estanteFestival de Brasília

São Bernardo

(S. Bernardo, BRA, 1971)

Drama

Direção: Leon Hirszman

Elenco: Othon Bastos, Nildo Parente, Isabel Ribeiro, Vanda Lacerda, Joffre Soares, Mário Lago, Rodolfo Arena

Roteiro: Graciliano Ramos (romance), Leon Hirszman

Duração: 113 min.

Minha nota: 8/10

Quem assistiu a uma cópia anterior de São Bernardo mal pode acreditar no que está sendo projetado na tela branca. Depois de vários meses editando todo o filme os irmãos Lauro e Eduardo Scorel, que também participaram do projeto original, fazem os cinéfilos viverem uma das experiências mais incríveis na sala escura.

O filme traz ao cinema o livro homônimo de Graciliano Ramos. Paulo Honório é um homem que não tinha nada mas, com o tempo, vai melhorando de vida até atigir seu objetivo máximo: comprar a fazenda São Bernardo e tranformá-la em seu próprio castelo.

Os enquadramentos de Hirszman, realçados pela fotografia de Lauro Scorel são pontos altos do filme e transformam a sessão em uma espécie de aula de como fazer cinema para um público completamente envolvido pela história contada.

A edição do filme, assinada por Eduardo Scorel é segura e, consegue trabalhar com momentos contemplativos, sem torná-los chatos e respeita o andar lento de uma história rural de Graciliano Ramos sem oscilar.

O elenco também está ótimo e a atuação de Othon Bastos como o impulsivo e grosso Paulo Honório é inesquecível.

A única coisa que incomoda é a trilha sonora. Assinada por Caetano Veloso, ela começa bem, mas repetitiva, acaba cansando os espectadores. Tanto que em uma das cenas ela é cortada pelo barulho de máquinas algodoeiras e o som mecânico é um alívio para os ouvidos.

Daqueles filmes que merecem ser vistos por todos. Cinéfilos, cineastas e apreciadores da sétima arte não podem perder de jeito nenhum.

Um Grande Momento

Madalena sai da igreja.



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Festival de Berlim: Recomendação

Gramado: Filme, Ator (Othon Bastos), Fotografia (Lauro Scorel)

Links

Imdb

Adoro Cinema Brasileiro

O filme será exibido novamente hoje, às 19h30 no CCBB.

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Oi, gente!

    Wallace – Falo, sem medo de errar, que você vai gostar muito das coisas feitas por ele. Eu acredito que não deva demorar para lançar o dvd não, afinal de contas a restauração já foi feita.

    Kau – Tem e é ótima. Acho que você vai gostar.

    Francisco – Pois é. É claro que o livro é melhor, mas o filme é ótimo.

    Wally – Pois é. Correria louca de novo e dessa vez com um montão de curtas. Quero ver se vou dar conta.

    Beijocas para todos!

  2. Eba! Mais um festival para ganhar luxuosa coberta por Cee. Então, o filme parece ser bom, tem uma veia instigante.

    Ciao!

  3. Jura que tem uma adaptação do romence??? E que é boa??? Nossa, nem imaginava isso… vou procurar!

    Bjos!!

  4. Tenho muita vontade de assistir a esse filme e de conhecer mais a fundo o cinema do Hirzman, de quem até hoje só vi o maravilhoso Eles Não Usam Black-Tie. Me parece que São Bernardo também está sendo relançado em dvd esse mês, não é ?

Botão Voltar ao topo
Fechar