Crítica | Streaming

Rota Mortal

(Rest Stop, EUA, 2006)

Terror
Direção: John Shiban
Elenco: Jaimie Alexander, Joey Mendicino, Diane Salinger, Joseph Lawrence, Mikey Post, Michael Childers
Duração: 80 min.
Nota: 1 ★☆☆☆☆☆☆☆☆☆
Sabe quando a gente senta para ver um filme e começa a pensar “pior do que isso não dá pra ficar”? Rota Mortal é um exercício de superação. Ele já começa péssimo e não para de ficar “pior ainda”.

O roteiro é terrível, as interpretações são podres, nada faz sentido… Um horror!

Uma aspirante a atriz mimada resolve fugir de casa com o namorado. No meio do caminho eles param para ir ao banheiro. Coisas sinistras começam a acontecer desde então. Fantasmas em armários, sádicos incansáveis e até uma família bizarra estão presentes para preencher todos os espaços destinados a clichês do gênero.

Uma mistura de A Morte Pede Carona, O Massacre da Serra Elétrica e Sexta-Feira 13 que demonstra que John Shiban deveria ter ficado só como roteirista e produtor de seriados de TV mesmo. No meio do filme a gente tem até vontade de gritar para alguém tomar a câmera da mão dele.

Como existe gente doida para tudo, estão filmando uma seqüência do filme, mas Shiban ficou só na produção.

Para quem sempre se arrisca nos filmes toscos, é uma experiência única. Péssima, mas única.

Um Grande Momento

Cinco minutos depois que o filme acaba.

Para Ver em Casa

O filme foi lançado somente em dvd (por que será, né?) e conta com cinco finais alternativos. Em todos, o diretor deve ter esquecido de gritar corta e, por isso, nenhum presta.

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

14 Comentários

  1. EU ASSISTI NO SBT. E PASSOU NA GLOBO BOITES ASSOMBROSAS (SE NÃO ME ENGANO) NO MESMO DIA.

  2. É ruim mesmo e o segundo consegue ser pior mas vc entende o que acontece!!

  3. havia assistido o ROTa MORTAL 2 antes do 1. Que Filme mais sem graça. Eu já tinha odiado o dois. o Primeiro então nem se faLA…. Mto parado nem tem mta gente pra morrer nem nd. E sempre aquela coisa da protagonista indo pra lá e pra ká igual uma anta perdida¬¬ . Fiquei indignado quando o policial apareceu e na hr q o assassino atropelou ele, a burra ainda ficou lá parada com o policial tentando ajudar. Lá vem a pergunta…. PQ a besta não pegou a moto e vazou dali?? AFF mto tosco.

  4. eu amoooooooooooooooooo esse filme procuro em todo lugar mais nao acho!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. Nunca vi filme tão ruim em toda minha vida, nem vi o final, no meio do filme já fiquei com vergonha alheia…

  6. eu adoooooooorei o filme ,já que vocês acharam tão rim pra que viram o filme faz um melhor então!!!!!!!!!!!!!!

  7. Nem me fale viu? Esse filme podia ter sido bem melhor.
    Foi muito mal escrito rsrs…
    Mas pra uma noite que não tem nada na TV igual ontem que passou no SBT tava bom rsrs

  8. Uma palavra de cinco letrar pra resumir este filme:

    P-O-D-R-E!!!!!

    Como você mesma disse, Cecília…parece uma mistura de filmes…

    Massacre da Serra elétrica, sexta feira 13, a morte pede carona e a casa de cera.

    HORRÍVEL!

  9. Oi, gente!

    Bruna – É muito ruim mesmo… Daqueles que os atores têm vergonha quando vêem o final.

    Jaqueline – Aquele riso nervoso, né? Tipo rir para não chorar. Hehehe. Doméstico é uma boa definição.

    Anônimo – É muito ruim… E os finais alternativos? Péssimos… Hahahaha.

  10. hahahahahaha
    pela mor de deus vc fica vendoo filme inteiro com a quelas morte horriveis e nojentas e ai no final a menina fica presa no banheiro e e parece q vai começar tudo de novo !
    mas dá um pouquinho de medo :/

  11. huahuahuahuahua.. eh realmente, eu nao sabia se dava risada, ou o que.. terrivel.. totalmente doméstico…

  12. Hahahahahahahaha!!!!
    Tô passando mal de rir aqui. Porque o filme é extamente isso: uma m$#@*&!
    Os finais merecem ser vistos como um exercício de “Assim não se faz cinema”.
    Assista e chore de raiva… Uma bomba.

Botão Voltar ao topo