Crítica | FestivalCrítica | StreamingFestival de Brasília

O Milagre de Santa Luzia

(O Milagre de Santa Luzia, BRA, 2008)

Documentário

Direção: Sergio Roizenblit

Elenco: Dominguinhos, Sivuca, Arlindo dos 8 baixos, Camarão, Genaro, Pinto do Acordeon, Joquinha Gonzaga,Dino Rocha, Elias Filho, Gabriel Levy, Toninho Ferraguti, Mario Zan, Osvaldinho do Acordeon, Renato Borghetti, Gilberto Monteiro, Luciano Maia e Quartcheto, Luis Cralos Borges, Edson Dutra dos Serranos, Bagre Fagundes, Telmo de Lima Freitas, Patativa do Assaré

Roteiro: Sergio Roizenblit

Duração: 104 min.

Minha nota: 7/10

De onde vem o nome do rei do baião Luiz Gonzaga?

Esta pergunta é respondida logo no começo do documentário O Milagre de Santa Luzia e serve de gancho para uma viagem por todo o Brasil através da musicalidade da sanfona.

Ao lado de Dominguinhos, o diretor visita o Nordeste, o pantanal matogrossense, os pampas gaúchos, a urbana São Paulo e mostra as mais diversas maneiras de se tocar o completo e complexo acordeão, também conhecido como sanfona e gaita.

Com fotografia do diretor, Sergio Roizenblit e de Rinaldo Martinucci, o filme é de uma beleza extasiante, apesar de tropeçar em alguns experimentos visuais menos interessantes e cansativos, como a corrida da câmera entre a paisagem seca da região nordestina.

O longa também se perde um pouco ao chegar no Sul do país e se demorar um pouco mais do que o deveria por lá, quebrando o bom ritmo, que se recupera depois.

O som, assinado por João Godoy, René Brasil e Thiago Bittencourt está excelente. E é impossível não se render a todas as histórias contadas e cantadas na tela. As músicas também são maravilhosas.

Uma boa pedida para conhecermos um pouco mais sobre a nossa terra e a nossa música. Belo, sensível e lindo.

Aqueles que têm problemas com o gênero documentário devem vê-lo para mudar os conceitos.

Um Grande Momento

“Eu sei duas.”


Prêmios e indicações (as categorias premiadas estão em negrito)

Festival de Brasília: Trilha Sonora

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. “O Milagre de Santa Luzia” é um filmes simples, e aparentemente convencional, mas também sutilmente genial, de uma genialidade dificilmente identificável por observadores viciados no lugar comum do gosto atual. Parabéns aos responsáveis pelo “Milagre…”.

Botão Voltar ao topo