Crítica | Streaming

Quero Ser Grande

(Big, EUA, 1988)

Comédia
Direção: Penny Marshall
Elenco: Tom Hanks, David Moscow, Elizabeth Perkins, Robert Loggia, John Heard, Jon Lovitz, Mercedes Ruehl
Roteiro: Gary Ross, Anne Spielberg
Duração: 104 min.
Nota: 7 ★★★★★★★☆☆☆

Em um momento bem nostálgico, resolvi que assistiria novamente ao clássico dos anos 80 Quero Ser Grande. Quando vi pela primeira vez, achei o filme o máximo. Cheguei até a rever outras vezes e sempre gostando muito. A idade foi chegando, eu virei mãe de família (três anos após o lançamento do filme e com apenas 17 anos de idade) e acabei só com uma vaga lembrança de que ele existia. Agora, que minha filha está enorme, o Telecine Cult reexibiu e, como não estava fazendo nada, assisti.

Josh é um adolescente típico que conversa com o melhor amigo por um walk talk, adora joguinhos de computador, anda sempre de casaco e é apaixonado por uma menina da mesma idade mas muito mais alta e que, para piorar, está namorando um menino bem mais velho e que já tem carro. Uma noite, querendo impressionar a tal menina, Josh resolve encarar o brinquedo mais assustador de um parque de diversões que está em sua cidade, mas é barrado na entrada porque não tem a altura mínima exigida.

Arrasado por não poder andar no brinquedo e nem ter chances com a menina, ele resolve fazer um pedido à máquina mais estranha do parque. O pedido, como era de se esperar, é o de ser grande. Solicitação atendida, Josh vira adulto da noite para o dia.

O filme é cheio de momentos muito engraçados. O roteiro é a estréia no cinema de Gary Ross, que posteriormente escreveria o bom A Vida em Preto e Branco, e da irmã de Steven Spielber, Anne, que nunca mais escreveu nada.

Tom Hanks, que costuma ser apenas bom para mim, está excelente como o adulto/criança que de repente tem que encarar um mundo que ele sequer sabia que existia, com toda a sua crueldade, competição e relações sempre complicadas.

O filme acaba nos mostrando como é que sempre matamos a criança que fomos para entrar em uma vida que não nos traz quase nenhuma satisfação dos desejos mais básico. Aqueles aos quais as crianças costumam dar tanto valor. E esse é o seu ponto mais forte.

No mais, é um programa sempre agradável e muito divertido. Também é muito interessante para lembrarmos de algumas modas dos anos 80 (cada roupa ridícula e cabelos horrorosos) e para vermos como as coisas evoluiram de lá até aqui. Os computadores, com seus molengas disquetes de 5 1/4″ e enormes, tinham uma tela verde e preta e seus joguinhos com gráficos bem básicos, não existem há muitos anos e muitas pessoas que hoje não vivem sem a internet, nunca tiveram a oportunidade de conhecer.

É claro que é um filme bobinho, mas marcou uma época e tem uma mensagem legal. Para saudosistas de plantão, admiradores de Hanks e dos anos 80 e para aqueles que gostaram de De Repente 30 saberem de onde saiu a idéia.

Um Grande Momento
Apesar da mais famosa ser a cena do piano, eu prefiro quando Josh passa a noite no hotel-espelunca.

Quero-ser-grande_poster

Links

IMDb [youtube]http://www.youtube.com/watch?v=Tr4VqhM3_sY[/youtube]

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Cecília,
    Roteiro simples, bem conduzido e, principalmente, bela composição de Tom Hanks, naquela que seria sua primeira indicação ao Oscar.

  2. Oi, Arthur!

    É daqueles que a gente nunca se importa em assisistir de novo, né?

    Beijoca

  3. Nooosssaaaa adoro esse filme!!!
    Apesar de ser reprisadíssimo na seção da tarde, continuo gostando, mas faz muito tempo que não assito.
    Ótima dica!!!!

    A cena do Piano é clássica…

  4. Pois é, Rodrigo. Todo mundo adora essa cena do piano. Tanto que se você fizer uma busca no YouTube por Quero Ser Grande vai ter um monte de vídeo de gente repetindo a cena no piano gigante. Outra cena muito boa é a do caviar…

    Ramon(es), esse ficou para a história mesmo…

    Beijocas

  5. Adoro esse filme!!!
    Preciso reve-lo…com certeza é garantia de boa diversão sempre!!!
    Adoro a cena do piano, mas tbm outra ótima mesmo é a do hotel.. excelente..
    beijos!!!

  6. Olá, pessoas!

    Pois é, Robson. Tem tudo a ver com a sua lista mesmo, né?
    Meu problema com Hanks vem desde que ele ganhou o Oscar por Filadélfia. Não que eu não ache um grande trabalho, mas acho inferior às atuações de Daniel Day-Lewis (Em Nome do Pai) e Anthony Hopkins (Vestígios do Dia) que concorreram no mesmo ano.
    Mas longe de mim achar que ele é um mau ator. De jeito nenhum, só acho que não é tudo que dizem por aí.

    Marcel, você acredita que eu nunca vi Weeds? Vou ver se resolvo isso em breve.

    Red Dust, esse tipo de humor faz falta hoje em dia. As crianças não tem mais títulos assim para assistir. Isso é triste.

    O Cara da Locadora, é muito bom, né? Também acho Hanks excelente nesse filme, mas, como disse ao Robson, ele não é o melhor.

    Pois é, Hugo, marcou a infância dos que freqüentavam a década, como eu.

    Nossa, Rê, você tem que ver. Como documento da época é ótimo e, além disso, é uma graça. Tenho certeza que você vai adorar.

    Pedro Henrique, o filme é engraçado mesmo. E é aquele humor singelo, bobo.

    É um clássico mesmo, né Louis Vidovix? Deviam continuar reprisando filmes como este ao invés de colocar esse monte de lixo que eles têm apresentado ultimamente.
    Vou conhecer o seu blog.

    Beijocas a todos!

  7. Gosto MT desse filme! Extremamente divertido, clássico de Sessao da Tarde… Hanks dando um show!

    Alias, gostaria de divulgar um novo blog sobre séries e filmes!

    http://cinefilando.blogspot.com/

    Já relacionei o seu blog lá:)

    Abraço!

  8. Não sei porque mas eu acho esse filme super engraçado…

    Abraço!

  9. Pode parecer incrível mas eu nunca vi esse filme… adorei a dica!!… vou ver na programação do Telecine se vai passar de novo.. rsrs…
    bjs Ciça, obrigada pelo toque. Com certeza vou assistir e gostar.

  10. Este é um filme simples, mas extremamente agradavel, um tipo de comédia inofensiva com pitadas de drama sem apelar e uma mensagem bem legal.
    Um dos filmes legais dos anos 80.

    Até mais.

  11. Nossa, eu adoro esse filme… :)

    Vale muito a pena ver e rever, traz uma mensagenzinho muito bonita além de ser muito engraçado. Na minha opinião o Tom Hanks não é só bom mas também não é tudo isso, ele tá no meio termo. Porém, nesse filme ele tá excelente, acho que ele tinha mais potencial, haha…

  12. É uma comédia interessante, com várias situações engraçadas. Naquela década de 80, Hanks especializou-se neste género de filmes, deixando-nos como legado um tipo de humor algo ingénuo, mas bem capaz de alegrar as tardes de domingo e não só…

    A minha classificação: 7/10.

  13. esse filme é muito divertido, o Hanks tah mt bem. E ainda tem a Elizabeth Perkins q eu adoro!!! A ótima Celia Hodes de “Weeds” dah um show, sempre! =D

  14. Cecília, esse filme é ótimo! Quase que incluia na minha lista da Sessão da Tarde, mas se fossem todos a lista não teria fim! Só não concordo quando diz que Tom hanks é apenas bom pra você, não diga isso. hehehe

Botão Voltar ao topo