Crítica | Streaming

Imagine Eu & Você

A importância de se ver

(Imagine Me & You, GBR, ALE, 2005)
  • Gênero: Comédia, Romance
  • Direção: Ol Parker
  • Roteiro: Ol Parker
  • Elenco: Piper Perabo, Lena Headey, Matthew Goode, Celia Imrie, Anthony Head, Darren Boyd, Sue Johnston, Boo Jackson, Sharon Horgan, Eva Birthistle
  • Duração: 90 minutos

Quem gosta de comédia romântica, gosta. Há décadas reforçando o imaginário do amor romântico e, ainda hoje, seguindo os passos do que melhor criou narrativas do gênero, William Shakespeare, com seus conhecidos “Sonhos de uma Noite de Verão” ou “Muito Barulho por Nada”, o subgênero agrada com a fórmula desde que Mimi Glossop e Guy Holden se encontram naquele hotel em A Alegre Divorciada. E lá se vão mais de 90 anos, com novos personagens, algumas atualizações, contextualizações, mas a fórmula básica nunca se afasta muito da conhecida. E tem outra coisa que pouco muda, infelizmente: o padrão das comédias românticas é terrivelmente marcado pelo modelo branco e heteronormativo da nossa sociedade

A diversidade é uma palavra que praticamente não se aplica ao gênero. Não basta apenas a conotação machista que abunda nas produções, seja na própria representação da mulher — estética, econômica, psicológica, moral e sexual — ou a estereotipização de personagens, é como se apenas as histórias de um certo grupo de pessoas pudessem ser contadas, aquelas que se adequam a determinado padrão, de raça e orientação sexual. Agora imagine você passar toda a sua vida vendo — e gostando, porque isso não tem a ver com qualidade ou gosto, mas sim com identificação — filmes que nunca alcançam suas vidas, seus desejos, suas realidades. Você não conseguir se enxergar na tela de nenhuma maneira. Milhares de pessoas passam por isso.

Imagine Eu & Você
Reprodução

Mas há um vento, uma brisa ainda, de mudança que sopra nesses campos, com títulos que observam a realidade e, mesmo que mantenham o modelo narrativo, tentam melhorar. E outros que realmente se abrem a outras histórias, que trazem à tela romances e pessoas que antes eram ignoradas. Imagine Eu & Você é um desses filmes. Produção da BBC dirigida por Ol Parker, conta a história de Luce e Rachel, duas mulheres que se apaixonam à primeira vista no dia do casamento desta última, e percorrem todo o trajeto para o desfecho telegrafado, como em tantos outros filmes, na primeira troca de olhares. O longa, lançado em 2005, acabou se tornando um marco junto com os contemporâneos Livrando a Cara (2004), de Alice Wu; A Garota dos Meus Sonhos (2006), de Sue Kramer, e o juvenil D.E.B.S (2004), de Angela Robinson.

Apoie o Cenas

O roteiro, assinado pelo próprio Parker, segue o padrão das comédias británicas, dando menos atenção à corporalidade e privilegiando os diálogos, com uma queda acentuada pela ironia. O desequilíbrio de algumas das personalidades faz parte da graça, principalmente no núcleo familiar de Rachel, nas figuras de seus pais e de sua irmã temporã, mas é também o que evidencia algumas inadequações do gênero sexual com universo retratado. Sem deméritos, reconhecendo a boa intenção e descontando o fator do tempo do filme, há características, em especial no melhor amigo de Heck, Cooper, que só estão ali por Imagine Eu & Você ser um filme assinado por um homem. O cineasta ainda se atrapalha na contenção exagerada de protagonistas e de seu principal coadjuvante, o que cairia bem ao primeiro casal, reforçando a ideia de amizade repetida textualmente, esmaece a relação apaixonada das duas mulheres.

Imagine Eu & Você
Reprodução

Imagine Eu & Você também não tem uma direção muito segura — nada que surpreenda em uma estreia — e nem uma produção muito refinada. Há quebras de ritmo, má escolhas na elaboração cênica e a limitação orçamentária é bastante evidente. Parker opta por planos batidos e nem sempre conexos para as elipses e não encontra naturalidade ao inserir novos elementos. Porém, o elenco consegue resgatar o espectador. A doçura e delicadeza que Piper Perabo e Lena Headey definem para suas personagens é cativante. Seja na simpatia e paciência de Luce ou na doçura e confusão de Rachel, as atrizes conseguem fazer com que se torça por elas a cada vez que se olham. E ainda há carisma nas participações de Matthew Goode, Celia Imrie, Anthony Head e da pequena Boo Jackson.

A história de amor dessas duas pessoas, e suas famílias, que torcem tanto por elas quanto o público, toma conta do filme. E ele se torna querido, sabemos que não só por sua fofura, mas pelo que ele representou em seu lançamento e continua representando até hoje enquanto possibilidade de diversidade e reconhecimento, enquanto representação. Pelo simples fato de falar e expor o amor entre duas mulheres e tratar temas como a compreensão do desejo, ridicularizando pensamentos e discursos machistas e heteronormativos — pelo menos até onde conseguia em 2005 — tornou-se uma comédia romântica importante de ser vista. Tem várias questões técnicas e poderia ser melhor, mas o lugar de Imagine Eu & Você  na luta contra a invisibilização lésbica e bissexual é impossível negar. 

Um grande momento
O primeiro olhar

O filme Imagine Eu & Você foi escolhido pela apoiadora Enoe Lopes Pontes. Apoie o Cenas e peça o seu!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo