Crítica | Streaming

Traição

(Traição, BRA, 1998)

Drama

Direção: Arthur Fontes, Cláudio Torres, José Henrique Fonseca

Elenco: Fernanda Montenegro, Fernanda Torres, Pedro Cardoso, Tonico Pereira, Daniel Dantas, Ludmila Dayer, Jorge Dória, Francisco Cuoco, Alexandre Borges, Drica Moraes, José Henrique Fonseca

Roteiro: Nelson Rodrigues (contos), Patrícia Melo, Mauricio Zacharias

Duração: 104 min.

Nota: 6/10

As histórias de Nelson Rodrigues estão sempre sendo adaptadas para o cinema e a televisão. Traição é mais das muitas que foram feitas. O filme é composto por três episódios: O Primeiro Pecado, Diabólica e Cachorro!. Cada um sob a ótica de um diretor diferente e ambientados em épocas distintas, tratam a traição, tema sempre recorrente na obra de Nelson, um especialista em tabus.

Em O Primeiro Pecado, um homem se apaixona por uma mulher casada que conhecera em um ponto de ônibus. Ele pede emprestado a um amigo de bar o apartamento em Copacabana, onde acontece o encontro. A história parecia caminhar para um lado, mas acaba em outro totalmente diferente. O roteiro parece perder o ritmo e fica tudo meio confuso. Apesar das boas atuações de Pedro Cardoso e Fernanda Torres, não decola.

Diabólica conta a história de um casal apaixonado e da irmã da noiva, de apenas 13 anos, que tenta conquistar o noivo de qualquer maneira. A pedofilia é sempre um tema difícil, mas Nelson Rodrigues nunca deixou de escrever sobre ele. O episódio, dirigido e atuado em família (Cláudio Torres dirige a mãe e a irmã), é melhor do que o primeiro, mas deixa aquela impressão de que alguma coisa saiu diferente do planejado. Apesar da direção segura, o roteiro parece não conseguiu acompanhar toda a capacidade de conclusão de Nelson. As atuações, a fotografia e a cenografia são muito boas.

Cachorro! traz a história de vingança de um marido traído pela mulher e seu melhor amigo. É, sem dúvida, o melhor dos episódios. Alexandre Borges está muito bem como o marido descontrolado. A influência dos filmes de Quentin Tarantino é percebida no cenário, nos ângulos da câmera e no desenvolvimento da história. Apesar de ser a melhor adaptação, não é a melhor história. O diretor José Henrique Fonseca também atua no episódio: é o melhor amigo traidor.

Apesar de ser uma boa tentativa, cheia de bons elementos de cinema, o filme, como um todo, fica devendo à série produzida para a tv e dirigida por Daniel Filho e Denise Saraceni, A Vida como ela É, lançada dois anos antes.

Sempre é bom ver Fernanda Montenegro e conhecer histórias de Nelson Rodrigues, mas talvez seja melhor buscar outros títulos. Um filme interessante, mas está longe de ser uma obra indispensável.

Uma curiosidade: os três diretores foram responsáveis por episódios da boa série Mandrake, produzida e exibida pela HBO.

Um Grande Momento

Fernanda Montenegro ligando para a polícia.

Traicao_poster

 

Prêmios e indicações(as categorias premiadas estão em negrito)

Festival de Brasília: Diretor (Cláudio Torres), Ator Coadjuvante (Francisco Cuoco), Atriz Coadjuvante (Ludmila Dayer)

Grande Prêmio Brasil de Cinema: Ator (Daniel Dantas), Atriz (Fernanda Torres, também por O Primeiro Dia)

Links

 

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

12 Comentários

  1. ola, você saberia me dizer onde posso encontrar esse filme? na web ou em lojas?

  2. Obrigada Cecília, mas moro numa cidade pequena que é um buraco. Aqui não tem nada que preste em filmes. Vou tentar telefonar p algumas locadoras do Rio na tentativa de comprá-lo. No canal Brasil, pelo menos nesse mês, não consta na programação…

    Obrigada.

    Abs!

  3. Geórgia, o filme está disponível em VHS em algumas locadoras. Eu assisti no Canal Brasil.

    Beijocas

  4. Olá, pessoal! Bom ver vocês!!!

    O filme é difícil mesmo de encontrar, Pedro Henrique. E quando encontra é só em vhs. Eu dei a sorte de topar com ele ontem no Canal Brasil. Aliás, que bom que este canal existe, porque tem coisa que é só lá!

    A Ludmila Dayer está muito bem no papel mesmo, Kamila. O filme não tem nenhuma ligação com a série da Globo não. Enquanto ele é mais cinema, A Vida Como Ela É tem aquela cara de feito para a tv.

    Pois é, Ibertson, tem muita coisa que nós produzimos e não chegamos nem a conhecer. É dificílimo termos acesso a alguns títulos.

    Boa sorte nas provas, Felipe! Espero que elas acabem logo e que as notas sejam ótimas!

    Também adoro a Fernanda Montenegro, Marco. O bom é que nesse filme ela vem em dose tripla!

    Beijocas a todos!!!

  5. Nossa, eu nunca nem ouvi falar nesse filme!

    Uma pena que não deva ser tão acessível assim… Gosto muito da Fernanda Montenegro!

    PS- Adorei o seu calendário humano! =D

  6. Oi cecilia, estava lhe devendo uma visita urgente!! mas agora ta feito, minha primeira participação no seu blog! Ando cheio de prvas na faculdade e por isso não tem dado tempo de fazer “tur” pelo mundo blogosférico, ok? mas aliviando as provas com certeza apareço com bastante rfequencia (ah! isso se estende aos outros parceiros de blogspot!)
    inté

  7. Também não cheguei a ver esse filme. Bom receber dicas de vários filmes nacionais de qualidade em seu blog.
    Beijo!

  8. Me lembro que, quando “Traição”, estreou, li coisas ótimas a respeito da atuação da Ludmila Dayer. Mas, o filme seria uma versão mais longa daquele quadro “A Vida Como Ela É”, que passava no Fantástico?

    Bom final de semana!

  9. Ainda não conferi esse filme por que não encontro nas locadoras, veja que absurdo, nossas locadoras, pelo menos as daqui de Porto Alegre, estão carentes de filmes nacionais…

    *Irei linkar o seu blog na minha lista de links para poder visitar com frequencia, ok?

    Abraço!!!

Botão Voltar ao topo