Crítica | Streaming

O Diário de Noel

Natal on the road

(The Noel Diary, EUA, 2022)
Nota  
  • Gênero: Comédia
  • Direção: Charles Shyer
  • Roteiro: Rebecca Connor, David Golden, Charles Shyer
  • Elenco: Justin Hartley, Barrett Doss, Bonnie Bedelia, James Remar, Essence Atkins
  • Duração: 99 minutos

É época de filmes de Natal. Por onde quer que se olhe, lá estão eles com todos os seus clichês e previsibilidade. Produzidos em larga escala, com intenção de ser um passatempo despretensioso para toda família, quase nunca há riscos ou ousadias. No Cenas, chamamos essas produções de “filmes verde-vermelhos” e, embora elas tenham um retorno financeiro sazonal, ele é garantido. A segurança está tanto em quem produz quanto em quem aperta o play. Seja no catálogo vastíssimo do Hallmark Channel, no alternativo Primetime ou no empenhado novo braço da Netflix, sempre há um novo filme com trama fácil e sorriso bobo. E o verde-vermelho dessa última semana da gigante do streaming é O Diário de Noel.

Não, Noel não é o velhinho que distribui presentes no fim do ano e nem algum parente que vai ter que assumir o lugar dele. Noel Hayden era a babá da família Turner e, mesmo ausente, vai ser a responsável pelo encontro do agora adulto Jacob, escritor best seller famoso, traduzido em mais de 35 idomas, e Rachel, uma tradutora que está prestes a mudar de vida. Os dois têm lacunas no passado, questões familiares que influenciam suas vidas e personalidades e, por isso, precisam ser solucionadas. Tudo dentro do esperado para o estilo de filmes.

O Diário de Noel
KC Bailey/Netflix

A dupla é vivida por dois rostos bem conhecidos das telinhas: Justin Hartley, o Kevin de This is Us e Arqueiro Verde de Smallville, e Barrett Doss, a Vic de Station 19 e Grey’s Anatomy; e o elenco ainda conta com a presença de Bonnie Bedelia, nome marcante dos anos 1980 e que chamou a atenção como Holly McClane em Duro de Matar. Todos funcionam muito bem em cena, em especial o casal, mesmo com os exageros e afetações. Nas obviedades do roteiro de Rebecca Connor, David Golden e Charles Shyer, inspirado no livro do natalino Richard Paul Evans, seria difícil evitá-los de qualquer maneira.

Apoie o Cenas

Mas tem uma jornada que acaba deslocando O Diário de Noel dos outros filmes verde-vermelhos. Há, sim, um assumir discreto da comédia romântica, mas o drama é imperativo na trajetória e Jacob e Rachel. Em sua união, os dois seguem seu caminho juntos descobrindo-se e, ao contrário do costumeiro, num esquema meio road movie, existe uma perspectiva diferente para a construção da narrativa.

O Diário de Noel
KC Bailey/Netflix

Nos lugares em que o longa chega há algo de inusitado e encontram-se possibilidades que retardam um pouco as soluções de sempre, mas O Diário de Noel jamais deixará de negar a sua origem e a sua temática, inclusive com as alusões alguns símbolos de sempre, sejam eles o visgo ou aquela projeção especial de A Felicidade Não Se Compra. E vai ter, como era de se esperar, ingenuidade e espaço para aquele sorriso bobo.

Um grande momento
O coelho

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.
Assinar
Notificar
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver comentário
Botão Voltar ao topo