Crítica | Streaming

Medo da Verdade

Visto em DVD(Gone Baby Gone, EUA, 2007)

Suspense

Direção: Ben Affleck

Elenco: Casey Affleck, Michelle Monaghan, Morgan Freeman, Ed Harris, John Ashton, Amy Ryan, Amy Madigan, Titus Welliver

Roteiro: Dennis Lehane (romance), Ben Affleck, Aaron Stockard

Duração: 114 min.

Minha nota: 6/10

É certo que eu não esperava nada de Ben Affleck na direção de longas, tanto que deixei para depois. Mas, para minha surpresa, ele até não fez um papel feio. Pelo contrário demonstrou segurança e soube escolher uma boa história para a sua estréia.

Em um bairro onde todas as pessoas se conhecem, uma menina é seqüestrada e a história chama a atenção da mídia local. A polícia designa dois de seus agentes para localizá-la. A tia, achando que a ação não é suficiente, resolve contratar um detetive particular que vive de encontrar pessoas que fugiram de casa ou não pagaram suas dívidas.

Com bons atores no elenco, como Morgan Freeman, Ed Harris, e seu irmão Casey Affleck, o diretor não teve tantos problemas. A modéstia também foi fundamental para o sucesso mas, por outro lado, atrapalhou em alguns momentos.

Ben Affleck não quis fazer um filme pomposo e poderoso, como é de costume em estréias de atores estadunidenses que viram diretores. Optou por uma história que, embora seja original, tem referências em vários outros filmes semelhantes. O que, com a ajuda de John Toll na direção de fotografia, fica ainda mais fácil.

Os problemas ficam por conta de alguns atores mal dirigidos em alguns momentos, do excesso de duração em algumas cenas e da inclusão de discussões paralelas que não são tão bem aproveitadas como poderiam, como a crítica ao absurdo circo de jornalistas e fotográfos que se forma toda vez que uma desgraça acontece.

Mas, no geral, é um filme bem redondinho e consegue se manter. A boa estréia em longas, ele já dirigiu o curta I Killed My Lesbian Wife, Hung Her on a Meat Hook, and Now I Have a Three-Picture Deal at Disney, pode indicar filmes melhores no futuro, aliás Ben dirige bem melhor do que atua.

Uma boa pedida para aqueles que gostam de um filme de crime e suspense. Mas não espere uma história muito otimista. Pelo contrário! A história é triste de modo geral e trabalha com conceitos como honestidade, verdade e segurança. O filme deixa aquela sensação de impotência e frustração social.

Um Grande Momento

A decisão.



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Oscar: Atriz Coadjuvante (Amy Ryan)

Globo de Ouro: Atriz Coadjuvante (Amy Ryan)

Links

Site Oficial

Imdb

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

5 Comentários

  1. Olá, gente!

    Vinícius – O filme foi realmente subestimado e eu também gostei. A trama é ótima e a nota só não foi maior porque eu achei que algumas coisas não estavam tão bem assim, talvez no dia eu estivesse com o modo cri-cri ativado.

    Luciano – Pois é, não entendi porque esse filme não foi para os cinemas.

    Breno – Ah, não concordo não. Apesar de achar o filme bom, acho Sangue Negro, Onde os Fracos não Têm Vez e até o Assassinato muito superiores.
    Gostei muito de Amy Ryan, mas a atuação de Swinton me marcou muito mais.

    Wallace – Concordo com você e acho que para uma estréia o filme é excelente. Tem coisas que só o tempo traz para um diretor, né?

    Beijocas

  2. Medo da Verdade é um ótimo filme, uma surpreendente estréia de Ben Affleck na direção. Não é nenhum Sobre Meninos e Lobos, mas é dramaticamente poderoso, com questionamentos morais no mínimo instigantes, e com grandes desempenhos de Casey Affleck e Ed Harris.

  3. Para mim, é o segundo melhor filme lançado em 2007 nos EUA (só perde para O Assassinato de Jesse James), um bom começo para Ben que conquista a idolatria como diretor e meio que tira da mente suas fracas atuações; Nada contra Tilda Swinton, mas se fosse por mim, Amy Ryan levaria o Oscar de melhor coadjuvante.

    Beijos!!!!!

  4. Concordo com o Vinícius, Cecília. O fato desse filme ter ido direto para DVD foi ainda mais frustrante.

  5. Já eu considero “Medo da Verdade” o filme mais subestimado do ano passado, talvez pelo fato de adorar esse tipo de trama um tanto pessimista. E o final é perfeito!

Botão Voltar ao topo