Crítica | StreamingFestival de Brasília

São Bernardo

(S. Bernardo, BRA, 1971)

Drama

Direção: Leon Hirszman

Elenco: Othon Bastos, Nildo Parente, Isabel Ribeiro, Vanda Lacerda, Joffre Soares, Mário Lago, Rodolfo Arena

Roteiro: Graciliano Ramos (romance), Leon Hirszman

Duração: 113 min.

Minha nota: 8/10

Quem assistiu a uma cópia anterior de São Bernardo mal pode acreditar no que está sendo projetado na tela branca. Depois de vários meses editando todo o filme os irmãos Lauro e Eduardo Scorel, que também participaram do projeto original, fazem os cinéfilos viverem uma das experiências mais incríveis na sala escura.

O filme traz ao cinema o livro homônimo de Graciliano Ramos. Paulo Honório é um homem que não tinha nada mas, com o tempo, vai melhorando de vida até atigir seu objetivo máximo: comprar a fazenda São Bernardo e tranformá-la em seu próprio castelo.

Os enquadramentos de Hirszman, realçados pela fotografia de Lauro Scorel são pontos altos do filme e transformam a sessão em uma espécie de aula de como fazer cinema para um público completamente envolvido pela história contada.

A edição do filme, assinada por Eduardo Scorel é segura e, consegue trabalhar com momentos contemplativos, sem torná-los chatos e respeita o andar lento de uma história rural de Graciliano Ramos sem oscilar.

O elenco também está ótimo e a atuação de Othon Bastos como o impulsivo e grosso Paulo Honório é inesquecível.

A única coisa que incomoda é a trilha sonora. Assinada por Caetano Veloso, ela começa bem, mas repetitiva, acaba cansando os espectadores. Tanto que em uma das cenas ela é cortada pelo barulho de máquinas algodoeiras e o som mecânico é um alívio para os ouvidos.

Daqueles filmes que merecem ser vistos por todos. Cinéfilos, cineastas e apreciadores da sétima arte não podem perder de jeito nenhum.

Um Grande Momento

Madalena sai da igreja.



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Festival de Berlim: Recomendação

Gramado: Filme, Ator (Othon Bastos), Fotografia (Lauro Scorel)

Links

Imdb

Adoro Cinema Brasileiro

O filme será exibido novamente hoje, às 19h30 no CCBB.

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Oi, gente!

    Wallace – Falo, sem medo de errar, que você vai gostar muito das coisas feitas por ele. Eu acredito que não deva demorar para lançar o dvd não, afinal de contas a restauração já foi feita.

    Kau – Tem e é ótima. Acho que você vai gostar.

    Francisco – Pois é. É claro que o livro é melhor, mas o filme é ótimo.

    Wally – Pois é. Correria louca de novo e dessa vez com um montão de curtas. Quero ver se vou dar conta.

    Beijocas para todos!

  2. Eba! Mais um festival para ganhar luxuosa coberta por Cee. Então, o filme parece ser bom, tem uma veia instigante.

    Ciao!

  3. Tenho mta vontade de ver esse filme pois sou fã do livro…
    Bj!

  4. Jura que tem uma adaptação do romence??? E que é boa??? Nossa, nem imaginava isso… vou procurar!

    Bjos!!

  5. Tenho muita vontade de assistir a esse filme e de conhecer mais a fundo o cinema do Hirzman, de quem até hoje só vi o maravilhoso Eles Não Usam Black-Tie. Me parece que São Bernardo também está sendo relançado em dvd esse mês, não é ?

Botão Voltar ao topo