Crítica | Streaming

No Jogo do Amor

Farinha pouca

(Du Sie Er & Wir, ALE, 2021)
  • Gênero: Comédia
  • Direção: Florian Gottschick
  • Roteiro: Florian von Bornstädt
  • Elenco: Nilam Farooq, Paula Kalenberg, Jonas Nay, Louis Nitsche
  • Duração: 88 minutos

Nem todas as apostas em huis clos, quando você confina um número restrito de personagens em um ambiente, dão certo, mas é muito difícil apostar no formato e errar completamente. A identificação, as limitações de algumas situações e o humor característico surgem facilmente e se bem trabalhados rendem ótimas histórias. O filme alemão No Jogo do Amor parte de uma premissa não inédita, mas sempre curiosa, a troca de casais, e se encontra nessa dinâmica fechada entre quatro paredes.

Com uma linguagem rápida e jovem, que não tem nenhuma intenção de ser muito elaborada, conhecemos Janina, Maria, Nils e Ben. Superficialmente, sabemos de seus cotidianos e personalidades. A ideia do roteiro de Florian von Bornstädt, é, num primeiro momento, deixar a confusão um tempo com o espectador sem pressa para que ela seja esclarecida e provocar a relação de simpatia/antipatia com os personagens.

No Jogo do Amor
© Steffen Junghans
Cecilia Barroso | Cenas de Cinema

Como em exemplares do gênero, o resultado final depende muito das atuações e da química entre o elenco, algo que Nilam Farooq, Paula Kalenberg, Jonas Nay e Louis Nitsche entregam bem. Cada um a seu jeito, seja na frieza de Janina, na sensibilidade de Maria, no cinismo de Nils ou na insegurança de Ben, encontra o seu personagem e transita entre suas possibilidades, e o diretor Florian Gottschick dá espaço para que isso aconteça.

Apoie o Cenas

Porém, para que a engrenagem de No Jogo do Amor funcionasse melhor, era preciso haver um equilíbrio maior no roteiro. O que gera o jogo do titulo traduzido — no original o filme se chamaria “eu, você, ele e nós” — parte de uma trama muito individual, que acaba por quebrar a dinâmica, e é a mesma coisa que faz com que exista um protagonismo nocivo para a história como um todo, minimizando a importância de personagens em detrimento de outros.

No Jogo do Amor
© Steffen Junghans
Cecilia Barroso | Cenas de Cinema

Para além disso, há uma certa inconstância no ritmo, algo que, embora também seja uma falha do roteiro não se deva somente a ele, já que Gottschick tem muita resistência em encurtar suas cenas. Há passagens muito inspiradas, com ótimos debates e um humor que não é fino e recheado de ironia, mas também escrachado, que vai do besteirol à escatologia, mas por vezes elas duram tempo demais. 

O modo como os conflitos se solucionam também podem deixar a desejar, mas até chegar até aí é inegável que muito se divertiu com o quarteto e sua ideia esdrúxula. No Jogo do Amor é aquilo que seus primeiros momentos deixavam claro que seria: um filme leve e divertido que faria rir sem grandes pretensões. Entre vivas-vozes, segredos, mentiras e muita conversa não é dos melhores e, nem de longe, o mais profundo huis-clos que a gente já viu no cinema, mas vai arrancar umas boas gargalhadas. 

Um grande momento

4 minutos

Curte as críticas do Cenas? Apoie o site!

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Botão Voltar ao topo