(Captain Marvel, EUA, 2019)
Ação
Direção: Anna Boden, Ryan Fleck
Elenco: Brie Larson, Samuel L. Jackson, Ben Mendelsohn, Jude Law, Annette Bening, Lashana Lynch, Clark Gregg, Rune Temte, Gemma Chan, Algenis Perez Soto, Djimon Hounsou, Lee Pace, Chuku Modu, Matthew Maher
Roteiro: Geneva Robertson-Dworet, Meg LeFauve, Nicole Perlman, Anna Boden, Ryan Fleck
Duração: 123 min.
Nota: 6 ★★★★★★☆☆☆☆

Demorou até que a mais inclusiva editora de quadrinhos levasse aos cinemas a primeira aventura de sua mais importante super-heroína. Capitã Marvel chegou reunindo um time de mulheres que têm encontrado espaço no cinema. Quem assina a direção é Anna Boden, ao lado de Ryan Fleck. Ambos já estiveram juntos em trabalhos afastados do universo, como Half Nelson: Encurralados, Se Enlouquecer, Não Se Apaixone e Parceiros de Jogo. O roteiro, assinado também pelos dois e por Geneva Robertson-Dworet (Tomb Rider: A Origem), vem do argumento original de Nicole Perlman (Guardiões da Galáxia) e Meg LeFauve (Divertida Mente).

Tirando Fleck, uma espécie de estranho no ninho, tudo muito bem encaminhado para concretizar a adaptação da origem de Carol Danvers. Perturbada por flashs do passado, sem se lembrar exatamente de sua história, conhecemos a personagem em sua realidade no planeta Hala, como integrante do exército do Império Kree. Em missão, Danvers, conhecida agora como Vers, volta à Terra e reencontra seu passado.

Capitã Marvel transita entre temáticas bastante relevantes, como a questão migratória e o empoderamento feminino. Se a questão dos imigrantes chega como pano de fundo, a mulher está em primeiro plano, independente de relações amorosas e tomando consciência de seu poder. É quando o filme encontra seu maior acerto, no criar uma representação ainda ausente no cinema: uma super-heroína que se basta, que, depois de sua libertação, não precisa de qualquer subterfúgio para utilizar o seu poder, não tem a menor necessidade de ser sexualizada e assume suas responsabilidades de maneira independente. Justamente por isso, o reconhecimento de várias a esta personagem é muito mais importante que o gerado pela super-heroína da principal concorrente.

Além disso, a história é fortalecida por mulheres marcantes, seja dentro da trama, na forma assumida pela Inteligência Suprema e seu significado ao longo da história; na amiga e parceira e na relação de cumplicidade entre as duas; na sobrinha emprestada, que os leitores de quadrinhos já conhecem bem, ou mesmo na trilha sonora recheada de músicas de Hole, Heart, Elastica, Garbage, TLC e por aí vai.

Porém, embora se encontre em seu principal objetivo, o da representação da mulher, e se ancore nisso, o longa-metragem não consegue encontrar o equilíbrio entre as cenas de ação e as outras passagens. Com problema de ritmo e um humor pouco natural, cansa nas passagens de recuperação da memória de Danvers e nos momentos em que os efeitos especiais não estão em destaque. Tem ainda problemas com a repetição excessiva de algumas passagens.

Capitã Marvel, portanto, é um filme bastante irregular em sua composição. Ainda que consiga criar mais uma personagem marcante e execute bem uma das especialidades do estúdio: as ligações com outros filmes anteriores de seu universo (com destaque aqui para toda a conexão de Danves e o agente da SHIELD Nick Fury, em momento inspirado de Samuel L Jackson), está distante de toda a qualidade que costuma entregar.

Mas diverte e é um marco ao trazer tantas mulheres para contar a história de uma mulher que influenciará tantas outras no futuro. Ainda que precise de aprimoramentos, para começar, já valeu.

Um Grande Momento:
“Eu não tenho que te provar nada.”

Links

No IMDb