Crítica | Streaming

Carlinhos e Carlão

Muito mais do que fazer rir

(Carlinhos e Carlão, BRA, 2020)

  • Gênero: Comédia
  • Direção: Pedro Amorim
  • Roteiro: Carolina Castro, Célio Porto
  • Elenco: Otávio Augusto, Matheus Costa, Marcelo Flores, Letícia Isnard, Victor Lamoglia, Luis Lobianco, Thati Lopes, Luis Miranda, Mariana Rebelo, Saulo Rodrigues, Thiago Rodrigues, Marcelo Souza
  • Duração: 93 minutos
  • Nota:

Indo direto ao assunto: Carlinhos e Carlão, novo filme de Pedro Amorim, é o tipo de produção nacional que a crítica detesta. Logo, provavelmente teremos uma enxurrada de textos declarando que preferiam furar os olhos a ter assistido o filme, mais uma vez relegando o produto comercial nacional a uma categoria indigente. Semana passada, o mesmo Amazon Prime que está colocando no ar essa produção que só não ganhou os cinemas por conta dos efeitos da pandemia COVID-19, disponibilizou Os Espetaculares, um filme onde nada funcionava. Naquele texto, eu dizia que a nossa produção popular não precisava ser tão rala, e é um filme que tenha ao menos essas qualidades que eu peço quando vou assistir a esse tipo de produto.

Não, o novo filme do realizador dos superiores Mato sem Cachorro e Divórcio não é excelente, não é muito bom. Mas, pegando emprestado uma palavra que coleguinhas críticos decretaram como sendo persona non grata em textos da vez, provavelmente é um filme muito necessário. Com certeza não pra mim e nem pra minha bolha, que sabem exatamente as regras do bem viver (creio eu), da liberdade sexual e do “cada um faz da sua vida o que bem entende”, mas comédias populares nacionais não atingem a necessidade na minha bolha – e eu vejo claramente que um filme como esse é elaborado para uma fatia muito maior que o universo LGBTQI+, que eventualmente dará umas boas risadas, entre uma rosnada ou outra.

Carlinhos e Carlão (2020)

Foi por falar única e exclusivamente “da bolha para a bolha” que a política mundial chegou no lugar onde chegou, sem entender que o que entendemos e como entendemos não é como nosso vizinho entende. Por mais didático, até ligeiramente tatibitati que certos discursos possam parecer de vez em quando, não podemos esquecer que o impacto de uma mensagem precisa alcançar o maior número de pessoas possível, e se uma única pessoa que assistir a Carlinhos e Carlão olhar para sua realidade e sentir um empuxo de mudança, terá valido a pena, e eu vejo esse sentimento perpassando a realização do filme.

Sim, existem lugares desagradáveis em sua abordagem, o filme não acerta sempre, não é uma explosão de gargalhadas o tempo todo e ainda por cima resolve de maneira nada aproveitável a questão do personagem homofóbico (me pergunto se a criminalização da homofobia não deveria ser uma pauta em cena, já que o filme abre espaço para uma abordagem séria), inclusive com um discurso antiquado ligando o ódio ao homossexual a uma propensão. Porém também olhando para o público a quem o filme principalmente decide apontar o dedo em reprovação, a cena final – embora possa ser discutível – pode ser lida como uma alfinetada.

Carlinhos e Carlão (2020)

A verdade é que Carlinhos e Carlão, ao espectador comum, será assistido por pessoas de inúmeras inclinações sexuais diferentes, porém – tomando liberdade na exposição, que sei que é reprovada pela crítica em geral – como gay que sou, foi difícil assistir ao filme desde o prólogo pela identificação, onde ouvi as palavras daquele pai, que dizia ser errado um homem ser afeminado, e fui arremessado direto na minha própria infância, onde escutei por muitos anos a mesma coisa. A jornada metafórica de Carlos, que aprisionou seu desejo sexual verdadeiro ao travestir de “ão” o “inho”, é a mesma jornada de todos nós, independente do tempo em que o armário foi aberto, porque uma hora ele é.

Cinematograficamente, Amorim já demonstrou que tem recursos suficientes para não entregar uma produção de fundo de quintal, e isso fica evidente aqui, e os figurinos de Renata Russo (!!!) são de extrema criatividade, assim como poderia ter sido a direção de arte se o filme se ativesse a ela com mais afinco. Na levada de novas produções criativas em seu tratamento imagético como Alice Junior, a produção tem um frescor na forma como capta seus planos e em como realiza seus efeitos práticos na tela, discretos porém eficientes.

Carlinhos e Carlão (2020)

Ainda que o elenco não seja amplamente aproveitado (o filme conta com uma seara de novos comediantes de primeira linha, como Thati Lopes, Pedroca Monteiro e Victor Lamoglia, e não os utiliza em tudo que eles têm pra oferecer), é necessário ressaltar que o veterano Otávio Augusto (Bendito Fruto) ocupa cada mínimo espaço de tela para dar seu recado e dá, com ênfase e sutileza ao mesmo tempo. Luis Miranda (Madame Satã), em participação especial, também é um ator de recursos tão vastos que sua marca fica impressa mesmo tão rápido. Mas é difícil olhar pro filme e não se impressionar onde chegaram Luis Lobianco e Marcelo Souza.

O primeiro é o dono dos personagens-título do filme e, ainda que force a barra em primeiro momento pra demarcar o terreno em suas duas vertentes de atuação, consegue a sensibilidade de aproveitar a câmera para despejar uma verdade que é a de tantos homens, sejam jovens ou adultos, no caminho de adquirir pra si e pro mundo uma verdade sobre quem sempre foi, que precisou ser afogada por conta da sociedade. O diretor compreende o talento de seu protagonista e consegue passear pelas cenas em busca do rosto do mesmo, como quando Carlão diz ter compreendido o sofrimento alheio apenas por querem amar, ao posicioná-lo no canto e aproximar lentamente a câmera.

Carlinhos e Carlão (2020)

Já o segundo é um capítulo à parte. Como um jovem homem gay, eu frequentei todo tipo de boate no Rio de Janeiro na década passada, e fui observando shows de drag queens que eu conheci a personagem mais icônica do meu tempo: Suzy Brasil, um manancial de talento performático, carisma e bom humor avassaladores, Mais de 10 anos após conhecê-la, eu vi Suzy finalmente explodir em diversos programas de humor na TV, a começar pelo Ferdinando Show, como uma espécie de partner de Marcus Majella. Suzy é a persona drag de Marcelo Souza, que demonstra aqui, além de todo o talento que eu conheço há tantos anos em cima dos palcos, uma invejável presença cênica, se provando muito maior que um performer – um belo e promissor ator.

O desfecho de Carlinhos e Carlão, pós um clímax violento onde se denuncia a violência e crueldade a que passam diariamente todos os LGBTQI+ na sociedade hoje (e que o filme nunca deixa de apontar, desde o início), é tão consagrador e tem um sabor de liberdade tão grande, que eventualmente as lágrimas são difíceis de segurar; os planos rápidos no rosto de Cláudio Mendes, que vive o irmão do protagonista, são o suficiente pra que sintamos a vergonha se transformando em orgulho, exatamente tudo que desejamos que aconteça na família de cada pessoa perseguida pelo direito de amar quem quiser.

Um grande momento
Guga chega para salvar

Ver Carlinhos e Carlão no Prime Video

Francisco Carbone

Jornalista, crítico de cinema por acaso, amante da sala escura por opção; um cara que não consegue se decidir entre Limite e "Os Saltimbancos Trapalhões", entre Sharon Stone e Marisa Paredes... porque escolheu o Cinema.
Botão Voltar ao topo