visto na telona e com som de verdade.

    Anônimo – Peca mesmo em alguns quesitos, mas tem muito mais qualidades do que defeitos.

    Cinematuto – Nossa! Se o filme for comparado ao anterior aí é que fica maravilhoso mesmo. Hehehe.

    Beijocas a todos!

  10. Apesar das dificludades e de alguns defeitos, David Yates conseguiu se recuperar e fazer um bom filme.

  11. Bem,

    Eu já vi o filme
    e ele está realmente bom…
    O filme peca em alguns quesitos,
    mas é o melhor da série.
    Tem humor (cenas hilarias)
    Cenas com ação (prenda a respiração)
    E uma surpresa…

  12. Ainda não vi, mas, como bom cinéfilo que sou, vou pegar ainda no cinema.

  13. Fico cada vez mais surpreso com a enorme quantidade de elogios que esse novo "Harry Potter" está recebendo, algo que me deixa ainda mais ansioso para conferir o longaa.

  14. Nossa, nota 9! Tenho que ir correndo assistir… deve ser "bão meixmo"!
    beijocas, amiga!

  15. Nossa, você bem mais otimista que eu…. achei que ficou faltando algo no filme, mas não o desmereço… mas pra mim ele é no máximo 8/10!

Botão Voltar ao topo