Crítica | StreamingFIC Brasília

Doidão

(The Wackness, EUA, 2008)

Drama

Direção: Jonathan Levine

Elenco: Josh Peck, Ben Kingsley, Famke Janssen, Olivia Thirlby, Mary-Kate Olsen, Jane Adams, Method Man, Talia Balsam, David Wohl, Aaron Yoo

Roteiro: Jonathan Levine

Duração: 99 min.

Minha nota: 6/10

A história da escolha de Doidão, que no festival está com o nome original The Wackness, vem muito antes da projeção. O filme escolhido no começo do festival foi o espanhol O Canto dos Pássaros. No final de semana, uma folha na bilheteria me chamou a atenção, o aviso dizia que o filme era em preto-e-branco e não era uma comédia, como a programação anunciava.

Até aí tudo bem, não fosse a curiosidade e uma pesquisa rápida na internet, onde achei a crítica que Sérgio Alpendre escreveu para a Mostra de São Paulo. Ao ler “[…]planos longos, em que pouca ou nenhuma coisa acontece” e “[…]com um silêncio apavorante[…]” resolvi passar, afinal de contas a minha cota com filmes assim já foi devidamente cumprida com o longa Liverpool.

Sem esse filme, tive que escolher um outro de última hora. E lá estava mais uma produção com Ben Kingsley. Então, por que não?

Doidão é um filme dirigido ao público que mais gasta dinheiro com cinema atualmente, o jovem. O longa segue a trilha de Juno, também independente e que mostrou que os adolescente não são tão idiotas como os retratados em filmes estadunidenses.

Conta a história de Luke Shapiro nos três meses que antecedem sua ida à faculdade. Ele tem problemas em casa, pois seus pais não param de brigar, e, para ganhar a vida, vende maconha nas ruas de Nova York.

Seu único amigo é o esquisito psiquiatra Dr. Squires, que troca suas sessões por maconha e é padastro da menina por quem Shapiro se apaixona.

Com um roteiro meio vazio e não criativo, o filme vai contando a história desse verão de 1994 sem que nenhuma grande coisa aconteça. A falta de criatividade afeta também a diretora de arte, Beth Kuhn, e a diretora de fotografia, Petra Korner.

Alguns momentos são muito divertidos e o elenco está muito bem. Shapiro é interpretado pelo novinho Josh Peck e Dr. Squire, por Ben Kingsley que, ao meu ver tem aqui a atuação mais relaxada e carimática de sua filmografia.

A trilha sonora segue a tendência teen da atualidade e está cheia de muito hip-hop.

No mais, é mais uma história adolescente que começa falando de uma coisa, passa por muitas outras e acaba meio perdido. De repente tenha sido de propósito e o diretor tenha tido a intenção de passar que o filme era mais ou menos como a vida de um doidão.

O que fica, realmente, são os momentos engraçados que contagiam a platéia, e a atuação magistral de Kingsley como um médico velho viciado e derrotado.

Uma boa opção quando o principal objetivo é rir um pouco.

Próxima exibição no festival: 09/11, às 21h10.

Um Grande Momento

“Are you crying?”



Prêmios e indicações
(as categorias premiadas estão em negrito)

Sundance: Grande Prêmio do Júri, Escolha da Audiência

Links

Site Oficial

Imdb

 

 


FIC Brasília 2008

Cecilia Barroso

Cecilia Barroso é jornalista cultural e crítica de cinema. Mãe do Digo e da Dani, essa tricolor das Laranjeiras convive desde muito cedo com a sétima arte, e tem influências, familiares ou não, dos mais diversos gêneros e escolas. Faz parte da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Um Comentário

  1. Eu acho que é Vinícius, pelo menos está assim no e-Pipoca, mas sei lá! Em Portugal chegou com o nome de À Devira…

    Beijocas

  2. Estou super ansioso por esse filme, mas sério mesmo que ele terá esse título por aqui? Escolha inusitada, no mínimo.

  3. Oi, Hugo!

    Também fiquei impressionada com a atuação dele em Sexy Beast. Ele é muito bom!
    Não se se você vai gostar do filme, mas com certeza vai dar boas risadas.

    Beijocas

  4. Gosto deste tipo de filme estranho, mas com algo interessante e nesse caso além da história, tem o ótimo Ben Kingsley, que por sinal outro dia assisti uma grande atuação dele num filme inglês chamado “Sexy Beast”. Ele está apavorante como um perigoso assassino.

    Bjos

Botão Voltar ao topo